Porto Velho (RO) quarta-feira, 18 de setembro de 2019
×
Gente de Opinião

Carlos Sperança

Uma coluna sem papas na língua 19/10/10


As reviravoltas

Fazendo um retrospecto desde o inicio da campanha 2010 ao governo se pode constatar que Rondônia é realmente o estado das reviravoltas políticas. Foram tantas, que os favoritos tombaram novamente: Expedito ao governo ficou de fora até do segundo turno, Ivo favorito ao Senado, acabou em segundo lugar.

 

Idas e vindas

Dos pesos pesados cotados para entrar na peleja, nem o prefeito José Bianco (DEM) tampouco o senador Acir Gurgacz (PDT) entraram na disputa. Igualmente o ex-prefeito de Vilhena Melki Donadon (PHS) deixou a pretensão de galgar o Palácio Presidente Vargas para disputar o Senado.

 

O foguete Confúcio

Sem eles – Bianco, Acir e Melki - nas paradas, o ex-senador  Expedito Júnior (PSDB) tomou a ponta e ares de favorito. Numa nova reviravolta, ele foi minado pelo governador João Cahulla (PPS), que nas últimas duas semanas de campanha acabou sendo ultrapassado pelo peemedebista Confúcio Moura (PMDB) que agora saltou a frente, impulsionado como um foguete.

 

Na reta final

Chegamos a reta final das eleições e os tucanos não mostram vigor suficiente para uma virada em Dilma Roussef, a ungida do presidente Lula. Para virar o jogo, José Serra (PSDB) precisaria tirar pelo menos alguns milhões de votos da adversária petista até o dia 31, o que se configura como um desafio quase impossível em vista da estabilização da campanha.

 

Em Rondônia

Já, no pleito estadual, em Rondônia, a vantagem, do candidato das oposições Confúcio Moura (PMDB) é tão grande, que mesmo se perdesse 50 mil votos para o concorrente nos próximos dias ainda ganharia a eleição com um pé nas costas. O peemedebista já faz 3 x 1 na maioria das regiões do estado e vai derrotando os governistas (em intenções de votos) no próprio quintal de Ivo Cassol e João Cahulla, que é Rolim de Moura.   

 

É coisa de Louco!

Como a necessidade faz o sapo pular, Ivo Cassol e Cahulla se aliaram até ao PSDB, aquele partido que tinha chutado os dois como bodes de bicheira na década passada. E aí, apresentaram os grandes reforços da aliança governista: o ex-vice-governador Aparício Carvalho. Com apoio de tal magnitude, é bem possível que as forças aliadas da oposição entrem em pânico, se aterrorizem e fujam em debandada...

 

Uma façanha

Considero uma grande façanha, uma das obras mais interessantes da engenharia política rondoniense nas últimas décadas, tirar Ivo Cassol e cia do poleiro, digo do Palácio Presidente Vargas. E para criar um candidato em condições de vencer o cassolismo a oposição, como se prenuncia a vitória de Confuncio, a oposição precisou vencer vários desafios.

 

Coalizão vitoriosa

O primeiro grande desafio era unir as oposições, com os cardeais oposicionistas deixando as fogueiras de vaidades de lado para discutir uma coalizão vitoriosa. Teve candidato que inclusive renunciou seu projeto de disputa ao governo para fortalecer a aliança. E a grande verdade é que a oposição já encaminha uma vitória demolidora sobre uma máquina governista azeitada e poderosa.

 

Debates repetitivos

E os debates entre os presidenciáveis e os governadoraveis estão cada vez mais repetitivos sem fatos novos e ausência de propostas exeqüíveis. Tudo isso está desestimulando os telespectadores mais apaixonados pela política de ficarem na poltrona.
 

 

 

Do Cotidiano


Um país de desigualdades

O Brasil é um dos países gigantes em extensão territorial. Apenas Rússia, Canadá, China e EUA apresentam territórios maiores. Não é incomum que por aqui haja muita coisa também grande além do território. É um dos maiores mercados internos do planeta, e isso tem sido uma âncora para resistir à crise. Mas também é um dos maiores em desigualdades sociais, entraves burocráticos, carga tributária e mortalidade infanto-juvenil.

Já tivemos o maior estádio do mundo (Maracanã), a maior hidrelétrica do mundo (Itaipu) e muitos ainda acreditam que o nosso é o melhor futebol do mundo. Até recentemente, tínhamos o justificado orgulho de contar com o Aquífero Guarani, o maior ou um dos maiores do mundo, dependendo do critério de avaliação, pois esse negócio de medir volume de água é tarefa complexa e demorada. E sequer tínhamos certeza dessa imensidão quando se anuncia que o Aquífero Amazônia (a reserva Alter do Chão) pode conter cerca de 86 mil quilômetros de água potável, com chances também de vir a ser considerado o maior do mundo.

Se, porém, serão necessários vários meses de estudos até chegar a uma definição mais precisa do volume de água oferecido pelo Aquífero Amazônia, para estímulo e orgulho ao caráter nacional, já está comprovado que o Brasil é, vergonhosamente, o maior do mundo em consumo de agrotóxicos.

Na última safra, o País consumiu ao redor de 700 milhões de litros de veneno, aplicados em 50 milhões de hectares, equivalente a 14 litros por hectares, que, desgraçadamente, vem a ser também a maior média do mundo.  

Isto significa que as regiões produtoras de soja são aquelas que mais sofrerão com suas consequências, uma vez que os agrotóxicos são produzidos a partir de petróleo e de químicos não degradáveis. Depois de aplicados, eles permanecem na natureza, matando a biodiversidade.

Além de afetar a fertilidade natural do solo, contaminam o lençol freático e a qualidade das águas da chuva: os venenos secantes evaporam para a atmosfera e depois regressam com a chuva. Afetam também a qualidade dos alimentos, que quando ingeridos sistematicamente podem causar destruição das células e resultar em câncer. 

Com justo orgulho podemos afirmar que temos no conjunto dos nossos aquíferos as maiores reservas de água doce do mundo. Que tenhamos juízo e competência para evitar que sejam poluídas com venenos que, ao se depositar na terra, sob a qual estão os aquíferos, ali permanecem teimosa e destrutivamente.

 

Via Direta

 

*** O PSDC comemorou no final de semana 65 anos da democracia cristã no Brasil com atos públicos em vários estados *** O presidente nacional José Maria Eymael cobrou na oportunidade a implantação do Ministério da Família *** Em alta - e provável candidato a prefeitura da capital em 2014 o deputado estadual eleito Zequinha Araújo acelera o passo nos bairros em prol da eleição de Confúcio Moura ao governo.
 

Siga o Gentedeopinião no Gente de Opinião



Fonte: Carlos Sperança - csperanca@enter-net.com.br
 Gentedeopinião   /  AMAZÔNIAS   /  RondôniaINCA   /   OpiniaoTV
 Energia & Meio Ambiente   /   YouTube  / Turismo   /  Imagens da História

 

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Carlos Sperança

O milagre do fogo + Léo Moraes fugindo da raia? + Renovação política + Grande duelo

O milagre do fogo + Léo Moraes fugindo da raia? + Renovação política + Grande duelo

O milagre do fogoO liberal gaúcho Gaspar Silveira Martins supunha que “ideias não são metais que se fundem”, mas interesses contrários podem se unir

Propaganda é insuficiente + Movidas à soja + Autonomia gorou + Depenando casas

Propaganda é insuficiente + Movidas à soja + Autonomia gorou + Depenando casas

Propaganda é insuficientePara tristeza da comunidade amazônica, seus problemas não são abordados com a resolutividade necessária. Não é um fenômeno

Fatos desprezíveis + Imigração japonesa + Poder feminino + Caprichando o visual

Fatos desprezíveis + Imigração japonesa + Poder feminino + Caprichando o visual

Fatos desprezíveisEntre fogaréu, as trocas de insultos e notícias falsas trouxeram mais calor que luz para a compreensão dos problemas amazônicos. Al

Realidade espinhosa + Kazan Roriz fora do páreo + Caciques de Rolim + As fraturas do PSL

Realidade espinhosa + Kazan Roriz fora do páreo + Caciques de Rolim + As fraturas do PSL

Realidade espinhosaOs apreciadores do tambaqui, um dos mais saborosos peixes amazônicos, sonham com ele sem tantas espinhas. Tudo indica que as prec