Porto Velho (RO) domingo, 21 de julho de 2019
×
Gente de Opinião

Hiram Reis e Silva

Naufrágios na Costa Gaúcha – Parte III


Naufrágios na Costa Gaúcha – Parte III - Gente de Opinião

Bagé, 16.05.2019

 

Gazeta de Notícias, n° 214

Rio de Janeiro, RJ – 02.08.1887

Rio Apa

 

O “Echo do Sul” transcreve diversos períodos de uma carta do comissionado agente da Companhia na cidade do Rio Grande, o qual foi ao Estreito, lugar onde têm aparecido diversos destroços do “Rio Apa”.

 

Eis um dos trechos da carta em que ele diz, o que tem sido encontrado:

 

Entre esses destroços notam-se pedaços das casinholas, que estavam sobre a coberta do “Rio Apa”; uma escada da câmara já com todas as chapas de metal arrancadas; pedaços dos escalares; um arinque ([1]) para festo com os distintivos da Companhia Nacional de Navegação a Vapor; pedaços de sofá ainda com parte do estofo de crina verde; destroços de corrimão de telca, tendo dois deles pregados metais que mostram ser do portaló ([2]); finalmente papeis da companhia, entre os quais ordens de cargas, mas sem o nome do “Rio Apa” e sim do “Rio Grande”.

 

Tudo isto me causa, grande surpresa, pois seria natural que viessem à praia os cadáveres, quando vêm pesadíssimos pedaços de madeira.

 

Chegaram aqui os oficiais de descarga Procópio e Turíbio. Nada encontraram na praia, além dos destroços que já enumerei. O Procópio, porém, encontrou em diversas casas onde esteve muitos destroços do “Rio Apa”, entre os quais um letreiro de metal, que diz “Banheiro de Senhoras” e um retrato de pessoa conhecida. O Turíbio foi portador de um cinto de cortiça.

 

Ontem [18] à tarde, passou a três milhas de distância da Costa o Paquete “Rio Negro” e hoje, às 7 horas, passou também um grande vapor, que me pareceu ser da Companhia do Pacífico, e que talvez ande à procura dos grandes Paquetes que se diz terem naufragado nestas alturas, em viagem para Montevidéu.

 

Continua a reinar o Sueste.

 

Do “Echo do Sul” transcrevemos mais o seguinte:

 

Tivemos uma longa conversação com o digno e valente comandante do Paquete nacional “Rio Pardo”, Sr. 1° Tenente Ernesto do Prado Seixas, que nos declarou, visivelmente impressionado, que o seu companheiro e amigo Pereira Franco, comandante do “Rio Apa”, tivera o pressentimento da terrível catástrofe de que foi vítima.

 

Quando o “Rio Apa” vinha para cá encontrou-se com o “Rio Pardo” no porto de Paranaguá. Os respectivos comandantes, amigos de longa data, visitaram-se e numa conversa que tiveram Pereira Franco manifestou a Prado Seixas que vinha contrariado no comando do “Rio Apa

 

– Estou adoentado, disse o intrépido marinheiro, e, venho presa de um aborrecimento acabrunhador. Se não fosse por certas considerações, desembarcaria aqui. Incomoda-me isto de andar separado do meu “Rio de Janeiro”...

 

Na continuação da conversa proferiu frases repassadas de tristeza. “Parecia”, diz Prado Seixas, “que o afligia o pressentimento da desgraça que o esperava”.

 

Numa carta que dirigiu ao imediato do “Rio Pardo” o desventurado mostrava-se apreensivo, mas concluía jovialmente:

 

– Enfim, chegando ao Rio Grande, cada macaco irá para seu galho.

 

Aludia à ordem que a Companhia Nacional expedira mandando que ele, Pereira Franco, passasse para o seu vapor, o “Rio de Janeiro”, e que o malogrado Souza Reis assumisse o comando do “Rio Apa” para conduzi-lo à carreira de Montevidéu a Mato Grosso.

 

 

Os ladrões é que se tem fartado com os objetos que vão aparecendo, lançados pelo mar às praias.

 

O Sr. Dias Vianna, que foi à Costa do Albardão por conta do seguro, diz que a praia acha-se povoada de aventureiros, que se entregam com o maior descaramento à pilhagem.

 

Dia e noite esses indivíduos não arredam pé da praia, à espera dos despojos que o Mar vai arrojando à Costa.

 

— A Exmª Srª Idalina Meirelles Paranhos, viúva do finado General Antônio da Silva Paranhos e mãe do infortunado jovem Cadete Antônio da Silva Paranhos, que vinha a bordo do “Rio Apa”, para reunir-se ao 5° Regimento de Cavalaria, aquartelado em Bagé, telegrafou ontem de Porto Alegre a um nosso amigo, pedindo-lhe que, se aparecer o corpo do infeliz jovem, providencie em sentido de que seja dada ao mesmo sepultura, marcando o lugar em que se, efetuar a inumação.

 

O telegrama diz que será fácil reconhecer o cadáver do desventurado moço pela roupa que tiver vestido, a qual deve estar marcada com as iniciais A.S.P.

 

A pessoa, a quem a desolada mãe se dirigiu, escreveu ao honrado e distinto Sr. Comandante da Barra, fazendo-o ciente do piedoso desejo da respeitável senhora.

 

 

Sinistros Marítimos

 

A catástrofe sucedida ao Paquete “Rio Apa”, que a todos tem consternado, foi realmente uma fatalidade, que não podia ser evitada e que é injustiça clamorosa atribuí-la à Companhia e menos ainda ao Governo.

 

Está plenamente verificado que o “Rio Apa” havia, por diferentes vezes e em várias épocas, navegado no serviço da linha entre esta Corte e Montevidéu, o que sempre, fez galhardamente apesar de ser um navio mais apropriado à navegação de Rios do que realmente à do Oceano; mas, estando sob o comando de um oficial muito perito e conhecedor perfeito daquela navegação difícil em mares quase sempre bravios, tudo fazia crer que, como das outras vezes, o “Rio Apa” iria a salvamento ao seu destino.

 

Entretanto, assim não aconteceu, e desde Santa Catarina, dando o barômetro indicações infalíveis de grande temporal do SE, esse vento que os marinheiros, na sua frase pitoresca, chamam carpinteiro, porque é o demolidor dos navios na Costa, o afoito oficial, não obstante essas revelações fatídicas, navegou “terra à terra” para o Rio Grande do Sul, de cuja Barra, chegando no dia 11, teve de retroceder porque, sobrevindo uma densa Cerração não se distinguia mais onde estava o Canal.

 

As lufadas impetuosas do vento, que soprava então cada vez mais fresco, e que demonstrava ainda maior intensidade, aconselharam o distinto comandante Pereira Franco a “puxar para fora, com pouca força”, afim de não ser assoberbado pelo mar.

 

Nestas circunstâncias, tudo faz presumir que o “Rio Apa” não podendo resistir à capa, e ameaçando o temporal a cada instante afundá-lo, os passageiros naturalmente prepararam-se com salva-vidas para nadar.

 

Dada efetivamente a catástrofe sem dúvida que os náufragos teriam de boiar na superfície dos mares empoladíssimos com montanhas d'água medonhas e aterradoras.

 

Nestas circunstâncias e em uma temperatura de 10° a 12° graus centígrados, seria impossível que esses infelizes pudessem resistir por mais de 24 horas, e por isso vieram muitos cadáveres à praia perfeitamente conservados pela congelação.

 

Com um temporal daquela ordem, como nenhum ainda o igualou, desde 1853, ainda no fim de 3 a 4 dias os mares daquela região, açoitados pelo vento, ficam empolados.

Todo e qualquer socorro seria impossível. Nem mesmo a jangada pode ser útil em casos tais.

 

Que o temporal foi o mais terrível que açoitou aquela Costa, prova-o o testemunho do Comandante do Paquete francês “Congo”, quando disse aos que o interrogaram aqui, que durante toda a sua longa carreira marítima não tinha deparado Mares tão grandiosos, como os desse temporal! E se o “Congo” pode fazer a travessia de Montevideo à Corte, foi isso devido a navegar ele “em altas profundidades, onde os mares são mais mansos”, ao passo que sobre a Costa Baixa do Rio Grande, Costa que, prumando-se em 4 braças, “não é avistada”, os mares são “triplicadamente mais alterosos” do que no outro caso.

 

Naquela terrível conjuntura somente uma resolução suprema, um grande heroísmo poderia evitar que a catástrofe do “Rio Apa” fosse tão completa como foi; esse heroísmo seria aquele de “abicar” na praia e para procurar salvar alguns ainda mesmo que outros tivessem de perecer.

 

Esta resolução encontraria sua justificação em outros tristes naufrágios, como por exemplo, o da Corveta “Isabel” sobre a costa de Tanger, o do “Cavour” nesta mesma ocasião do grande temporal de que tratamos, e ainda o fato de encalhe na costa do Albardão, em 1865, do vapor inglês “Powerfull” que ali se despedaçou, e que conduzia o Batalhão de Voluntários “Princesa Leopoldina”, do comando do Coronel Domingos Rodrigues Seixas, tendo morrido 18 pessoas e se salvando mais de 500!

 

Cumpre ainda dizer que, o Vapor de Guerra “Bonifácio”, tendo a bordo o Capitão-Tenente. Delfim Carlos de Carvalho, hoje Barão da Passagem, navegando em demanda da Barra de Rio Grande, e dando-lhe o barômetro indicações de um grande temporal do SE, travessia na Costa, tendo além disto falta de carvão, foi efetivamente à Barra, e por ela entrou sem direção alguma de catraias nem práticos, e desta forma salvou-se.

 

Enquanto, pois, a Barra do Rio Grande não for melhorada, custe o que custar, as catástrofes se repetirão ali mais ou menos amiudadamente perante aquele fantasma.

 

Collatino Marques De Souza. (GDN, N° 214)

 

Jornal do Commércio, n° 215

Rio de Janeiro, RJ – 03.08.1887


Câmara dos Deputados
Sessão em 2 de agosto de 1887
Presidência do Sr. Gomes de Castro

 

O Sr. Castrioto [Ministro da Marinha] historia que o “Rio Apa” apresentou-se à Barra do Rio Grande do Sul cerca das 14h00 do dia 11.06.1887 e foi visto pela Atalaia ([3]), que mandou uma catraia ao seu encontro; o vapor chegou à 1ª boia, mas caiu uma cerração e vento forte, de modo que a catraia não viu mais o vapor.

 

Redobrando o temporal e não se podendo mais aguentar, a catraia recolheu-se à Barra e dizem os entendidos daqueles mares que, em tais condições, era impossível expedir qualquer socorro, que a seu turro não fosse sacrificado; só no dia 15 é que foi possível enviar embarcações para o Norte e para o Sul em procura do “Rio Apa”, que não foi encontrado; posteriormente é que apareceram alguns cadáveres.

Responde a apartes, que tem ouvido a opinião de Oficiais Generais da Armada e todos são unanimes em dizer que diante de semelhante temporal, eram inúteis quaisquer socorros.

 

Quanto a providenciar-se para garantir o que fosse ter às praias, diz que a Costa do Rio Grande é de 500 milhas e seria necessário um exército para vigiar, porque é impossível previr os lugares onde os destroços chegassem.

 

Expõe as providencias tomadas pela presidência da Província do Rio Grande é pelo Governo Geral, logo que tiveram conhecimento do sinistro.

 

O Sr. Alves de Araújo estranha o procedimento da tripulação da catraia, não apitando quando sobreveio a cerração.

 

O Sr. Castrioto [Ministro da Marinha] passa a ler os telegramas que tem presentes a respeito do fato, isto é, os mais importantes.

 

Não lhe parece que o patrão da Barra tenha culpa no desastre, por isso que a catraia só recolheu quando já não polia aguentar-se debaixo do temporal, que foi crescendo sucessivamente.

 

Afirma, pois, que era impossível fazer-se mais do que foi tentado para encontrar e salvar o vapor ou os seus náufragos. (JDC, N° 215)

 

Jornal do Commércio, n° 219

Rio de Janeiro, RJ – 07.08.1887


Rio Apa

 

Do “Eccho do Sul” de 29 e 30 do passado transcrevemos o seguinte:

 

Do Pontal da Barra, 29: Recebeu-se aqui notícia de terem dado à Costa, para os lados do Estreito, mais alguns cadáveres cujas vestes indicam ser de militares e tripulantes.

 

Diz-se, não sei com que fundamento, que na Costa de Mostardas apareceu um grande escaler completamente despedaçado e com visíveis sinais de ter andado com náufragos. Apareceu com alguns pacos ou roupas atadas às bancadas. A lancha “Rebouças” saiu ao mar.

 

Às 17h00 – Do Pontal:

 

A lancha “Rebouças” encontrou boiando a alguma distância da Costa um cadáver que se reconheceu ser de marinheiro. Vestia camisa de chita, camiseta de baeta, ceroula de flanela ordinária e calça de zuarte. Parecia ser de pessoa estrangeira por causa da barba e do bigode louros. Recolhido à lancha foi conduzido para aqui. O comandante da praticagem mandou enterrá-lo junto à estacada da Comissão de Engenharia.

 

Escrevem-nos de S. José do Norte em data de ontem:

 

Às 08h00 chegaram dois Corre-costas que andavam ao serviço das autoridades na praia, desde três léguas aquém do Pontal ao Estreito.

 

Trazem notícias do aparecimento de seis corpos, dos quais quatro vestidos de militares e entre esses um com os galões do posto de Capitão, trazendo alguns deles sobre as fardas cintos do cortiça [salva-vidas] e outros sob blusas que não exibem distintivo algum de posto militar.

Dizem que todos esses corpos achavam-se quase que em perfeito estado, como se a morte os tivesse surpreendido recentemente. Exibiam os ventres contraídos, os dentes cerrados e evidentes indícios de haverem sucumbido de fome e de frio.

 

Um dos cadáveres tinha as mãos feridas por arma de gume.

 

Foram encontrados em diferentes pontos da Costa, a grandes distâncias.

 

Souberam que na praia do Capão do Meio apareceram roupas de mulher, notando-se dois ricos vestidos de seda com enfeites de veludo escarlate já desbotados pela ação da água do mar.

 

Essas roupas tinham sido recolhidas por uns vizinhos, mas foram roubadas.

 

Em viagem para cá constou-lhes que légua e meia para o Norte do Capão do Meio dera-se um grande conflito entre vários indivíduos que se entregam ao roubo. Constou-lhes também que a autoridade do lugar, acompanhada de alguns moradores, se dirigira para ali. Presume-se que houve mortes.

 

Na praia do Estreito continuam a aparecer destroços do “Apa” e fragmentos de malas, papéis, etc.

 

As autoridades desta Vila, do Estreito e de Mostardas tem dado as providências necessárias para o sepultamento dos cadáveres, bem como para a arrecadação dos papéis e valores que forem encontrados nas roupas dos mortos.

 

Do Norte:

 

Confirma-se o aparecimento da jangada na Costa de Mostardas. Dizem-me que é evidente que transportava náufragos. Duas léguas ao Sul do Estreito apareceu mais um cadáver de mulher, trajando um roupão de casimira cinzenta com alamares de cordão preto. Devia ter dada à praia com joias, que foram roubadas, pois dizem que os dedos apresentam sinais de anéis arrancados à força. A Praça que trouxe a notícia, viu a infeliz, e diz que é alta, cabelo castanho e magra. Apareceu com o rosto deformado, os lábios roídos, as mãos crispadas e os dentes cerrados.

 

Sabe-se que de Mostardas, e por influência da autoridade, saiu um grupo de Corre-costas para a Praia Grande, onde consta terem dado muitos corpos e estar a praia coberta de corvos.

 

Lê-se no Diário do Rio Grande, de 30:

 

Seguiu ontem para a Costa do Oceano o ilustrado facultativo Sr. Dr. Manoel A. Affonso dos Reis.

 

S. S. vai com o fim de proceder à autópsia nos cadáveres que tem dado à praia, para o que levou os instrumentos necessários.

 

Importante serviço vai o Sr. Dr. Affonso Reis prestar à causa da verdade Do exame a que proceder verificar-se-á se os pobres náufragos do “Rio Apa” pereceram por asfixia por submersão, ou se por efeito da falta de socorros.

 

Seguiu ontem à tarde para a Costa, ao Norte da Barra, uma Força de linha composta de 13 Praças, um inferior e um corneta, comandados pelo Sr. alferes Salles.

 

Essa Força foi requisitada pelo agente da Companhia Nacional o Sr. Salvador Moutinho.

 

Pessoa chegada da Costa comunica que entre o Estreito e o Capão do Meio deram à praia mais oito cadáveres, todos em perfeito estado, todos salva-vidas, pálidos e com o estômago extremamente contraído. Dos oito cadáveres, seis deram à praia quase todos juntos.

 

Informam-nos que todos os corpos foram despojados do que tinham de algum valor.

 

Na praia foi encontrado o retrato de uma moça, um pouco corpulenta, tipo alemão.

 

A fotografia tem no reverso os seguintes dizeres: “Waldemar Renard, photograhische, Anstal Kiel, Sophienblatt 18”.

 

Foram também encontradas, entre outros papéis, circulares da New-York Life Insurance Company, e uma carta acompanhada de uma fatura de Carvalho Silva & C., do Rio de Janeiro, dirigidas a Marcínio Leitão & C., de Jaguarão. (JDC, N° 219)

 

Fontes:

 

GDN, N° 214. Rio Apa Gazeta de Notícias, n° 214, 02.08.1887.

 

JDC, N° 215. Câmara dos Deputados - Sessão em 2 de agosto de 1887 - Presidência do Sr. Gomes de Castro – Brasil – Rio de Janeiro, RJ – Jornal do Commércio, n° 215, 03.08.1887.

 

JDC, N° 219. Rio Apa – Brasil – Rio de Janeiro, RJ – Jornal do Commércio, n° 219, 07.08.1887.

 

Solicito Publicação

 

(*) Hiram Reis e Silva é Canoeiro, Coronel de Engenharia, Analista de Sistemas, Professor, Palestrante, Historiador, Escritor e Colunista;

·     Campeão do II Circuito de Canoagem do Mato Grosso do Sul (1989)

·     Ex-Professor do Colégio Militar de Porto Alegre (CMPA);

·     Ex-Pesquisador do Departamento de Educação e Cultura do Exército (DECEx);

·     Ex-Presidente do Instituto dos Docentes do Magistério Militar – RS (IDMM – RS);

·     Membro do 4° Grupamento de Engenharia do Comando Militar do Sul (CMS)

·     Presidente da Sociedade de Amigos da Amazônia Brasileira (SAMBRAS);

·     Membro da Academia de História Militar Terrestre do Brasil – RS (AHIMTB – RS);

·     Membro do Instituto de História e Tradições do Rio Grande do Sul (IHTRGS – RS);

·     Membro da Academia de Letras do Estado de Rondônia (ACLER – RO)

·     Membro da Academia Vilhenense de Letras (AVL – RO);

·     Comendador da Academia Maçônica de Letras do Rio Grande do Sul (AMLERS)

·     Colaborador Emérito da Associação dos Diplomados da Escola Superior de Guerra (ADESG).

·     Colaborador Emérito da Liga de Defesa Nacional (LDN).

·     E-mail: hiramrsilva@gmail.com.

 



[1]   Arinque: cabo que prende a boia à âncora.

[2]   Portaló: Lugar por onde se entra no navio ou por onde se mete a carga.

[3]   Atalaia: guarita ou lugar alto donde se vigia.

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Hiram Reis e Silva

Helmo de Freitas: Motivo (Cecília Meireles)

Helmo de Freitas: Motivo (Cecília Meireles)

Helmo de Freitas e Adair de Freitas os dois mais lídimos representantes de nossas tradições nativistas gaúcha

Gen Div R1 Décio dos Santos Brasil - Os Waimiri-Atroari – Parte XII

Gen Div R1 Décio dos Santos Brasil - Os Waimiri-Atroari – Parte XII

Bagé, RS, 06.04.2019  [...] O entusiasmo domina a Velha Guarda!‒ Brados... exclamações... ao GeneralOs cavalos escarvam e os freios mordem...E a m

O Pium II: O 6° BEC prossegue em seu ritmo dinâmico, de trabalho ativo, corrido e acelerado.

O Pium II: O 6° BEC prossegue em seu ritmo dinâmico, de trabalho ativo, corrido e acelerado.

Bagé, RS, 02.04.2019  O Pium ‒ Boa Vista, RRInformativo Mensal do 6° BECAno

Naufrágios na Costa Gaúcha – Parte II

Naufrágios na Costa Gaúcha – Parte II

“Rio Apa” havia chegado à Barra do Rio Grande