Porto Velho (RO) domingo, 15 de dezembro de 2019
×
Gente de Opinião

Silvio Persivo

A FORMULA CONHECIDA PARA O BRASIL CRESCER SEM MÁGICA - Por Sílvio Persivo


É preciso que as pessoas entendam, pelo menos, um pouco de economia. É claro que, se quisermos ser um especialista na matéria leva anos e é muito difícil. Entender profundamente de economia é uma tarefa para a vida toda. Porém, há toda uma soma de conhecimentos econômicos que já se estabeleceram e fazem parte, por assim dizer, do senso comum. E, para dizer de uma forma bem simples, são parte da sabedoria popular como é notório, por exemplo, que quem gasta mais do que tem se endivida ou que, para poupar, se deve gastar menos do que se ganha. Mas, há outros tipos de conhecimentos econômicos tão simples que, mesmo assim, ainda não foram absorvidos pelo público em geral.
Um deles é o de que não se pode ter um país desenvolvido sem liberdade econômica, segurança, inclusive jurídica e escolaridade. Liberdade econômica é se poder empreender sem o ônus de um estado pesado, sem uma burocracia excessiva e sem uma carga tributária pesada-como ocorre no nosso País. Segurança, inclusive jurídica, é ter segurança mesmo, não se ser assaltado, mas, também as leis não mudarem de uma hora para outra, de forma que se possa ter um horizonte para os negócios, ou seja, o que se chama previsibilidade. E escolaridade porque nenhum país se desenvolve com uma quantidade grande de analfabetos.  Todos os países desenvolvidos possuem, em média, mais de 13 anos de escolaridade. Aqui, Lula da Silva, vendeu, e convenceu muita gente, de que seria possível se transformar o Brasil sem educar sua população, um verdadeiro conto do vigário. Só prova que ele foi muito bom em vender ilusões. No entanto, é preciso pensar no futuro.

E pensar no futuro é cobrar do nosso futuro presidente, seja quem for, se exigir, até para dar o seu voto, que se comprometa com estas metas que são essenciais para se ter um desenvolvimento de verdade: 1) fazer um programa efetivo de alfabetização melhorando a escolaridade; 2) simplificar, desburocratizar as leis tributárias, trabalhistas e os regulamentos, em especial relativos ao meio ambiente; 3) Fazer a reforma tributária; 4) Criar incentivos para o empreendedorismo, inclusive facilidade de crédito; e 5) Implantar um grande programa de primeiro emprego para os jovens. Como se observa, na prática, é fazer o que fizeram os países, como a China e a Coréia do Sul, que fizeram um esforço real de planejamento, de educação, de empreendedorismo e de criação de um futuro melhor para sua população. E para isto não se precisa de um super-presidente, nem de um salvador da pátria. Se precisa sim de determinação, de vontade de mudar esta nossa triste realidade, fruto de uma política econômica centrada no aumento do estado, no consumo,  e não na produção, que é o caminho, sem fazer as reformas essenciais que o País tanto necessita. É preciso que o próximo presidente faça apenas o feijão com arroz para preparar o futuro com que tanto sonhamos. Controlar as contas públicas e criar condições para que as pessoas se desenvolvam, criem negócios, sejam protagonistas de suas vidas. O estado é um ser estéril. Só serve para os que dele se servem e, em geral, contra a população.

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Silvio Persivo

MAKTUB

MAKTUB

Este time do Flamengo é um grande time?

As mudanças no mundo do trabalho reclamam novas formas de pensar

As mudanças no mundo do trabalho reclamam novas formas de pensar

Leio no jornal português “O Público” que uma pesquisa do Instituto Nacional de Estatística (INE) revela que as empresas portuguesas contatam mais fr

Criar cidades inteligentes é cuidar do futuro

Criar cidades inteligentes é cuidar do futuro

Cada vez mais merece atenção o tema de transformação das cidades em cidades inteligentes, ou, em inglês, Smart Cities, que são sistemas de pessoas i

A necessidade da organização da sociedade civil de Rondônia

A necessidade da organização da sociedade civil de Rondônia

O Departamento Acadêmico de Ciências Econômicas da UNIR, com o apoio do Núcleo de Ciências Sociais Aplicadas também da Universidade de Rondônia e o