Porto Velho (RO) sábado, 25 de junho de 2022
×
Gente de Opinião

Carlos Sperança

Uma coluna sem papas na língua 01/10/10


 

  

 

Situação complicada

 

Ao meio de indefinições sobre a situação dos candidatos fichas sujas com suas candidaturas indeferidas pela justiça eleitoral e que disputam cargos respaldados em liminar, o eleitorado rondoniense comparece as urnas neste domingo para eleger seu governador, vice, dois senadores, oito deputados federais e 24 deputados estaduais. E um expressivo naco dos postulantes está enrolado com a justiça.

 

Abuso de poder

 

A coligação do PT-PSB pediu a cassação do registro da candidatura a Câmara Federal do empresário Valdeci da Farmácia PP), um dos principais puxadores de votos da base aliada do governador João Cahulla. O pedido tem como base a farta distribuição de kits de higiene bucal, caracterizando abuso de poder econômico. A encrenca é grande.

 

Campanha do desarmamento

 

O Brasil tem muito que trabalhar no quesito desarmamento porque a coisa esta ficando preta. Na madrugada de ontem fui acordado com o espocar de cinco tiros no meu quarteirão – região central da cidade, bairro Olaria - e um corpo caído no chão. O que também impressionou foi que quase ao mesmo tempo em que uma pessoa era baleada, tantas outras chegavam em seus carros  e a maioria com armas na cintura.

 

Até nos colégios

 

Esta campanha do desarmamento do governo federal tem que ser mais séria. Na maioria dos colégios de Porto Velho - e esta situação não é diferente nas demais capitais brasileiras - boa parte dos jovens tem armas que são distribuídas por traficantes. Já é o caso de se instalar detectores de metais nas portas dos estabelecimentos de ensino para tentar coibir a violência pelo menos dentro dos colégios.

 

Migração da bandidagem

 

Desde 2000 quando o Complexo Penitenciário Urso Branco recebeu bandidos escolados do Paraná – a famosa trinca de Piraquara – é que a coisa que já não era boa tem ficado pior por aqui. Piorou de vez com o Presídio Federal, que trouxe consigo um braço do Comando Vermelho. No rastro das celebridades criminais, a migração da bandidagem aumentou de vez e o que se vê hoje é os facínoras tomando conta do pedaço.

 

Grandes desafios

 

Mesmo com uma grande administração do prefeito Roberto Sobrinho, o município de Porto Velho chega aos 96 anos de existência neste sábado, com uma série de desafios para serem superados. Do abastecimento de água, a coleta de esgoto, da saúde e segurança pública, moradia e trânsito e transportes coletivos, a capital rondoniense busca na próxima década mais qualidade de vida.

 

Artilharia pesada

 

Nos últimos dias o senador Valdir Raupp (PMDB-RO) que pleiteia a reeleição tem sido alvo de artilharia pesada de adversários rondonienses numa verdadeira canabalização entre os partidos da base aliada do presidente Lula no estado de Rondônia. Como se tratando de política ninguém chuta cachorro morto ou acende vela para defunto ruim, se conclui que o barbudo entra na reta final com sobras para se manter no poleiro.

 

Cotação em alta

 

 De vez em quando critico o populismo de Raupp, mas é importante lembrar, neste momento, que o senador peemedebista de hoje é outro, alguém muito mais preparado, diferentemente daquele jovem governador inexperiente dos anos 90. E Raupp, que tem apoio até do prefeito Roberto Sobrinho, sendo eleito, tem tudo encaminhado junto a Michel Temer para angariar um Ministério para Rondônia no futuro governo Dilma Roussef.

 
 

Do Cotidiano
 

O suicídio da civilização?

Afinal, as secas, os incêndios e o recrudescimento da fome no mundo são um “castigo” divino ou o suicídio da civilização? A intensificação dos fenômenos e suas consequências são naturais, é assim mesmo, deixa rolar?

Uma compilação de estudos sobre a região amazônica feita pelo Banco Mundial apontou que se o desmatamento da Amazônia atingir a marca de 20%, o aquecimento global se encarregará de destruir o que sobrou. Vale dizer que 17% da floresta já se foi.

Para os cientistas, o efeito conjunto de incêndios, desmatamento e mudança climática empurra a floresta para um estado em que ela perde sua “massa crítica”.

O que acontecerá se, de acordo com as previsões, a floresta da Amazônia se reduzir em níveis intoleráveis para manter a regulação natural? Logo de saída, chuvas mais fortes alternadas por secas mais ferozes, o que vai causar danos à vazão dos rios de toda a bacia.

Nesse caso, como ficam as alegações daqueles tão propagandeados cientistas que negam, a existência do “aquecimento global”. Ficam onde sempre estiveram, pois, a rigor, não há um aquecimento que possa estropiar de uma vez com todo o planeta: o aquecimento sempre vai afetar mais algumas áreas que outras.

Seus efeitos é que tendem a ser globais – até mesmo por conta da própria globalização, que torna os povos mais dependentes uns dos outros.

Há radicais desmiolados, como um certo Rush Limbaugh, um fundamentalista radical da ultradireita americana, para quem o alerta de aquecimento global é uma sórdida e diabólica mancomunação “comunista” para destruir a angelical civilização das chaminés fumarentas.

Imagine-se o chilique de Mr. Limbaugh quando até o complacente presidente George W. Bush reconheceu que o aquecimento é real e se intensificou por conta da ação humana.

O cenário que se apresenta é a “nordestinização” do Leste da Amazônia, que terá o avanço da vegetação típica do semiárido: até 2025, a região poderá perder 74% de sua atual área de floresta. No Sul da Amazônia, cerca de um terço de floresta tropical será substituído por cerrado até 2025.

A partir daí, como a caatinga, as árvores menores absorverão menos gás carbônico, elevando o aquecimento e o disseminando pelo País. O Nordeste ficará com estiagens ainda mais prolongadas, prejudicando a agricultura e a geração de energia elétrica na região.

Talvez seja a hora de esquecer as teorias conspiratórias e ouvir Thomas Lovejoy, um especialista em biodiversidade que recomenda juntar as informações mais bem apuradas em variados campos e colocá-las no mesmo caldeirão para extrair conclusões gerais.

 

Via Direta

 

*** Com novos redutos, entre eles, Porto Velho, o presidente da Assembléia Legislativa Neodi Carlos (PSDC) deve ser um dos mais votados na temporada *** Já, o PDT aposta em Saulo da Renascer (Ariquemes) e em Leudo Buritis (Ji-Paraná) para garantir duas cadeirasno parlamento estadual*** O vice de Expedito, Miguel de Souza tem recebido sucessivos ataques da dupla Cahulla/Cassol.

 

Siga o Gentedeopinião no Gente de Opinião



Fonte: Carlos Sperança - [email protected]
 Gentedeopinião   /  AMAZÔNIAS   /  RondôniaINCA   /   OpiniaoTV
 Energia & Meio Ambiente   /   YouTube  / Turismo   /  Imagens da História



 

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Carlos Sperança

Eleição e corrupção + Contagem regressiva + Cenário nublado + Baita renovação

Eleição e corrupção + Contagem regressiva + Cenário nublado + Baita renovação

Eleição e corrupçãoÉ fácil acreditar em acusação falsa contra alguém que a pessoa detesta enquanto o discurso anticorrupção demagógico e mentiroso,

Página infeliz + Centro histórico de Porto Velho + Multidão de indecisos

Página infeliz + Centro histórico de Porto Velho + Multidão de indecisos

Página infelizPor mais que estejam na moda escapismos como supor as antigas civilizações amazônicas destruídas por ETs, com Rússia e EUA alimentand

Febre imigratória + Fazendo a diferença + Efeito manada + As projeções

Febre imigratória + Fazendo a diferença + Efeito manada + As projeções

Andorinhas humanasNão poderia passar em branco nos EUA e Canadá a triste notícia de que a andorinha-azul (Progne subis) tem sua população progressi

Pão amargo + União de forças do MDB + Movimentações no interior + José Guedes é pra valer

Pão amargo + União de forças do MDB + Movimentações no interior + José Guedes é pra valer

Pão amargoQuando o Brasil começava a obter ganhos diplomáticos no exterior, o desaparecimento do jornalista inglês Dom Phillips e do indigenista Bru