Porto Velho (RO) quinta-feira, 28 de maio de 2020
×
Gente de Opinião

Silvio Persivo

A utilização política do medo na imprensa


A utilização política do medo na imprensa - Gente de Opinião

Sou, por convicção e por história, favorável ao regime democrático e à liberdade de opinião. Porém, não tenho como não assinalar que a imprensa brasileira tem tido um comportamento altamente negativo, não somente no presente caso da epidemia do coronavírus, mas, especialmente nela, nos impingindo um jornalismo de “terror e pânico”. Não vou entrar em discussões idiotas, tipo esquerda e direita, pró ou contra Bolsonaro, isolamento horizontal ou vertical. A própria OMS-Organização Mundial de Saúde foi cristalina, ao afirmar que as medidas deviam depender, em cada caso, do grau da epidemia, das possibilidades e recursos de cada país. É, um fato irretorquível o de que, nos casos de calamidades sanitárias, mais do que nunca, tudo é relativo. Isolamento, universal ou não, não garante nada. Não é possível se ter certezas, nem prever o que vai acontecer da forma como a mídia apresenta. Como se houvesse uma certeza absoluta que o isolamento total é o melhor a ser feito, independente das famílias sem sustento econômico e dos efeitos desastrosos desta medida sobre a economia, sobre o nosso futuro.

Não sou, nem nunca fui, um dos que advogam retaliações contra a Rede Globo, nem nunca deixei de reconhecer que tem sido, ao longo do tempo, competente para se manter na liderança da televisão aberta, no entanto, isto não me impede de ser um crítico antigo de seu comportamento. É claro que se trata de uma empresa, que está preocupada com sua sobrevivência e seus lucros, logo não será a favor de quem cortou suas fontes de renda, então, nada do que faz, do que fez, se afasta de seus interesses. Não há nada demais nisto, exceto quando vira uma política deliberada que se aliena do que se espera de uma imprensa correta e informativa. Prever, como tem previsto, que, na semana de 30 de março, nas cidades de São Paulo, Rio e Brasília o vírus chegaria a 16 mil casos, quando em dia 4 de abril, os casos confirmados, de fato, eram somente, no Brasil, 9.056, é criar uma atmosfera alarmante como divulgar falas de que irão morrer mais de um milhão de pessoas no País. Claro que sempre existirão os argumentos de que as fontes são “especialistas”. O uso de especialistas é um artifício. Ainda mais quando se cerceia os que discordam. E até a CNN fez isto.  Uma televisão, uma rádio, um jornal, qualquer empresa ou instituição precisa ter responsabilidade pelo que divulga. No mínimo se precisa relativizar os dados ou corrigir a previsão antes feita. Mas, não só a Rede Globo, como a maioria de nossa imprensa, está jogando no time do alarmismo e do quanto pior melhor. Só isto explica tanto destaque, por exemplo, para informar que, em maio, o número de infectados no Estado poderia chegar a mais de 500 mil sem as devidas precauções que devem ser dadas a uma previsão. Mas, o caráter alarmista fica evidente quando o G1 de Rondônia estampou que os casos de coronavírus aumentaram, em uma semana 500% de 1 para 6!

 

 

 

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Silvio Persivo

As perspectivas depois da crise do coronavírus

As perspectivas depois da crise do coronavírus

Os setores mais ricos, aliados com a esquerda supostamente progressista, até por oposição à Bolsonaro, mas, sem nenhuma consideração pelas consequên

A crise do coronavírus e seus impactos na cultura

A crise do coronavírus e seus impactos na cultura

Um dos setores mais profundamente impactados pela crise do coronavírus foi o setor cultural, em especial a denominada economia criativa, a parte da

Nem as máscaras nos tornam iguais

Nem as máscaras nos tornam iguais

É verdade. Antes usar máscara era coisa de bandidos ou de heróis marginais, como Zorro, Fantasma ou Batman. Agora não. Para sair na rua ou entrar nu

Apesar do lockdown o coração falou mais alto

Apesar do lockdown o coração falou mais alto

Embora, no Brasil, a mídia tenha consagrado a quarentena, ou isolamento horizontal, como um consenso científico, de fato, não é bem assim. O coronav