Porto Velho (RO) terça-feira, 14 de julho de 2020
×
Gente de Opinião

Hiram Reis e Silva

Mulheres Guerreiras – Parte III - Rosa Maria Paulina da Fonseca


Mulheres Guerreiras – Parte III - Rosa Maria Paulina da Fonseca - Gente de Opinião

Bagé, 06.05.2020


Prefiro não ver mais meus filhos! Que fiquem antes todos sepultados no Paraguai, com a morte gloriosa no campo de batalha, do que enlameados por uma paz vergonhosa para a nossa Pátria!

 

O Noticiário do Exército publicou em 17.09.2019:

 

Dia da Família Militar – 18 de Setembro

 

A Portaria do Comandante do Exército nº 650, de 10.06.2016, aprovou a entronização de D. Rosa Maria Paulina da Fonseca [1802 a 1873] como Patrona da Família Militar e estabeleceu o dia 18 de setembro, seu nascimento, como o Dia da Família Militar, consagrando e incentivando o sentimento de família no seio da Força.

 

Diante dos desafios de uma época na qual valores se perdem, referências faltam e princípios e convicções são relativizados, a instituição de D. Rosa da Fonseca como a Patrona da Família Militar foi muito oportuna, pois resgata os exemplos de união familiar, de patriotismo e de devoção ao Brasil, bem como enaltece a história de devoção familiar dos Fonseca, destacando o sacrifício supremo dos três irmãos pela Pátria, o sucesso profissional dos demais militares e a abnegação dos familiares, em especial da matriarca.

 

A nossa Patrona da Família Militar nasceu em 18.09.1802, na antiga capital de Alagoas, atual município de Marechal Deodoro, e casou-se no ano de 1824 com Manuel Mendes da Fonseca, militar do Exército, dando início à formação de uma das mais importantes linhagens militares do Brasil. Dessa união nasceram dez filhos: oito homens e duas mulheres.

 

Dos filhos homens, sete deles se devotaram ao serviço da Pátria, incorporando às fileiras do Exército. Durante a Guerra da Tríplice Aliança, conflito que se estendeu de maio de 1865 a março de 1870, por decisão conjunta dos irmãos Fonseca, uma vez que o patriarca da família, então Tenente-coronel, havia falecido no ano de 1859, apenas um de seus filhos militares permaneceu no seio familiar com a finalidade de garantir a segurança da matriarca e das outras mulheres e crianças da família. Seis dos irmãos militares seguiram para as frentes de batalha.

 

Fruto da educação recebida, faz-se necessário assinalar alguns aspectos da vida de seus filhos:

 

– o mais jovem, o Alferes do 34º Batalhão dos Voluntários da Pátria Afonso Aurélio da Fonseca morreu heroicamente em Curuzú;

 

– o Capitão de Infantaria Hipólito Mendes da Fonseca foi morto na Batalha de Curupaití;

 

– o Major de Infantaria Eduardo Emiliano da Fonseca foi ferido mortalmente no combate da ponte de Itororó;

 

– o General de Brigada João Severiano da Fonseca foi médico, professor, escritor, historiador e, como militar, participou da campanha do Paraguai, sendo o primeiro médico a ascender ao generalato e, hoje, figura como Patrono do Serviço de Saúde do Exército Brasileiro;

 

– o Marechal Severiano Martins da Fonseca recebeu o título nobiliárquico de Barão de Alagoas e foi Diretor da Escola Militar de Porto Alegre; e

 

– o Marechal de Exército Manuel Deodoro da Fonseca foi o Proclamador da República e o primeiro Presidente do Brasil. Era o valor em pessoa, a coragem, a decisão e a firmeza.

 

A par disso, ainda, o primogênito, Hermes Ernesto da Fonseca, foi pai de outro importante ícone da família, o Marechal Hermes Rodrigues da Fonseca, oitavo Presidente da República do Brasil.

 

Os grandes feitos realizados pelos seus filhos e neto sem dúvida foram frutos do esforço de D. Rosa da Fonseca a serviço da Pátria e da educação recebida com ênfase nas virtudes morais e intelectuais, tão necessárias aos que se sacrificam por ideais de liberdade e de bem comum.

 

O Exército Brasileiro, cujas bases se firmam solidamente em pressupostos de ética, honra e caráter, ao lado da hierarquia, da disciplina e da camaradagem, entende que uma concreta base familiar é condição “sine qua non” na consolidação de traços positivos de comportamento. Desta forma, a presença indireta dessa valorosa mulher nos campos de batalha da Guerra do Paraguai foi percebida na atuação heroica de seus filhos em combate.

 

Consta dos relatos históricos que, nas comemorações da vitória de Itororó, D. Rosa recebeu o boletim com a notícia da morte do filho caçula (Afonso Aurélio) e dos graves ferimentos de Manuel Deodoro, mas nem por isso deixou de homenagear as tropas, estampando a Bandeira Nacional em uma das janelas de sua casa. E quando pessoas amigas chegaram para dar-lhe os pêsames, D. Rosa teria afirmado:

 

Sei o que houve, talvez até Deodoro mesmo esteja morto. Mas hoje é dia de gala pela vitória; amanhã chorarei a morte deles.

 

Sua firmeza, equilíbrio e força foram mais uma vez evidenciados quando, em um dos momentos de tristeza e angústia pela vida dos seus filhos, recebeu a visita de um representante da Corte em nome do Imperador para apresentar-lhe os pêsames, e com muita calma e impassividade disse ao mesmo:

 

A vitória que a pátria alcançava, e que todos tinham ido defender, valia muito mais que a vida de seus filhos.

 

Após esse verdadeiro ato de altruísmo, o referido oficial curvou-se ante aquele caráter forte e diamantino e, visivelmente comovido, beijou a mão daquela admirável dama, que lhe parecia a encarnação da própria Pátria. [...]

 

Verdadeiro modelo de desprendimento, amor, caridade, renúncia e, principalmente, resignação pela maneira como se portou nos momentos difíceis da vida.

 

Será sempre um exemplo de mãe, símbolo maior da família, que todos nós emulamos e que indica os valores norteadores da ética para a família militar do Exército Brasileiro.

Mulheres Guerreiras – Parte III - Rosa Maria Paulina da Fonseca - Gente de Opinião

Ao instituir o dia 18 de setembro, data natalícia de D. Rosa da Fonseca, a matriarca exemplar, como o Dia da Família Militar, o Exército Brasileiro presta a devida homenagem à família na figura dessa respeitada e admirada esposa e mãe de militares, reconhecendo a importância do espírito de sacrifício e de luta, que possibilita aos integrantes da Força Terrestre alcançarem o sucesso pessoal e profissional, com o sentimento de dever cumprido, seja qual for a missão.

 

(https://www.eb.mil.br/web/noticias/noticiario-do-exercito/...)

Mulheres Guerreiras – Parte III - Rosa Maria Paulina da Fonseca - Gente de Opinião

Os Sete Irmãos Macabeus

 

No livro em que reporto a minha Descida pelo Rio Madeira desde Porto Velho (RO) até Santarém (PA), de 22.12.2011 a 15.02.2012, onde naveguei, pouco mais de 2.000 km, pelos Rios Madeira, Amazonas, Trombetas e Tapajós, reproduzi algumas das expedições mais extraordinárias executadas neste dinâmico manancial que tem a característica singular que é a de arrastar milhares de troncos de árvores ao longo do leito por dia. Acompanhei, remo a remo, as heroicas empreitadas de Antônio Raposo Tavares, de Francisco de Mello Palheta, de José Gonçalves da Fonseca e a mais recente delas a do Coronel João Severiano da Fonseca. A narração dele ([1]), como integrante da Comissão de Limites entre o Brasil e a Bolívia, foi, sem dúvida, a que mais me cativou. Nela o insigne Patrono do Serviço de Saúde do Exército descreve os costumes e compila um glossário do vocabulário linguístico das diversas etnias indígenas com as quais a Comissão entrou em contato. A obra além de mostrar a participação dos nativos como auxiliares na exploração e colonização do território, narra com detalhes as dificuldades enfrentadas nas passagens pelas Cachoeiras e ilustra com detalhadas gravuras as rotas utilizadas pelos expedicionários para ultrapassá-las.

 

Recorri, na época, à obra “Os Patronos das Forças Armadas” de autoria do Gen Olyntho Pillar e publicada pela Biblioteca do Exército, para apresentar a biografia do Cel Severiano da Fonseca. Nela o autor compara D. Rosa Maria à mãe dos Sete Macabeus:

 

Neste passo é justo ressaltar-se que a respeitabilíssima matrona, que com desvelo os soube embalar ao regaço materno, logrou, pelas suas virtudes espartanas, sobreviver nos fastos da história cívica com o imortal epíteto de “Mãe dos 7 Macabeus”.

 

Bíblia Sagrada ‒ Macabeus - Livro II

 

Capítulo VII

 

Martírio dos Sete Irmãos Macabeus,
e de sua Mãe

 

1   Havia também sete irmãos que foram um dia presos com sua mãe, e que o rei, por meio de golpes de azorrague e de nervos de boi, quis coagir a comerem a proibida carne de porco.

 

2   Um dentre eles tomou a palavra e falou assim em nome de todos: “Que nos pretendes perguntar e saber de nós? Estamos prontos a morrer, antes de violar as leis de nossos pais”.

 

3   O rei, fora de si, ordenou que aquecessem até a brasa assadeiras e caldeirões.

 

4   Logo que ficaram em brasa ordenou que cortassem a língua do que falara por todos e, depois, que lhe arrancassem a pele da cabeça e lhe cortassem também as extremidades, tudo isso à vista de seus irmãos e de sua mãe.

 

5   Em seguida, mandou conduzi-lo ao fogo inerte e mal respirando, para assá-lo. Enquanto o vapor da assadeira se espalhava em profusão, os outros, com sua mãe, exortavam-se mutuamente a morrer com coragem.

 

6   “O Senhor nos vê” – diziam –“ e certamente terá compaixão de nós, como o diz claramente Moisés no seu cântico de admoestações: Ele terá compaixão de seus servo”.

 

7   Desse modo, morto o primeiro, conduziram o segundo ao suplício. [...]

 

10 Após este, torturaram o terceiro. Reclamada a língua, ele a apresentou logo, e estendeu as mãos corajosamente. [...]

 

13 Morto este, aplicaram os mesmos suplícios ao quarto, [...]

 

15 Arrastaram, em seguida, o quinto e torturaram-no. [...]

 

18 Após este, fizeram achegar-se o sexto, [...]

 

20 Particularmente admirável e digna de elogios foi a mãe que viu perecer seus sete filhos no espaço de um só dia e o suportou com heroísmo, porque sua esperança repousava no Senhor.

 

21 Ela exortava a cada um no seu idioma materno e, cheia de nobres sentimentos, com uma coragem varonil, realçava seu temperamento de mulher. [...]

 

24 Receando, todavia, o desprezo e temendo o insulto, Antíoco solicitou em termos insistentes o mais jovem, que ainda restava, prometendo-lhe com juramento torná-lo rico e feliz, se abandonasse as tradições de seus antepassados, tratá-lo como amigo e confiar-lhe cargos.

 

25 Como o jovem não lhe prestava nenhuma atenção, o rei mandou que a mãe se aproximasse e o exortasse com seus conselhos, para que o adolescente salvasse sua vida. [...]

 

30 Logo que ela acabou de falar, o jovem disse: “Que estais a esperar? Não atenderei às ordens do rei. Obedeço àquele que deu a Lei a nossos pais, por intermédio de Moisés”. [...]

 

41 Seguindo as pegadas de todos os seus filhos, a mãe pereceu por último.

 

 

 

(Machado de Assis, in “Crisálidas”)

 

As orações dos homens

Subam eternamente aos teus ouvidos;

Eternamente aos teus ouvidos soem

Os cânticos da terra.

 

No turvo mar da vida,

Onde aos parcéis ([2]) do crime a alma naufraga,

A derradeira bússola nos seja,

Senhor, tua palavra.

 

A melhor segurança

Da nossa íntima paz, Senhor, é esta;

Esta a luz que há de abrir à estância eterna

O fulgido caminho.

 

Ah! feliz o que pode,

No extremo adeus às cousas deste mundo,

Quando a alma, despida de vaidade,

Vê quanto vale a terra;

 

Quando das glórias frias

Que o tempo dá e o mesmo tempo some,

Despida já, ‒ os olhos moribundos

Volta às eternas glórias;

 

Feliz o que nos lábios,

No coração, na mente põe teu nome,

E só por ele cuida entrar cantando

No seio do infinito.

 

Bibliografia:

 

PILLAR, Olyntho. Os Patronos das Forças Armadas – Brasil – Rio de Janeiro – Biblioteca do Exército Editora, 1981

 

Solicito Publicação

 

(*) Hiram Reis e Silva é Canoeiro, Coronel de Engenharia, Analista de Sistemas, Professor, Palestrante, Historiador, Escritor e Colunista;

 

·    Campeão do II Circuito de Canoagem do Mato Grosso do Sul (1989)

·    Ex-Professor do Colégio Militar de Porto Alegre (CMPA);

·    Ex-Pesquisador do Departamento de Educação e Cultura do Exército (DECEx);

·    Ex-Presidente do Instituto dos Docentes do Magistério Militar – RS (IDMM – RS);

·    Ex-Membro do 4° Grupamento de Engenharia do Comando Militar do Sul (CMS)

·    Presidente da Sociedade de Amigos da Amazônia Brasileira (SAMBRAS);

·    Membro da Academia de História Militar Terrestre do Brasil – RS (AHIMTB – RS);

·    Membro do Instituto de História e Tradições do Rio Grande do Sul (IHTRGS – RS);

·    Membro da Academia de Letras do Estado de Rondônia (ACLER – RO)

·    Membro da Academia Vilhenense de Letras (AVL – RO);

·    Comendador da Academia Maçônica de Letras do Rio Grande do Sul (AMLERS)

·    Colaborador Emérito da Associação dos Diplomados da Escola Superior de Guerra (ADESG).

·    Colaborador Emérito da Liga de Defesa Nacional (LDN).

E-mail: [email protected]



[1]   Viagem ao Redor do Brasil (1875 – 1878) – Brasil – Rio de Janeiro – Volume 2 – Tipografia de Pinheiro & Ciª, 1881.

[2]   Parcéis: recifes de todo escondido ou só à superfície do mar.

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Hiram Reis e Silva

Francisco Xavier da Veiga Cabral – Parte III

Francisco Xavier da Veiga Cabral – Parte III

Bagé, 13.07.2020 Diário de Notícias, n° 133 ‒ Belém, PASábado, 15.06.1895Igreja Paroquial de Sant’Anna Pará, 07.06.1895 Amigo e Sr. Dr. Gonçalves T

Francisco Xavier da Veiga Cabral – Parte II

Francisco Xavier da Veiga Cabral – Parte II

Bagé, 10.07.2020   Diário de Notícias, n° 127 ‒ Belém, PASexta-feira, 07.06.1895 Hecatombe de Brasileirosdo Amapá, em 15 de maio de 1895,Pelos Soldado

Francisco Xavier da Veiga Cabral – Parte I

Francisco Xavier da Veiga Cabral – Parte I

Bagé, 09.07.2020 O “Diário de Notícias” do Pará, nas edições n° 127, 128, 129 e 130 de 07, 08, 09 e 11.06.1895, respectivamente, publicou, na sua pr

As Estrelas e a Ciência Médica

As Estrelas e a Ciência Médica

Bagé, 08.07.2020 O Coronel de Engenharia Higino Veiga Macedo, meu Caro Amigo e Mentor (com letras maiúsculas mesmo), enviou-me outro texto de sua au