Porto Velho (RO) terça-feira, 19 de junho de 2018
×
Gente de Opinião

Opinião

WILLIAM MARTINS DESNUDA JUDICIÁRIO EM LIVRO


WILLIAM MARTINS DESNUDA JUDICIÁRIO EM LIVRO - Gente de Opinião

William Haverly Martins,  polêmico colunista deste site, lançou, esta semana, Réu do Sexo, mais uma obra de sua lavra. Desta feita, um romance em que literalmente desnuda o judiciário local com sua prosa sem censura. Mas, calma, o autor foi claro ao dizer, logo no início do livro,  que tudo que escreveu sobre amores, traições, armações, conchavos,  inconfessáveis pecados de alcovas e morte de envolvidos na trama é ficção.

A despeito dessa ressalva, Réu do Sexo está incitando a imaginação daqueles que já leram o livro.  Há quem jure que conhece “pessoalmente” alguns personagem que protagonizam o romance. Isso era de se esperar por ser a obra ambientada em nossa cidade. Uma coisa é certa: se desde agora está dando o que falar, muito mais dará quando mais leitores a leem.

Segundo o procurador da República Reginaldo Trindade, o romance é “ardente, sensual, trágico, cômico, coloquial (sem descer a baixarias) e tristemente real”. O juiz federal Dimis Braga, que prefaciou a obra, destaca o estilo literário do autor e sua formação intelectual.

Réu do Sexo, 301 p., Temática Editora,  está sendo vendido na Livraria Central, na Av. Carlos Gomes, em frente ao Colégio Classe A,  por R$ 40,00.

Mais Sobre Opinião

 O que as cores nos ambientes falam para nós - Por Elisa Fraga

O que as cores nos ambientes falam para nós - Por Elisa Fraga

Artigo assinado pela arquiteta e urbanista Elisa Fraga, da Guel Arquitetos

Renato Janine Ribeiro: “presidência da República perdeu o respeito da sociedade”

Para o ex-ministro Renato Janine Ribeiro "parte — substancial — da crise que estamos vivendo hoje é o fato de que a presidência da República e seus mi

“Se não fizermos nada haverá cada vez mais desigualdade”

“Se não fizermos nada haverá cada vez mais desigualdade”

Em vários países da OCDE apenas uma em cada quatro pessoas que procuram trabalho recebe algum subsídio, diz Herwig Immervoll, chefe de Políticas Socia