Sexta-feira, 21 de junho de 2024 | Porto Velho (RO)

×
Gente de Opinião

Crônica

Meu tipo inesquecível


Humberto Pinho da Silva - Gente de Opinião
Humberto Pinho da Silva

Chamava-se Anselmo. Anselmo Tavares. Era católico e nascera em Macieira de Cambra.

Frequentara, na adolescência, o Seminário; não no intento de singrar na vida, mas por sincera vocação.

Porém não se ordenou. Não o deixaram, porque corcovava demasiado, devido a enfermidade da coluna vertebral.

Tentou ser funcionário público. Nessa recuada época, para o ser, bastava consultar o " Diário da República", e apresentar a dementação necessária.

Enveredou pelos CTT, chegando com dedicação e espírito de liderança, a quadro superior.

 Seu gabinete era visitado pelos humildes trabalhadores, que aflitos, procuravam proteção, e conselho amigo - fosse profissional ou familiar.

Chegado à idade da reforma, amigos homenagearam-no. Durante o almoço de despedida, ofertaram-lhe Bíblia de Altar, ricamente ilustrada.

De todos se despediu e, todos se despediram dele. Ao descer a escadaria da Central do Porto, que desemborcava na rua do Bonjardim, trabalhador de olhos aguados, bradou emocionado:" Lá se foi o último Senhor dos CTT!..."

Deparei-o, certa ocasião, na rua Formosa, no Porto. Caminhava, pensativo, corcovado, de olhar apagado e triste:

Disse-me, amargurado, com leve sorriso bailando nos lábios: " Ando na reforma agrária, no meu quintal!... Pensava prosseguir a minha atividade, que tanto gostava, na paróquia, mas delicadamente insinuaram: chegara o tempo de descansar..."

Décadas depois, em tépida manhã de primavera, topei-o na rua de Santa Catarina. Passeava, ainda mais curvado e com bengalinha:

- " Andava a podar, no quintal, desequilibrei-me e estatelei-me. Fui para o hospital, em cadeira de rodas. Disseram-me que dificilmente andaria..."

Era homem de fé: orou, pediu suplicou e corou-se.

Ficou viúvo. As filhas não o internaram num lar. Amavam demais o pai. Recolheram-no em suas casas.

Certa vez confessou-me verdade, que todos idosos conhecem:  "Casa dos pais é sempre a dos filhos, mas a dos filhos nem sempre é a dos pais."

As filhas eram jovens, queriam intimidades...

Convidou-me, pelo telefone, para encontro numa confeitaria, em Gaia.

Ao chegar, havia pratinho de bolos secos e dois cafezinhos. Estava acompanhado pela filha mais velha. Palestramos animadamente.

Semanas depois, recebi telefonema. Era da filha: pai caíra. Levado ao hospital verificaram que não era grave, mas atacou-o uma virose, como estava fraco, faleceu.

Assim desapareceu um grande apóstolo do Evangelho, que certa vez confessou-me: " Se pudesse, ainda queria ser padre!..."

Gente de OpiniãoSexta-feira, 21 de junho de 2024 | Porto Velho (RO)

VOCÊ PODE GOSTAR

A situação da igreja em Portugal

A situação da igreja em Portugal

É do conhecimento de todos, que participam na missa dominical, que existe grande diminuição de fiéis – não só de jovens, como de crentes idosos.Vári

A culpa é do anterior

A culpa é do anterior

Na semana passada mandei reparar as fitas das persianas. Encontravam-se em péssimo estado de conservação.Consultei várias casas da especialidade. C

Coisas de formigas e humanos

Coisas de formigas e humanos

Começo este texto reproduzindo uma fábula do escritor grego Esopo (620-560 aC)."O escorpião pediu ajuda ao sapo para atravessar o rio. O sapo, receoso

Cadê as fogueiras?

Cadê as fogueiras?

13 de junho. Por volta das oito horas da noite saí de casa e atravessei o bairro onde moro, rodando por vias intermediárias. De repente me deparei c

Gente de Opinião Sexta-feira, 21 de junho de 2024 | Porto Velho (RO)