Porto Velho (RO) quinta-feira, 18 de agosto de 2022
×
Gente de Opinião

Crônica

Laranjas douradas


Laranjas douradas - Gente de Opinião

Na voz de Ataulfo Alves, “laranja madura na beira da estrada tá bichada Zé ou tem marimbondo no pé”. Em Porto Velho, às margens do majestoso rio Madeira, tem laranjas, mas são douradas, personificadas e representam algumas autoridades dos três poderes. “Tem gente poderosa por trás de toda essa sujeira, garantem os moradores do beiradão”.  Os laranjas, pseudo/donos de dragas, dizem que estão autorizados por um decreto governamental, que já foi contestado pelo MP, que já foi parcialmente derrubado pelo TJ. Contudo as dragas continuam no Rio, e o que é pior, bem em frente à capital do estado, na famosa Baía dos Botos. Ah! se são autorizadas, por que só trabalham à noite? À noite, a Justiça das conveniências dorme!

O Governador lava as mãos, o MP diz que já fez o que podia, o TJ cancelou parte do decreto, a Marinha do Brasil faz vista grossa, mas as dragas continuam trabalhando e jogando mercúrio na cara da população. Parece que em Rondônia nós estamos nos especializando em variantes do absurdo, ou como se diz nesses tempos de Bolsonaro, na banalização do absurdo.

Para quem gosta das coisas nos mínimos detalhes, esclarecemos que o decreto 25.780/01-2021 do atual governador, revogou o decreto n° 5.197, de 29 de julho de 1991, que proibia extração de minério ou garimpagem no Rio Madeira, na região compreendida pela Cachoeira Santo Antônio e a divisa interestadual de Rondônia com o Amazonas.

 

Vale salientar, que o decreto revogado concluía de forma preocupante: “o garimpo por dragas, no leito do Rio Madeira, provoca poluição por mercúrio no ar, no solo e na água, consequentemente nas mais de mil espécies de peixes que vivem ao longo dos 1.380.000 km " do rio. E, de tabela, aumenta as taxas de várias espécies de câncer, nos moradores das margens, inclusive nos mais de 700.000 moradores da capital. Vale reforçar que o mercúrio não só adoece a quem come peixe do Madeira, mas também a quem o inala e a quem o absorve pela pele, vez que ele evapora. É praticamente impossível extrair ouro do Madeira sem o uso do azougue (mercúrio).

 

Em época de eleição vale tudo, o governador, acobertado por meia dúzia de cupinchas da AL, simplesmente passou a esponja no Decreto do Governador Osvaldo Piana que já durava mais de 20 anos. Se bem que o Decreto de 1991 nunca foi seguido à risca. Mas nós, o povo besta, que acredita na justiça, podia estufar o peito e dizer: estamos morrendo de câncer, provocado pelo mercúrio, mas a atividade garimpeira no leito do Madeira é ilegal. Cadê a Polícia Federal que costuma queimar dragas ilegais? Se fôssemos índios, as dragas estariam todas apreendidas.

 

Infelizmente estamos à mercê do capital. Regra que não se modifica com ideologias, com partidos da esquerda ou da direita, muito menos com meritocracia. A coisa é antiga, capital e poder se irmanaram para explorar o povo. A busca pelo dinheiro faz parte da natureza humana. Às vezes essa procura não tem limites, aí aparecem as propinas, os conchavos, os laranjas. Difícil conscientizar que é mais fácil evitar um câncer do que tratar ou curar. Pimenta nos olhos do povo não arde nos olhos das autoridades.

 

O voto seria uma arma poderosa, se fosse carregado com o cartucho da educação, bom seria que fosse calibre 12, mas estacionamos no tempo das trocas indígenas: um voto por um saco de cimento.  No passo do cágado, com o Estado Democrático de Direito, garantindo emendas parlamentares comprometidas com corrupção, aceitando bilhões do dinheiro público, para financiar campanhas políticas, vai ser preciso esperar milênios, ou contar com a impaciência de russos, chineses e americanos. Aí, depois de uma hecatombe nuclear recomeçaremos tudo de novo. Uma nova Era!

Mais Sobre Crônica

A convivência acadêmica pós pandemia

A convivência acadêmica pós pandemia

A partir da descoberta do fogo, os sapiens passaram a uma nova etapa da evolução: se reuniam ao redor de uma fogueira, conspirando pelo surgimento d

A janela da culpa

A janela da culpa

Na janela da culpa não há vistas que denunciam os culpados. A culpa é interior, mas nunca é nossa, somos mestres em colocar a culpa nos outros, Sart

Uma vela na janela

Uma vela na janela

Faltou energia elétrica, acendi uma vela e coloquei na janela, perdido em metáforas, fiquei meditando com os olhos fixos no tremular das chamas, aí

ESTARTANDO a Flor do Lácio

ESTARTANDO a Flor do Lácio

A gente aprende na escola que a língua é dinâmica, muda a todo instante e é comum receber influências de outros idiomas. A gente até entende a globa