Porto Velho (RO) quinta-feira, 2 de julho de 2020
×
Gente de Opinião

Silvio Persivo

Confinamento é um luxo inviável para os pobres, diz professor francês

Hamza Esmili professor da Universidade de Paris, afirma que falar em confinamento para os pobres é como falar um idioma que ninguém entende.


Confinamento é um luxo inviável para os pobres, diz professor francês - Gente de Opinião

O sociólogo e professor da Universidade Paris 8, Hamza Esmili, que se dedicado temas como a desigualdade, a radicalização e a marginalização urbana, subúrbios de Paris, é morador de Saint-Denis, palco de violentos protestos que se espalharam pela França, em 2005, quando a  população foi às ruas para se manifestar contra o alto desemprego e a brutalidade policial.Quinze anos depois, Saint-Denis figura como uma das regiões da França com os mais altos índices de criminalidade, desemprego e, agora, mortalidade pelo novo coronavírus. Em entrevista à BBC News Mundo, serviço em espanhol da BBC, Hamza Esmili disse que confinamento é um conceito burguês que pressupõe que todos têm casas próprias para se refugiar "É como se a vida dos pobres não tivesse nenhum valor". A pandemia atingiu com força os franceses e a economia do país. Na semana passada, o Banco da França anunciou uma queda de 6% no PIB, o pior desempenho trimestral desde 1945.

Eis uma parte da entrevista dele:


BBC News Mundo - Qual é a opinião do senhor sobre o confinamento?



Hamza Esmili - Acredito que obviamente o confinamento é necessário para frear a pandemia atual. Mas, como sociólogo, vejo que a ideia de confinamento tem um certo número de pressupostos e não corresponde à realidade. Especialmente, não corresponde à realidade da população nos bairros mais pobres. O confinamento é um conceito burguês. A ideia é que todos tenhamos uma casa separada, um pouco burguesa, na qual possamos nos refugiar quando há uma pandemia ou um desastre natural. Mas nos bairros pobres não vejo nada disso. Existe uma realidade rodeada de condições insalubres, mas não é só isso. Nesse tipo de bairro, há casas em que vivem quatro, cinco pessoas por cômodo, por exemplo. Há também moradias que não são habitáveis, onde não é possível ficar ali o dia inteiro porque o espaço não serve para isso. O problema do confinamento é que ele se baseia numa espécie de mentira, de que estamos todos confinados. Mas em bairros mais pobres, como Saint-Denis, muita gente continua trabalhando, já que algumas fábricas continuam abertas, alguns mercados continuam abertos. O mesmo se passa com os agentes de segurança. Tudo isso tem consequências dramáticas. Hoje, a região de Saint-Denis tem uma das mais altas taxas de mortalidade da França por causa do vírus.


BBC News Mundo - Como a população local recebe anúncios do governo de que não deve sair em casa e deve trabalhar remotamente, se puder?



Esmili - Isso não significa nada para eles. É como se você falasse em um idioma que ninguém entende. Não se traduz no cotidiano de muitas pessoas. Como você diz a um caixa de mercado para trabalhar remotamente? Como você diz isso a um vigia?


BBC News Mundo - O senhor acredita ser possível permanecer confinado quando se vive em um bairro periférico na América Latina, no Sudeste Asiático ou na África?



Esmili - O caso brasileiro é ainda mais complicado porque lá o próprio presidente nega a realidade da pandemia. Em alguns casos, como no Marrocos, uma realidade que eu conheço bem, o confinamento é extremamente difícil porque a maioria da população vive de economia informal. Atualmente, temos visto manifestações no Líbano, na Tunísia e em  países do hemisfério sul, onde as pessoas falam 'sim, o coronavírus mata, mas, mata menos que a fome. A fome mata com certeza'.

 

Fonte: BBC News Mundo/Roberto Paredes

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Silvio Persivo

É preciso decretar o “novo normal”

É preciso decretar o “novo normal”

Já passamos pelo pior. Começam a aparecer em todo o mundo os sinais de que o bom senso começa a voltar. Houve um interesse mundial, por razões não m

O renascimento possível

O renascimento possível

Que não há nada de novo no mundo bem o sabiam os sábios antigos. Assim, embora surpreendente para quase todos, a nossa velha companheira de todos os

A comunicação na crise do coronavírus

A comunicação na crise do coronavírus

A Comunique-se, empresa especializada em comunicação, realizou, nesta terça-feira (02 de junho) um webinar denominado de “Impactos da Covid-19 na co

Coletiva do ranking ABAD/Nielsen destaca região norte e  os cinco maiores faturamentos de Rondônia no segmento

Coletiva do ranking ABAD/Nielsen destaca região norte e os cinco maiores faturamentos de Rondônia no segmento

A ABAD (Associação Brasileira de Atacadistas Distribuidores), que representa mais de quatro mil empresas de todo o Brasil, de um segmento que movime