Porto Velho (RO) quinta-feira, 9 de julho de 2020
×
Gente de Opinião

Carlos Sperança

Bem cotados a prefeito em Porto Velho + Nos idos da colonização + O manejo + As costuras


Bem cotados a prefeito em Porto Velho + Nos idos da colonização + O manejo + As costuras - Gente de Opinião

Nos idos da colonização

Fazer campanha eleitoral nos idos da colonização rondoniense,  nas décadas de 60,70 e 80 era uma tarefa inglória para a oposição. Que diga o falecido deputado federal (depois governador) Jerônimo Santana (MDB), com seus comícios sabotados pelos caciques regionais. Em Pimenta  Bueno, por exemplo, o ex-prefeito que foi também deputado estadual, Vicente Homem Sobrinho (já falecido também) jogava bruto com os adversários: pedradas, ovos podre, desligamento da energia  de palanques durante os discursos dos opositores.

Ainda na década de 80 as coisas eram feias. Lembro que o então deputado federal Mauricio Calixto foi fazer comício em Ji-Paraná e foi expulso por adversários locais, um deles armado com uma espingarda. O que dizer do voluntarioso Ernandes Amorim, em Ariquemes, que surrava até radialistas desafetos em pleno ar?

Se nos idos do território as coisas eram terríveis e a cada derrota de um grupo político, os derrotados   eram perseguidos e punidos com o desterro para a  então distante Costa Marques. E ainda em meados de Rondônia estado quem estava no poder maltratava aqueles funcionários considerados oposicionistas.

Com o tempo passando as coisas foram se amenizando, pois, muitos rondonienses oposicionistas eram obrigados até mudar de Porto Velho tamanha era a perseguição política.

........................................................................................

Bem cotados

Os partidos ainda sem candidatos a prefeito em Porto Velho poderiam voltar seus olhos a lideranças  bem cotadas e com identidade com a população, ao invés de lançar tantos  políticos pilantras e mal-intencionados que proliferam nestas bandas. Alex Palitot, Vanderlei Oriani, Ranieri Coelho, Joelna Houder, e Marcelo Tomé tem credibilidade, são pitocos e  têm tudo para crescer politicamente nos próximos anos. Desenvolvem ações expressivas na comunidade.

A madeirabrás

Em meio a uma nova crise, que mistura economia (recessão mundial) com saúde (coronavírus em alta) e energia (o petróleo novamente em xeque), bioengenheiros e economistas da Universidade de Leuven (Bélgica) sugerem a viabilidade de substituir o petróleo pela madeira na indústria química.Em tempos de hegemonia liberal desestatizante, não consta que alguém tenha pensado em criar a “Madeirabrás”, mas há ótimos projetos de reflorestamento que atendem às expectativas de recuperação até rápida de áreas degradadas.

A substituição

A questão imediata suscitada pela pesquisa belga é se a substituição do petróleo pela madeira seria ambiental e economicamente viável e correta. Sem essas duas condições, propor a substituição já seria um disparate, a depender das conclusões obtidas com o aprofundamento dos estudos. O petróleo é usado amplamente por ser barato. Cortar madeira já custa caro e não há quem goste disso, a não ser quem ganha dinheiro derrubando.

O manejo

 Os cientistas, porém, acenam com cálculos que mostram ser viável economicamente uma biorrefinaria para converter madeira em blocos de construção químicos. Viável é, mas há que discutir se o ponto de partida é o manejo florestal para extrair a madeira de forma sustentável. Proteger a biodiversidade promovendo a sustentabilidade começaria a realizar o sonho ainda remoto de abrir uma fábrica de dinheiro.

As costuras

 Com apoio do senador Marcos Rogério  (DEM) e do ex-senador Expedito Junior (PSDB), o deputado estadual Laerte Gomes (PSDB), presidente da Assembleia Legislativa do Estado já costura alianças para se eleger prefeito em Ji-Paraná na eleição de outubro. Vai enfrentar o projeto de reeleição bem armado do atual prefeito Marcito Pinto (PDT) que deverá contar com o respaldo do PSB e de  legendas alinhadas. Outros nomes também estão em avaliação, numa disputa renhida na capital da BR.

....................................................................

Via Direta

*** Aumenta a circulação de cédulas falsas de R$ 100,0 R$ 50,00 e R$20,00 em Porto Velho. Até  os pipoqueiros tem sido vítimas dos falsários *** Tudo parado e os camelôs de Porto Velho já desesperados para ganhar o pão de cada dia. Nuvens negras se aproximam  com o desemprego *** Teremos prováveis consequências nos próximos dias como o desemprego e o aumento da  criminalidade ***E que os supermercados e atacadões fiquem atentos para os desdobramentos do povão com fome urrando pelas ruas *** Já se vê que faltou planejamento com o estado de calamidade no País, nos governos estaduais e nas municipalidades *** Principalmente nos Estados e municípios infestados de casos da doença como São Paulo,  Rio de Janeiro e Brasília *** Acumulam-se desinformações nas ruas com os fake news, vivaldinos explorando a população com produtos falsificados *** E espera-se que a classe política tenha a decência de alocar os recursos do fundo partidário para o combate do coronavirus.

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Carlos Sperança

Chuva de ações + Nova aposta do PT + Obras esperadas + As pragas

Chuva de ações + Nova aposta do PT + Obras esperadas + As pragas

Chuva de açõesA disputa entre polos antagônicos se alastrou tanto que ficou difícil para o público distinguir entre as notícias falsas e as verdade

Saídas existem + Clãs políticos + Puro sangue + Eleições 2020

Saídas existem + Clãs políticos + Puro sangue + Eleições 2020

Saídas existemQuem descartar os extremos complicadores da polarização encontrará um fértil debate sobre as opções da Amazônia para evitar o triplo

Crítica e método + Algum rabinho... + Caerd falida + A suspensão das obras da BR 319

Crítica e método + Algum rabinho... + Caerd falida + A suspensão das obras da BR 319

Crítica e métodoQual é a melhor atitude a tomar diante de uma crítica? Quem não está habituado ao debate e costuma impor a própria vontade sem se p

Sem velório + O sofrimento + A rejeição +  Ex-governadores

Sem velório + O sofrimento + A rejeição + Ex-governadores

Sem velórioÉ saliente demais para não causar reflexão e necessárias preocupações o fato de quatro dos cinco estados da região serem os que mais apre