Porto Velho (RO) segunda-feira, 18 de novembro de 2019
×
Gente de Opinião

Carlos Sperança

A diplomacia do peixe + A eficiência na agricultura + Batendo cabeça + Cadê a ponte?


A diplomacia do peixe + A eficiência na agricultura + Batendo cabeça + Cadê a ponte? - Gente de Opinião

A diplomacia do peixe

O período do defeso do tambaqui, cuja pesca está paralisada até março, é uma oportunidade para fazer um balanço das ações mais efetivas promovidas em favor da piscicultura amazônica até agora para aprofundá-las, o que passa por uma política de boa convivência com as demais regiões do país.

A ira despertada pelos planos impositivos do ministro Paulo Guedes, que seduzido por economistas do Sudeste pretendeu embaraçar a Zona Franca de Manaus, foi canalizada pelas lideranças regionais a um debate em alto nível no Congresso Nacional que desnudou os erros dos argumentos de Guedes.

Com isso, o risco de antagonismo entre as regiões se desfez. Ao contrário, sobretudo depois do drama das queimadas, que arruinou a imagem do Brasil no exterior, cresceu o respeito ao bom discernimento dos governadores da região Norte.

O anúncio de que a Ceagesp, grande central de abastecimento paulista, vai levar tambaqui assado na brasa em novembro para os consumidores do Sudeste transforma o apreciado peixe amazônico em embaixador dos sabores de Rondônia e região.

A visibilidade do bom peixe e o pragmatismo dos governadores contribui para a integração entre as regiões, vencendo os rancores e raivas da polarização. A “diplomacia do tambaqui” vai favorecer um olhar mais carinhoso do Sudeste endereçado à Amazônia. Só é preciso aproveitar a oportunidade.

.....................................................       

A eficiência

Na sua equipe, o prefeito Hildon Chaves (PSDB) montou uma verdadeira seleção na área da agricultura. Não lembro até hoje, uma pasta municipal com dois ex-secretarios de Estado da Agricultura – os ex-deputados Luis Claudio e Luis Carlos – que já trabalharam também no governo de Rondônia e com baita desempenho. Pela eficiência, é uma das áreas de destaque da atual gestão municipal. 

Batendo cabeça

Como os alces que disputam as femeas nas manadas a cabeçadas, os prefeituraveis Eyder Brasil e Chisóstomo batalham pela hegemonia do PSL em Rondônia. Ao vencedor da peleja, caberá o prêmio da maioria no diretorio municipal e a garantia da candidatura a prefeito em Porto Velho. Eyder conta com apoio do governador Marcos Rocha, Chrisóstomo é bem relacionado com o comando nacional da legenda.

Cadê a ponte?

Anunciada pomposamente para ser inaugurada ainda em 2019, a ponte sobre o Rio Madeira na Ponta do Abunã sofreu atrasos por falta de recursos orçamentários. Faltando somente os aterros nas cabeceiras fala-se no adiamento da inauguração para o ano que vem. As bancadas federais de Rondônia e Acre se uniram pela causa e estão pulando na jugular das esferas federais para que o cronograma inicial seja mantido.

Territorialistas

Os políticos rondonienses são territorialistas como as onças, delimitando território com esguichos em pontos estratégicos. Valdir Raupp foi o macho alfa do MDB durante um bom tempo e como predador, chutou do partido Jerônimo Santana (na época o grande lider) para comandar a legenda. Foram décadas de dominio, até achar um predador incomodo, que é o atual senador Confucio Moura, um verdadeiro satanico Dr. No.

A patadas

Em Rondônia até algum tempo atrás os predadores eram tratados a patadas pelos prefeitos e governadores e quando tentavam sair da toca levavam pauladas. O governador Jêronimo Santana (MDB), por exemplo, tratou o prefeito Tomás Correia a pão e água, optando por apoiar até adversários. O negócio era não deixar os predadores criar asas. Por isto José Guedes e Camurça também foram maltratados por governadores em suas gestões.

Via Direta

*** Os deputados estaduais de Rondônia foram ao Acre coletar subsidios da CPI local contra a Energisa *** Todo mundo unido contra as tarifas criadas pela Aneel e que fustigam acreanos e rondonienses *** A oposição esta doidinha para fustigar o prefeito de Porto Velho Hildon Chaves (PSDB) já neste inicio de inverno amazônico *** Mas como a rede de drenagem aumentou, os canais e igarapés foram limpos e os entulhos das bocas de lobo foram retirados, ainda vai demorar para fazer a “caveira” do alcaide *** Mas que a “caveira” de Hildon será feita, não tenham dúvidas. Os adversários já estão se coçando para detonar o tucano ***  Historicamente acordos políticos antecipados e de longa duração em Rondônia geralmente acabam dando chabu. Tem um aí já estourando *** O município de Ariquemes comemorou no final de semana 42 anos de emancipação e mantém um dos mais elevados indíces de crescimento no estado. Parabéns ao bravo povo daquela cidade.

 

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Carlos Sperança

Cabras salvadoras + Os capitalistas! + Taca-lhe o pau! + O casal Raupp está refeito

Cabras salvadoras + Os capitalistas! + Taca-lhe o pau! + O casal Raupp está refeito

 Cabras salvadorasCresce a consciência de que a Amazônia não é o “pulmão do mundo”, como alguns ainda acreditam, mas sua ampla biodiversidade, impor

As carnes alternativas + Os ex-prefeitos + Corrida 2022 + Frente de Esquerda

As carnes alternativas + Os ex-prefeitos + Corrida 2022 + Frente de Esquerda

As carnes alternativasQuando surgiu a notícia da invenção de uma carne sintética perfeita, cogitou-se que a produção da proteína animal em pastagen

Fazendo as contas + A reação a PEC + Novo partido de Bolsonaro + Presente de grego

Fazendo as contas + A reação a PEC + Novo partido de Bolsonaro + Presente de grego

Fazendo as contasHá uma enorme taxa de analfabetismo funcional no Brasil, sempre ignorada – provavelmente por vergonha. Aprender a desenhar o nome

Proteger o futuro + Só promessas + Pagando o pato + Pacto federativo + O desmatamento

Proteger o futuro + Só promessas + Pagando o pato + Pacto federativo + O desmatamento

Proteger o futuroTudo passa e um dia o governo Bolsonaro também passará, não importa como cada polo tente defini-lo. Mas será impossível não reconh