Sexta-feira, 12 de abril de 2024 | Porto Velho (RO)

×
Gente de Opinião

Silvio Persivo

A poesia nos tempos da modernidade líquida


A poesia nos tempos da modernidade líquida - Gente de Opinião

Hoje, talvez por conta de um 7 de setembro tão diferente, tão distante dos belos dias da Independência de outrora, me vi questionando as coisas. Isto porque, ultimamente, tenho sentido vontade, mesmo sem ter mais o entusiasmo de outrora, de fazer poesias. Ora, para que fazer poesias? Por que, vez por outra, sinto esta vontade de fazer (e publicar) poesia. Qual o significado e o sentido que a poesia pode ter? Afinal um poeta é bem menos importante do que um padeiro ou um marceneiro, nem falarei de um escultor ou de um pintor. São pessoas que produzem coisas úteis. E, portanto com mercado. E a poesia, mesmo sendo um trabalho tão real quanto qualquer um, com a diferença de que trabalha com as palavras, não é, na verdade, um produto. Ou é um produto, que mesmo válido como os outros, possui uma certa estranheza por diversos fatores. O primeiro dele quem vi escrever melhor a respeito foi, sem dúvida, Hans Magnus Enzensberger, que examinando a relação entre leitores e poesia, afirmou, peremptoriamente, uma verdade incontestável “tanto quanto sabemos, a poesia é o único meio de comunicação de massa cujos produtores excedem em número os seus consumidores” e, com maestria deduz que “a poesia revelou-se incompatível com as leis gerais do mercado”. Em segundo lugar, me parece que a poesia ultrapassa sempre as palavras, a poesia, efetivamente, está na vida, está no ar. Talvez, daí qualquer um que arruma as palavras se pretende poeta- e quem vai dizer que não? Afinal, mesmo sem graça ou sem beleza, em que a má poesia se distingue da boa se, no fim, o que ambas fazem, a única coisa que fazem é produzir poemas tão belos, ou feios, quanto inúteis e que irão depender de quem lê. E, hoje, o que se observa aqui, ali e em todo lugar, não é bem a qualidade que proporciona a maior leitura e sim os meios de comunicação. Muitos poetas maravilhosos dormem em gavetas, livros ou não conseguem aparecer nos suplementos ou ter o espaço que a má poesia conquista- são as imperfeiçoes também do mercado da poesia. O que se vê, por conseguinte é que há um número imenso de poetas e a falta de meios, até porque viver do desempenho desta atividade é quase como fazer voto de pobreza. E a pobreza da poesia também está em que se trata de um ofício difícil, embora, para muitas pessoas, soe estranho a ideia de que poesia seja um trabalho tão real quanto a de um pedreiro ou estivador, com a diferença de ser mental. É mais lucrativo viver de esmola do que de poesia. Na sociedade contemporânea, quando mais se necessita de poesia, mais ela se enterra no limbo e só aparece para ser coadjuvante da imagem. E, curioso, é também que nos ofícios as coisas são planejadas. Há uma planta da casa ou uma receita do pão. Um poeta, na maioria das vezes, não sabe sobre o que vai escrever nem como seu poema irá ficar. É sempre, queira ou não, um pulo no escuro. O poeta não sabe o que é sua poesia antes de terminar. E não faz pesquisa para saber quem vai consumir sua poesia. Na verdade, a poesia como objeto de consumo não existe. Ninguém faz poesia pesando em quanto vai receber por um poema. Nem tem ideia da quantidade de leitores. Ainda mais num país enfermo onde, por conta do desgoverno, a falta de educação e o analfabetismo aumenta, embora a poesia não necessite da palavra escrita para existir. Então por que fazer poesia, dada sua inutilidade, e se, como já constataram, se trata de “um dos mais tristes caminhos que levam a todas as partes”, no dizer de Breton. Não serei eu quem darei resposta a isto, mas, penso que quanto mais fragmentadas, fragéis, mais escuros os tempos mais os homens precisam sonhar. A poesia é, para mim, a busca de sonhos. 

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Gente de OpiniãoSexta-feira, 12 de abril de 2024 | Porto Velho (RO)

VOCÊ PODE GOSTAR

A difícil e necessária convivência com o celular

A difícil e necessária convivência com o celular

Efetivamente, apesar da minha idade, sou um fã de novidades e de tecnologia. Regularmente escrevo sobre economia criativa e sobre Inteligência Artif

Os Orixás em cordel de Bule-Bule

Os Orixás em cordel de Bule-Bule

Quando conheci Antônio Ribeiro da Conceição, o grande mestre baiano Bule-Bule, ainda estávamos no século passado e ele fazia dupla com um outro nome

A inadiável necessidade de incentivar a indústria naval e a Marinha Mercante

A inadiável necessidade de incentivar a indústria naval e a Marinha Mercante

O Brasil é um país muito rico e, mais que rico, generoso, muito generoso com os outros países. Não falo apenas pelos investimentos do BNDES na Venez

O carnaval é uma festa familiar em todos os sentidos

O carnaval é uma festa familiar em todos os sentidos

Minha visão do carnaval, a partir da época de criança, sempre foi de festa, de um momento de inversão dos valores onde os homens se vestiam de mulhe

Gente de Opinião Sexta-feira, 12 de abril de 2024 | Porto Velho (RO)