Porto Velho (RO) sábado, 28 de março de 2020
×
Gente de Opinião

Carlos Sperança

Os filtros amazônicos + Fazendo as contas + Nossa Cicciolina + Grandes farsas + Lebrão ou Ratão?


Os filtros amazônicos + Fazendo as contas  + Nossa Cicciolina   + Grandes farsas + Lebrão ou Ratão? - Gente de Opinião

Os filtros amazônicos

A Amazônia é o grande tesouro brasileiro. Pelos filtros amazônicos, por todos os ângulos, só se enxergam riquezas e soluções vindas da floresta e sua biodiversidade. No entanto, poluindo os superpositivos filtros amazônicos com fuligem negativa, o antiglobalismo do ministro Ernesto Araújo, das Relações Exteriores, afasta clientes e investidores ao entrar em contradição com o pragmatismo do agronegócio.

O “nacionalismo” antiglobalista, além de não mostrar capacidade para unir as regiões em torno de um projeto de nação, também vive uma grande contradição entre premissas conflitantes: soberania nacional e adesão automática aos EUA. Para o agronegócio, arriscado a perder clientes pelos erros nas políticas ambientais, os EUA são um país cliente, mas também um concorrente na disputa por nichos do mercado mundial. A guerra comercial EUA-China bem demonstrou esse fato.

Enquanto o governo não resolver as contradições, harmonizando as alas internas que lutam entre si, os investidores ficarão com um pé atrás. Todo novo bafafá político, falha ministerial e tragédia encarada com a evasiva de culpar alguém e tirar o corpo fora servem de sinais de alerta aos investidores. Muitos estão ansiosos para que as confusões logo terminem e prevaleçam a democracia e a segurança jurídica para investir sem receio. Cuidar bem da Amazônia faz parte do pacote.

.........................................................

Fazendo as contas

Eram tantas prostitutas em Porto Velho nos anos 80 provenientes de todos os quadrantes do País, por causa do ciclo do ouro, que um candidato a deputado estadual fez as contas. “São umas vinte mil, se eu tirar 3 mil votos tô eleito fácil”. Assim ele foi a luta teve apoio maciço da categoria e pelas manifestações de apoio na Zona do Roque e adjacências a vitória era certa. Para sua perplexidade,  veio o escrutínio dos votos e só apareceram 270 sufrágios. Ocorre que os títulos eleitorais das kengas eram de outros estados...

Haja cornos!

Se o jovem Jaimar Saraiva fez a sua matemática naqueles idos contabilizando tanto respaldo na Zona do Roque, agora o presidente da Associação dos Cornos, o  Para Pedro, planeja se eleger prefeito de Porto Velho em 2020 contabilizando para sí certamente uns 100 mil cornos votantes na praça para se eleger. De fato, existe existem mais cornos do que grãos de areia no Madeirão – e este que vos fala também é um associado - na capital rondoniense, mas o diabo da coisa será constatar a fidelidade a causa no dia da eleição.

Nossa Cicciolina 

Nos anos 90, o mundo se curvou a atriz pornô italiana Cicciolina que se elegeu deputada na terra dos imperadores romanos. Em Porto Velho, surgiu uma versão macaxeira da parlamentar italiana, a ex-atriz Lea Leandro, que fez a campanha numa carrocinha cor de rosa mostrando os então belos seios ao eleitorado.  Fez muito sucesso, ganhou as páginas dos jornais brasileiros e até saiu na Eurovision. Mas a coisa não colou. Acabou uma decepção nas urnas.

 Lebrão ou Ratão?

E por falar em Eurovision, a poderosa rede de TV europeia, seus repórteres estavam fazendo matérias no Vale do Guaporé focalizando uma briga dos padres com os madeireiros ao final dos anos 90. Ao entrevistar o atual deputado Lebrão, uma repórter italiana trocou as bolas do mundo animal de “Lebrão” para “Ratão”. E distraído em se defender na peleja com os padres, Lebrão ficou como Ratão até o final da reportagem para então ser lembrado por amigos do equívoco.

Grandes farsas

Nesta coluna dedicada ao folclore, não poderia faltar as grandes farsas políticas. Uma das maiores delas foi protagonizada num comício em Ji-Paraná nas eleições de 1982. Um falso atentado, com uma falsa bomba que causou pânico e repercussão nacional. O  então governador Teixeirão se irritou – quiseram botar na conta dele o  “atentado” – e mandou o secretário Walderedo Paiva desvendar o “crime”. Não deu outra. Era uma bomba fake produzida pela equipe de marketing do candidato Mucio Athayde.

 

Via Direta

*** Impressiona o ritmo da ação partidária do MDB em Rondônia neste início de 2020 mobilizando as lideranças municipais e recrutando novos quadros *** Nem nas campanhas vitoriosas de Jerônimo Santana, Valdir Raupp e Confúcio Moura ao governo do estado o partido foi tão intenso nas eleições municipais *** A única explicação são os recursos do fundo partidário que antigamente não eram tão generosos, sendo que atualmente o MDB está entre os três partidos mais aquinhoados *** Não tem cheia por enquanto mas existem previsões que de março para abril o Madeirão atinja seu maior nível em 2020 na região de Porto Velho *** Por isto a Defesa Civil local já está retirando moradores as margens do rio em situação de risco desde a semana passada *** Com os políticos em baixa, até a  bailarina da praça  vai querer entrar na disputa pela prefeitura de Porto Velho. É coisa de louco! 

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Carlos Sperança

...E até quando? + O pesadelo da Covid-19 + Baita desafio + O isolamento

...E até quando? + O pesadelo da Covid-19 + Baita desafio + O isolamento

...E até quando?É de conhecimento até do migrante mais recente, que o município de Porto Velho com seus mais de 20 distritos –alguns distantes 350

Fama de preguiçosos + Tempos difíceis para as teúdas e manteúdas dos políticos + Amazônia tudo é urgente

Fama de preguiçosos + Tempos difíceis para as teúdas e manteúdas dos políticos + Amazônia tudo é urgente

Fama de preguiçososO folclore político rondoniense registra que uma das maiores dificuldades dos candidatos ao governo do estado de Rondônia oriundo

A união preventiva + O jeitinho + Em cascata + Buraco Negro + A desobediência

A união preventiva + O jeitinho + Em cascata + Buraco Negro + A desobediência

A união preventivaFoi preciso um vírus assustador para mostrar a estupidez e a infantilidade dos radicais que gritavam uns nas caras dos outros e se

Bem cotados a prefeito em Porto Velho + Nos idos da colonização + O manejo + As costuras

Bem cotados a prefeito em Porto Velho + Nos idos da colonização + O manejo + As costuras

Nos idos da colonizaçãoFazer campanha eleitoral nos idos da colonização rondoniense,  nas décadas de 60,70 e 80 era uma tarefa inglória para a opos