Porto Velho (RO) sábado, 21 de setembro de 2019
×
Gente de Opinião

Carlos Sperança

Uma coluna sem papas na língua 16/09/10


 

 

Debate no SGC

 

O debate entre os candidatos ao governo realizado pelo SGC, que foi até a meia noite de terça-feira, a rigor não apresentou um fato novo capaz de alterar o atual quadro da campanha. Confúcio Moura (PMDB) e o governador João Cahulla (PPS) caminham para o segundo turno, enquanto o tucano Expedito Júnior prossegue em queda livre. Já, o petista Eduardo Valverde não exibe musculatura para mudar esse panorama

 

No campo de ataque

 

A estratégia do governador João Cahulla durante o debate apresentado pelo jornalista Adão Gomes, me surpreendeu. Desta vez não esperou levar porretadas e logo tratou de fazer insinuações contra os oposicionistas Confúcio Moura e Expedito Júnior. E soube suportar os ataques inimigos, mesmo em questões em que o governo estadual esta devendo, como o superfaturamento nas obras de água e esgoto.

 

Maior qualidade

 

Mais uma vez o candidato da aliança Confúcio Moura (PMDB) mostrou mais qualidade no discurso do que os concorrentes. O tucano Expedito Junior melhorou sensivelmente seu desempenho, com relação ao debate da Unir e o petista Eduardo Valverde foi o mais sereno de todos, evitando desgaste com troca de acusações. Já, o representante do PSOL Marcos Sussuarana fustigou o que pode os adversários Confúcio e Valverde.

 

Nomes indeferidos

 

O elevado número de candidatos de ponta indeferidos pelo projeto ficha limpa, deve alterar substancialmente o quadro de eleitos á Assembléia Legislativa do estado nesta temporada. Ocorre que o listão vai dos ex-prefeitos Sueli Aragão (Cacoal), a Carlinhos Camurça (Porto Velho) e inclui vários deputados estaduais da atual legislatura. Por conseguinte o índice de renovação deverá ser muito alto.

 

Boatos plantados

 

A reta final da corrida sucessória estadual apresenta o acirramento dos ânimos entre o governador João Cahulla e o candidato dissidente da base aliada, o tucano Expedito Junior. E eles jogam pesado um com o outro na busca de uma vaga ao segundo turno. Houve até plantação de boatos em sites de aluguel, de que o tucano teria desistido da campanha, uma baita mentira. 

 

Cahullla x Expedito

 

Por outro lado, até duas semanas atrás Expedito, como uma ave pernalta, olhava de cima e simplesmente ignorava a existência de Cahulla. Como a coisa embolou e El Bigodón entrou na disputa direta por uma vaga ao segundo turno, o pau cantou. E a partir de agora será assim. Como ambos se conhecem de antigos carnavais o “trem” promete ficar mais feio adiante.

 

Uma nova era

 

Neste mês de setembro, comemora-se o segundo ano do inicio da construção da Hidrelétrica de Santo Antônio, a beira do rio Madeira. Trata-se de um fato histórico, porque registrou uma nova era para Rondônia. De lá para cá, o estado se projetou nacionalmente e Porto Velho acabou ultrapassando as populações de capitais mais tradicionais como Florianópolis (SC) e Vitória (ES).

 

Rivalidades tribais

 

A que ponto estão chegando às rivalidades tribais entre o ex-governador Ivo Cassol e o ex-senador Expedito Júnior. O tucano entrou firme na campanha da senadora petista Fátima Cleide – adversária ferrenha do ex-governador. Já, o poderoso Ivo Cassol esta autorizando seus aliados – de Moreirão a Neodi – apoiar Valdir Raupp. Coisa de louco!

 

 

Do Cotidiano

 

Anos de transformações

Os próximos dois anos, como se projetam, serão de grandes transformações em Porto Velho. As obras do PAC – de água e esgoto a viadutos – serão reativadas, as usinas hidrelétricas avançam, o boom e a verticalização imobiliária toma proporções inimagináveis e obras do porte do centro Político Administrativo, da nova sede da Assembléia Legislativa, do Teatro Estadual já estarão caminhando para suas conclusões.

Nos próximos dois anos também serão inaugurados mais um grande shopping na capital e as obras do Centro Administrativo da Prefeitura de Porto Velho, no bairro Embratel também estarão em fase de conclusão. Já comemoramos a próxima inauguração do terminal fluvial de passageiros do no porto do Cai N’Água e estuda-se nova licitação para a construção de um novo terminal rodoviário. Ao mesmo tempo, desponta um novo porto e um sistema intermodal de transportes.

Obras estruturais são intensificadas pela prefeitura de Porto Velho e pelo governo do estado, de pavimentação ao reordenamento do trânsito, um dos gargalos da capital rondoniense, já beirando os 500 mil habitantes.

Na busca da qualidade de vida, o prefeito Roberto Sobrinho toca projetos de grande envergadura, como da urbanização da orla do Rio Madeira. A canalização dos igarapés dá um tom urbanístico, enquanto que o combate às alagações toma maiores proporções como as obras de dragagem.

Mas os grandes desafios para os próximos dois anos na capital estarão centrados nas esferas da  saúde e da segurança pública. São gargalos que as seguidas administrações municipais e estaduais – e olha que Ivo governador e Sobrinho prefeito tiveram bons desempenhos sendo reeleitos – não conseguiram resolver mesmo porque a migração explodiu e as demandas sociais como de abastecimento de água e coleta de esgoto foram agravadas,

Com uma das maiores taxas de presos do país, Porto Velho, com seus presídios superlotados, ainda convive com taxas de criminalidade assustadoras, principalmente de homicídios. O índice é reforçado pelo tráfico de drogas, provocando embates entre traficantes nos bairros da periferia na disputa de pontos de vendas de papelotes e pelo funcionamento da penitenciária federal de segurança máxima, onde expoentes do crime organizado estão hospedados. No rastro deles, além dos parentes, vieram para cá colegas de organizações criminosas, causando maior incidência de latrocínios e de assaltos à mão armada.

E nossa expectativa é que nos próximos dois anos governador eleito e prefeito de Porto Velho se entendam melhor. Uma boa relação entre ambos poderá resultar em parcerias na busca de melhorias, principalmente da saúde pública e no combate a criminalidade.

 

Via Direta

 

*** Nos bastidores, fala-se na sexta-feira negra, o dia das algemas para alguns políticos de rabo comprido em Rondônia *** É o after day *** O censo 2010 avança rapidamente e deve ratificar o fantástico aumento da população de Jacy-Paraná, distrito de Porto Velho *** O candidato ao governo que dispensou as formiguinhas pagou direitinho, ao contrário dos boatos espalhados na região do café.

Siga o Gentedeopinião no Gente de Opinião



Fonte: Carlos Sperança - csperanca@enter-net.com.br
 Gentedeopinião   /  AMAZÔNIAS   /  RondôniaINCA   /   OpiniaoTV
 Energia & Meio Ambiente   /   YouTube  / Turismo   /  Imagens da História

 

 

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Carlos Sperança

A sonhada conciliação + Até linchamento + Causando terror + O desaparecimento de jovens garotas em Rondônia

A sonhada conciliação + Até linchamento + Causando terror + O desaparecimento de jovens garotas em Rondônia

A sonhada conciliaçãoHá sérias dúvidas sobre a preparação feita pelo chanceler Ernesto Araújo para que o presidente Bolsonaro tenha uma acolhida favo

O milagre do fogo + Léo Moraes fugindo da raia? + Renovação política + Grande duelo

O milagre do fogo + Léo Moraes fugindo da raia? + Renovação política + Grande duelo

O milagre do fogoO liberal gaúcho Gaspar Silveira Martins supunha que “ideias não são metais que se fundem”, mas interesses contrários podem se unir

Propaganda é insuficiente + Movidas à soja + Autonomia gorou + Depenando casas

Propaganda é insuficiente + Movidas à soja + Autonomia gorou + Depenando casas

Propaganda é insuficientePara tristeza da comunidade amazônica, seus problemas não são abordados com a resolutividade necessária. Não é um fenômeno

Fatos desprezíveis + Imigração japonesa + Poder feminino + Caprichando o visual

Fatos desprezíveis + Imigração japonesa + Poder feminino + Caprichando o visual

Fatos desprezíveisEntre fogaréu, as trocas de insultos e notícias falsas trouxeram mais calor que luz para a compreensão dos problemas amazônicos. Al