Porto Velho (RO) sexta-feira, 28 de fevereiro de 2020
×
Gente de Opinião

Hiram Reis e Silva

Corrigindo um Erro Histórico - Por Hiram Reis

No planejamento para a Descida do Roosevelt, em 2014, levei em consideração as informações disponíveis nas obras de Theodore Roosevelt e Esther de Viveiros. As coordenadas do ponto de partida – a Ponte de madeira com vão de 20 m, construída em 1909, pela Comissão Construtora de Linhas Telegráficas – desde o início apontavam para um erro significativo na sua Latitude.


Corrigindo um Erro Histórico  - Por Hiram Reis - Gente de Opinião

Galeria de Imagens


2018

A comprovação documental, porém, só aconteceu em 2018.

Através de diletos amigos ligados ao Departamento de Educação e Cultura do Exército (DECEx) eu tinha conseguido apenas a Caderneta de Campo n° 3 do Rio Roosevelt e eu precisava da n° 1 que fora extraviada juntamente com a n° 2.

Minhas buscas só lograram êxito quando recorri às “Conferências Realizadas nos dias 5, 7 e 9 de Outubro de 1915 pelo Sr. Coronel Cândido Mariano da Silva Rondon no Teatro Phenix do Rio de Janeiro Sobre os Trabalhos da Expedição Roosevelt-Rondon e da Comissão Telegráfica” onde o autor reporta, definitivamente, os valores da Ponte Telegráfica.

LEIA ARTIGO COMPLETO EM PDF, ABAIXO:

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Hiram Reis e Silva

O Rondon de Daniel Scola – III Parte

O Rondon de Daniel Scola – III Parte

Minha resposta ao jornalista Daniel Scola do jornal Zero Hora

Formatura na UniRitter

Formatura na UniRitter

Um dos assistentes estranhou o fato de dois seres tão heterogêneos (um branco e um negro) serem familiares da mesma formanda

O Rondon de Daniel Scola – II Parte

O Rondon de Daniel Scola – II Parte

Um jornalista não é pago para “imaginar” e sim para elaborar reportagens fiéis e verazes.

O Rondon de Daniel Scola – I Parte

O Rondon de Daniel Scola – I Parte

Há 106 anos, um grupo de desbravadores se lançou numa missão pelo extremo noroeste brasileiro