Porto Velho (RO) sábado, 11 de julho de 2020
×
Gente de Opinião

Silvio Persivo

O custo (quase) invisível do isolamento


O custo (quase) invisível do isolamento - Gente de Opinião

O presidente Bolsonaro não é um homem que se possa dizer que seja refinado, nem culto, nem que se destaque por manejar as palavras, enfim, por ser um sofista. Muito ao contrário, o seu estilo seco e grosso é, por assim dizer, um traço de sua personalidade. Seu traquejo na arte da diplomacia deve ser comparado a fineza de um elefante numa casa de louças. Para se eleger, não há como negar, o presidente foi extremamente competente, pois, só dependia dele e de quem estava sob suas ordens. Governar é outra coisa. Exige sim, buscar formas de cooperação, de consenso, até mesmo ceder, o que se considera razoável, em certas horas. Bolsonaro é intransigente, age como se todos tivessem o seu sendo de dever, seus ideais, seus objetivos. Isto, é cristalino, não funciona muito bem numa sociedade, como a brasileira, acostumada aos jeitinhos, aos compadrios, aos acordos de gabinete. Isto não quer dizer que, em muitos aspectos, ele acerte até mesmo quando contraria seus próprios seguidores e grande parte do povo brasileiro.

Agora mesmo o  presidente Jair Bolsonaro está sendo duramente atacado quando tem razão. Ele disse em entrevista à TV Record, na noite de domingo,  que a população descobrirá em breve que foi enganada pelos governadores de Estados e pela imprensa na crise causada pela pandemia do novo coronavírus e voltou a afirmar que existe um exagero nas medidas de combate à Covid-19, doença causada pelo vírus. Bolsonaro está coberto de razão. A forma açodada, com o fechamento apressado dos estabelecimentos, com o esvaziamento das cidades, com restrições ao direito de ir e vir das pessoas, com o extermínio em massa de empresas e empregos é completamente irracional. A explicação é simples: até, agora, quando escrevo, na noite do dia 23, a Itália, que foi o país mais atingido, teve com uma população de 60 milhões de pessoas, e 6.077 mortos, ou seja, 0,01% da população! No mundo todo, para 260.319 casos ativos, um total de 16.491 mortos. São muitas pessoas? São. Mas, como ficará o mundo com uma recessão que ameaça ser muito pior que a de 2008? Quantas pessoas, hoje, apenas no Brasil estão sem condições de ganhar o pão de cada dia? Na verdade o desemprego, a falta de renda, a pobreza está se alastrando mais rápido do que o vírus!!! É racional para uma taxa de letalidade de 1% parar toda a atividade econômica? Quanto não irá se gastar com os problemas mentais, o estresse, a desordem que virá de uma paralisação tão brusca (e quase completa) de nossa economia? Thomas Friedman, um dos colunistas mais influentes do mundo, afirma com razão que “Se essa for a taxa verdadeira, paralisar o mundo todo com implicações financal.  É como um elefante sendo atacado por um gato doméstico. Frustrado e tentando fugir do gato, o elefante acidentalmente pula do penhasco e morre”. São os pobres, os sem emprego, os sem renda e os que ficarão desempregados que pagarão a conta. Fechar os negócios, parar a economia pode ser a forma mais fácil de conter a transmissão do vírus, mas, é o melhor caminho? Pode prejudicar muito mais a sobrevivência, o sustento e a saúde das pessoas, com um custo muito maior de vidas do que se pensa. O objetivo de salvar vidas e evitar o colapso do sistema de saúde é nobre, mas, vale o custo de destruir nossa economia? E, para os que não me conhecem, esclareço que estou no topo do grupo de risco: tenho mais de 70 anos e problemas de respiração, mas, penso, que os neurônios ainda funcionam razoavelmente...

 

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Silvio Persivo

Quem corre risco é opinião pública

Quem corre risco é opinião pública

Cada vez mais as pessoas migram de determinadas plataformas para outras em busca de informações, sejam notícias ou produtos. Por exemplo, agora mesm

Quatro anos de glórias sem comemorações

Quatro anos de glórias sem comemorações

E foi assim, de gole em gole, de conversa em conversa, de carnaval em carnaval, de encontros e desencontros que o Buraco do Candiru completa, neste

É preciso decretar o “novo normal”

É preciso decretar o “novo normal”

Já passamos pelo pior. Começam a aparecer em todo o mundo os sinais de que o bom senso começa a voltar. Houve um interesse mundial, por razões não m

O renascimento possível

O renascimento possível

Que não há nada de novo no mundo bem o sabiam os sábios antigos. Assim, embora surpreendente para quase todos, a nossa velha companheira de todos os