Porto Velho (RO) terça-feira, 20 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

Tudo Pela Ordem


Tudo Pela Ordem  - Gente de Opinião
Luciana Oliveira


Encerrada a disputa eleitoral que elegeu a nova Direção da OAB/RO para o próximo triênio, cumpre a mim agradecer o apoio recebido de todos aqueles que depositaram sua confiança e voto na Chapa ‘OAB Ativa – 12’, que se propôs abrir uma séria discussão sobre os destinos da nossa Seccional, num momento em que se imaginava que a eleição seria decidida em chapa única.

O lançamento do meu nome à presidência encorajou os colegas que abriram dissidência na atual gestão e lançaram a terceira chapa, ampliando ainda mais o debate.

Caso não surgisse minha candidatura, a eleição seria com chapa única e só por isto me dou por muito feliz e satisfeito.

A primeira matéria que enviamos à imprensa dizia que a OAB/RO não deveria se furtar ao debate, por isso nos propomos discutir um novo modelo de Ordem que fosse plural, combativo e independente, que dialogasse com a sociedade, que se preocupasse com a ordem jurídica, com os direitos fundamentais, com os direitos sociais do nosso povo e com os pobres e excluídos da nossa sociedade de consumo.

Na outra ponta, vislumbramos como principal desafio a restauração do prestígio profissional da classe com o enfrentamento da enorme demanda reprimida no campo do exercício profissional.

Da divergência inicial com o modelo institucional de Ordem levada a efeito pela atual direção da Instituição somaram-se notícias sobre a catastrófica gestão administrativa da atual direção que foi reeleita por ampla maioria.

Saímos desta disputa bem maiores do que entramos. O grupo de colegas por nós articulados e organizados demonstrou coragem e determinação diante de um adversário infinitamente mais poderoso e organizado, pois estava em campanha havia três anos. Fizemos muitos amigos e formamos uma comunidade ousada, fraterna e solidária que seguirá unida e vigilante na defesa da Ordem que precisamos.

Meus colegas da Chapa 12 foram tão heróicos quanto audaciosos e cada um deu o seu melhor para obtermos os resultados que tivemos, de modo que agradeço imensamente cada um de vocês meus grandes compatriotas.

Agradeço também com distinção todos os amigos e colegas que tanto contribuíram com nosso Projeto mesmo não fazendo parte da chapa. Vocês foram valorosos e fundamentais.

A partir desta eleição temos uma nova Ordem, que nada tem a ver com aquela Ordem de Heitor Magalhães, de Pedro Origa Neto, de Hiram Marques, de Odair Martini, de Orestes Muniz e de Hélio Vieira. Uma Ordem eminentemente jovem, focada numa liderança frágil e midiática e que não conhece o histórico de combatividade e independência desta Seccional.

Singrei o Estado de Rondônia de ponta a ponta e pude constatar que as bases de apoio de então dirigentes como Orestes Muniz e Hélio Vieira haviam sido cooptados em sua quase totalidade pela atual direção, de sorte que foi muito difícil transpor os inimagináveis obstáculos que tive pela frente, o que não abalou uma única grama minha valentia em prosseguir, levando nossa mensagem e nossas propostas, conversando com colegas da maioria dos municípios do Estado.

Descobri melancolicamente que são raros os tais ‘eleitores qualificados’ e ‘bem informados’ no seio da nossa Classe, pois muitos votaram pela reeleição em razão de tacanhos favores e risíveis benesses.

Fiquei ainda mais estarrecido ao constatar que temos no seio desta classe tão aguerrida, tão preparada intelectualmente e tão crítica, verdadeiros currais eleitorais, onde um colega tem que pedir permissão ao líder do município para participar de um jantar ou de um almoço de campanha. É a versão sofisticada do retrógrado coronelismo dos grotões.

Nada disso, porém, foi suficiente para abalar minha firme convicção de que a luta valeu muitíssimo à pena. Entreguei o serviço que me foi confiado por aqueles que me convocaram para esta missão. Lutei como um bom soldado, conheci muitos colegas cuja assustadora intrepidez me emocionaram, colegas que levaram nossa campanha sozinhos em alguns municípios e bradavam com tanta convicção, como se estivessem com um Maracanã inteiro ao seu lado pedindo votos para a Chapa 12.

Fiz novos, muitíssimos e especialíssimos amigos em Porto Velho, minha amada Aldeia, assim como em todos os municípios por onde passei. Voltarei em cada um deles para agradecer pessoalmente a confiança que me foi depositada, mesmo naqueles onde tive apenas um voto.

Faço uma saudação especial ao amigo Juacy Loura Júnior, que teve a coragem de pilotar a terceira chapa, ampliando ainda mais o processo democrático da nossa Seccional, assim como todos os colegas que o acompanharam nesta empreitada.

Deixo claro que confio na Democracia como valor universal. Sei perder, porque perder faz parte de todo processo democrático. Sei também, como Mandela e Mujica, transformar derrotas em futuras vitórias.

Para quem tiver alguma dúvida, repito, saio desta campanha muitíssimo feliz com tudo que nos ocorreu e deixo um beijo enorme no coração de cada um que comigo caminhou neste Projeto nos últimos noventa dias.

Por fim, não poderia deixar de agradecer a assessora e pessoa mais especial de todas e que foi responsável pela belíssima estratégia de marketing eletrônico da nossa campanha, minha esposa Luciana Oliveira. Grande beijo meu Amor. Sabes que estamos felizes e prontos para a próxima empreitada em defesa do processo civilizatório do nosso planeta.

Não vamos nos dispersar.

Não vamos abandonar a Ordem que queremos.

Não vamos abandonar a Ordem que precisamos.

Ernande Segismundo - advogado

Mais Sobre Opinião

Meu cargo, minha vida

Meu cargo, minha vida

Bolsonaro se revelou um profundo conhecedor da natureza humana

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.

Feliz dia de quem matou os pais!

Feliz dia de quem matou os pais!

Dia em que Suzane von Richthofen e Alexandre Nardoni estão de férias da prisão.

Brasil,  192 anos dos Cursos  Jurídicos  Salve o dia 11 de agosto, dia dos advogados

Brasil, 192 anos dos Cursos Jurídicos Salve o dia 11 de agosto, dia dos advogados

O Brasil, último país a acabar com a escravidão tem uma perversidade intrínseca na sua herança, que torna a nossa classe dominante enferma de desigual