Porto Velho (RO) segunda-feira, 26 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

AVALIAÇÃO DA INTEROCEÂNICA SUL


AVALIAÇÃO DA INTEROCEÂNICA SUL - Gente de Opinião
A Interoceânica Sul que une os portos peruanos de Ilo, Matarani e San Juan com o Acre e Rondônia, esta totalmente pronta. Uma realidade de integração maravilhosa. Já vão vários meses desde a inauguração dela no ano passado. Para os peruanos e uma incrível oportunidade de levar os produtos de hortifrúti, cimento, barras de aço, pedras de construção, etc. a essas regiões brasileiras, a preços que são muito mais baixos que os que se compram desde São Paulo para o Acre, distante a 5,000 km. de este ultimo Estado.

 Para os brasileiros, as vantagens são muitas também: acesso a exportar aos EEUU e Ásia pelos portos peruanos, aproveitar as vantagens tributarias de varias zonas do Peru para fazer negócios (Amazônia, Serra Alta, CETICOS –espécie de ZPE - em Ilo), ter uma melhora na qualidade dos produtos de hortifrúti que podem chegar em melhores condições que desde São Paulo e outras cidades do Sul do Brasil

 Agora bem, os problemas que se podem constatar até hoje, são os seguintes, em relação a viabilidade desta Rodovia monumental:

- Falta ainda um maior conhecimento tanto dos empresários brasileiros como peruanos das vantagens de esta Rodovia (menor distancia para chegar ao Pacifico, sem usar o porto de Santos), complementariedade dos produtos que se podem comercializar entre Peru e Brasil, custos de importação.
 

- Não existem cargas que estão retornando com produtos. Na maioria dos casos, o transporte chega com carga mas volta vazio ao lugar de origem, produzindo-se o que se chama de “falso frete” o que vem encarecendo o custo do transporte.

- Não há muitas opções de transporte terrestre peruano e brasileiro querendo entrar na Interoceânica, já que o movimento de carga ainda e fraco. O Peru deveria incentivar as transportadoras a modernizar suas frotas, com incentivos fiscais.
 

- Faltam opções de alternativas de despachantes na Área de fronteira brasileira com o Peru.
 

- Deve-se liberar mais rapidamente os produtos que são perecíveis na área de alfândega brasileira, a fim de evitar perdas especialmente de hortifrúti (evitar burocracias).
 

- Deve existir equidade nas negociações brasileira – peruanas, já que a moeda brasileira esta quase 60% mais forte que a peruana em relação ao dólar como moeda comum de negociação.
 

- Os governos deveriam alentar o cultivo durante todo o ano de hortifrúti de exportação ao Brasil, já que muitas vezes os produtos existem mais já estão destinados aos mercados europeus, asiáticos ou americanos; não existindo possibilidades de fornecimento permanente ao Brasil, por falta de planejamento de produtos de exportação.
 

- A Interoceânica e uma vantagem do Peru até Rondônia passando pelo Acre. Estados mais distantes do que isso determinam um frete muito alto e já não competitivo frente aos produtos que podem chegar de São Paulo e o sul do Brasil.
 

- A Interoceânica deve estar complementada com vôos de Lima a Rio Branco e vice-versa, para facilitar as negociações entre os empresários do Peru e Brasil. Por exemplo, linhas aéreas como Trip e Azul no Brasil, deverão procurar parcerias com as peruanas.
 

- Falta divulgação da ZPE do Acre com mais agressividade no Peru, a fim de levar industria com capitais peruanos a nessa área de industrialização especial.

 
Fonte: Francisco Pantigoso Velloso da Silveira

Advogado tributarista internacional

Consultor econômico de intercambio comercial

Representante da Câmara Peru – Brasil no RJ - FEDERASUR

Mais Sobre Opinião

A fogueira das vaidades

A fogueira das vaidades

O que até agora era bravata, “não é insulto, é o jeito dele”

O bom do silêncio

O bom do silêncio

Bolsonaro disse que não adianta exigir dele a postura de estadista, por que não é estadista.

Meu cargo, minha vida

Meu cargo, minha vida

Bolsonaro se revelou um profundo conhecedor da natureza humana

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.