Porto Velho (RO) domingo, 12 de julho de 2020
×
Gente de Opinião

Carlos Sperança

Ordem na casa + Fundo partidário + Recursos do IPTU + A conclusão da pomte


Ordem na casa + Fundo partidário + Recursos do IPTU + A conclusão da pomte - Gente de Opinião

Ordem na casa

Um dos absurdos da polarização ideológica é considerar o meio ambiente como bandeira da “esquerda” e a economia como território da “direita”, quando até os conceitos de esquerda e direita pouco significam, tantas são as fações que reivindicam pertencer a um desses bandos sem forma ou consistência real.

No mundo real, a direita rica, que se reúne anualmente em Davos, na Suíça, elegeu o meio ambiente como preocupação principal, enquanto os movimentos supostamente de esquerda se preocupam em amenizar os desastres das finanças.

Atualmente se fala em tratar o caso dos créditos de carbono apenas como questão econômica, sem o “viés” ambiental. Esse entendimento, que divide quando deveria unir, revela-se ridículo pela própria origem do que seriam, de um lado, a milícia ambiental, e, de outro, os exércitos do sistema produtivo. As palavras “ecologia” e “economia” têm a mesma raiz: eco significando lar ou casa, ou seja, o lugar onde vivemos.

Não faz nenhum sentido considerar uma coisa separada da outra. O Fórum Econômico Mundial tratou de mostrar o quanto elas se parecem os dois lados da mesma moeda: seu Relatório de Riscos Globais 2020 aponta que não frear o desmatamento pode levar a perdas acima dos US$ 3 trilhões (R$ 12,5 trilhões) nos próximos trinta anos. O ruim da ecologia vira pior na economia. Hora, portanto, de botar ordem na casa.

..............................................................

Até maio

O cara-pálida eleitor tem até 6 de maio para regularizar seu título cancelado perante a justiça eleitoral. É o mesmo prazo para emissão de título e alteração de domicilio eleitoral. Enfim, quem não se regularizar a tempo não poderá votar e terá o inconveniente de pagar uma multa e sofrerá outras restrições, como o uso de passaporte, negócios com órgãos públicos etc. Fique ligado.

Fundo partidário

Ainda em fase de criação com a coleta de 492 mil assinaturas para se regularizar perante o Tribunal Superior Eleitoral-TSE, o comando da Aliança Pelo Brasil, novo partido do presidente Jair Bolsonaro garante que não vai usar os recursos do Fundo Partidário, estimado em R$ 2 bilhões e que tanto desgaste tem gerado junto a classe política para as eleições municipais de outubro. A legenda pretende eleger 100 deputados em 2022 e então terá uma fatia gorda do fundo.

Os compromissos

Honrar os compromissos está cada vez mais difícil num cenário econômico retraído, onde iniciamos o ano já com dificuldades para todos os brasileiros. Ainda são 61 milhões no País com nome sujo por causa da inadimplência lutando para se reabilitar e voltar a consumir nas lojas. Em Porto Velho a situação não é diferente, o ano começa com o dinheiro curto, reservado para pagar IPTU, IPVA, materiais escolares etc.

Recursos do IPTU

Com descontos de até 20 por cento até o dia 31, estão sendo entregues os carnês de IPTU pelo correio em Porto Velho. A Secretaria da Fazenda tem a expectativa de arrecadar R$ 24 milhões – seria bem mais se o calote não fosse tão grande em época de crise – cujos recursos serão destinados a obras de infraestrutura na capital rondoniense que completa mais um aniversário de instalação neste dia 24 - e com grande malha viária a ser recuperada na zona rural.

A conclusão

A bancada federal do Acre, com seus oito deputados federais e 3 senadores lidera os esforços junto às esferas econômicas do governo Bolsonaro para a liberação de recursos para a conclusão da ponte sobre o Rio Madeira na região do Abunã em Rondônia. Como a necessidade faz o sapo pular, o receio de uma nova enchente causando desabastecimento ao vizinho estado, envolve todas as lideranças políticas e empresariais do estado vizinho.

 

Via Direta

***Aumentos da carne, gasolina e gás de cozinha provocaram reajustes em cascata nos restaurantes de Porto Velho nos últimos dias *** Casas espetaculares em condomínios de luxo indicam recentemente a prosperidade dos barões da soja, do ouro, das redes de farmácias, dos políticos, de supermercadistas, e do alto escalão do funcionalismo público em Rondônia *** Enquanto isto, o Zé Povinho enfrenta dificuldades para financiar casas populares nas instituições financeiras *** China e Estados Unidos voltaram a pular cirandinha e quem levou na cabeça com o novo acordo foi o Brasil em suas exportações de soja e carnes de porco e de aves *** Com as desistências em disputar a prefeitura da capital do ex-governador Daniel Pereira (Solidariedade) e possivelmente de Hildon Chaves (PSDB), a coisa ficou confortável para Leo Moraes, Nazif das Arábias e Vinicius Miguel.  

 

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Carlos Sperança

Um símbolo brasileiro + Centrão vitaminado + O prefeito Hildon Chaves tinha duas cartas + Uma reação

Um símbolo brasileiro + Centrão vitaminado + O prefeito Hildon Chaves tinha duas cartas + Uma reação

Um símbolo brasileiroHá slogans muito repetidos em campanhas eleitorais, geralmente entre marchinhas de louvor e aplausos de claque. Um deles foi “m

Radicais do dinheiro + As falsianes + Podem atrasar + Coisa de louco!

Radicais do dinheiro + As falsianes + Podem atrasar + Coisa de louco!

Radicais do dinheiro Caiu a máscara: quem repudiava cuidados ambientais alegando que seriam exageros de esquerdistas radicais passou a sofrer a pre

Chuva de ações + Nova aposta do PT + Obras esperadas + As pragas

Chuva de ações + Nova aposta do PT + Obras esperadas + As pragas

Chuva de açõesA disputa entre polos antagônicos se alastrou tanto que ficou difícil para o público distinguir entre as notícias falsas e as verdade

Saídas existem + Clãs políticos + Puro sangue + Eleições 2020

Saídas existem + Clãs políticos + Puro sangue + Eleições 2020

Saídas existemQuem descartar os extremos complicadores da polarização encontrará um fértil debate sobre as opções da Amazônia para evitar o triplo