Porto Velho (RO) sexta-feira, 15 de janeiro de 2021
×
Gente de Opinião

Silvio Persivo

As lições de um mestre


As lições de um mestre - Gente de Opinião

O ex-técnico do Santos, Jesualdo Ferreira, sem dúvida um grande técnico, um ser humano educado e competente, em entrevista ao Globo Esporte, demonstra toda sua sabedoria quando, mesmo tendo sido injustamente dispensado, mostra que não guarda mágoas de sua recente passagem pelo Brasil e usa seu espaço para demonstrar como aprendeu e o quanto nós estamos desorganizados e atrasados, em termos de organização do futebol. Com razão ele diz que, apesar de suas qualidades, é incerto o sucesso do futuro técnico do Palmeiras, Abel Ferreira, e explicou: “Sei que, nos próximos quatro meses, o Palmeiras tem mais de 20 jogos, e aí é um grande problema no Brasil: não há tempo para se trabalhar. Trabalhar não é só falar, dizer coisas boas ou ruins. Para organizar uma equipe, você tem que falar, formar e treinar. Se não fizer isso, não consegue”, daí, o treinador português ter dito que “O tempo é muito curto porque os torcedores e a imprensa são muito exigentes. Têm muita paixão, gostam muito de futebol, e querem ganhar se possível para ontem, o que é impossível”. Ele também, com a experiência que teve no Santos, reconhece que o campeonato brasileiro é o mais difícil do mundo, dada a maratona que os clubes são submetidos e por  não possuírem a organização que deveriam ter, nem há condições dos treinadores executarem seu trabalho, pois, não há tempo e as pressões vem de todo lado. Por isto não hesita em dizer que “O futebol brasileiro questiona o que se passa com os treinadores brasileiros e o motivo de o futebol aqui não ir para frente. Mas ninguém pergunta o que o futebol precisa fazer na sua organização para os treinadores terem sucesso no Brasil. O que tem que fazer? Há uma pandemia que para o futebol por quatro meses e volta tudo do mesmo jeito, sem se adaptar o calendário? Não há igual”.  O que ele não quis dizer-por delicadeza e não se pensar que estava magoado- é que o futebol brasileiro é um exemplo de desorganização. Basta ver a situação de grandes times, como o do Cruzeiro, do Santos, do Vasco e até mesmo do próprio Flamengo, que melhorou muito sua administração, mas, ainda sofre com problemas extra campo. Afinal, como lembra Jesualdo, para se trabalhar bem, para se criar uma equipe, não basta reunir os jogadores, que são seres humanos, e dar instruções e treinos. É preciso também se ter uma boa retaguarda, que inclui uma situação financeira estável, acompanhamento médico e psicológico, bem como uma tabela bem feita que faça um balanceamento dos jogos. Assim, muitas vezes, o sucesso de um treinador é menos dependente de sua capacidade do que das condições que encontra. Sabiamente, por conseguinte, pede que para Abel Ferreira ter sucesso que tenha apoio. O sucesso de um treinador é o sucesso de um clube, de um time, mas, diretoria, imprensa e torcedores não podem se comportar, da forma como se comportam, querendo resultados em cinco, seis jogos. Nenhum treinador, mesmo que se chame de Jesus, faz milagres. O sucesso de qualquer equipe, no futebol e em qualquer esporte, é um trabalho empresarial. O que se faz fora do campo reflete dentro. Não é possível, por exemplo, os jogadores terem bom desempenho, quando, ao menor erro, são cobrados como se fossem criminosos. É preciso organizar o futebol no médio e longo prazo. E aprender que ganhar e perder faz parte de qualquer esporte. 

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Silvio Persivo

Lenha na Fogueira com o debate e com as Placas indicativas de pontos turísticos

Lenha na Fogueira com o debate e com as Placas indicativas de pontos turísticos

Lenha na Fogueira A pesquisa Ibope divulgada pela Rede Amazônica na noite de ontem 27, foi como se diz no jogo de xadrez, o CHEQUE MATE de Hildon Chav

A liberdade de expressão e suas nuances

A liberdade de expressão e suas nuances

Sem dúvida muitas coisas no mundo mudaram para melhor. Apesar de todo o clamor que as reclamações por justiça e por igualdade reverberam, no entanto

A economia comportamental, a mistura de economia com psicologia

A economia comportamental, a mistura de economia com psicologia

É verdade que, desde Keynes, os progressos na economia tem sido feitos, fundamentalmente, por agregação. São, de fato, por assim dizer, incrementais, 

O importante não é a rosa, é o escândalo

O importante não é a rosa, é o escândalo

Com os avanços da internet, da comunicação on-line, da instantaneidade estamos, cada vez mais, expostos à eliminação das barreiras, das paredes, das