Porto Velho (RO) terça-feira, 20 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

Tribunais Demais; Justiça de Menos!


O Brasil vive de reforma de lei. A cada novo governo eleito, a discussão na mídia gira em torno das reformas "essenciais". A cantilena é repetida em outras pastas do governo, mas no Judiciário é constante e sob as mesmas alegações.

As privatizações já foram a solução do atraso. Só entregaram os bens públicos ao setor privado, ao limite da responsabilidade. O problema das más administrações seria o curto prazo dos mandatos. A solução seria a reeleição, que agora é o problema. Na Justiça, há duas décadas a Constituição Federal criou o Superior Tribunal de Justiça e os tribunais federais. Há mais tempo, eram as varas especiais. Depois, seriam os tribunais de pequenas causas. E assim uma alternativa paliativa atrás da outra. O cerne da questão nunca foi nem é atacado.

Seria necessário repensar o servidor da Justiça. A percepção interna de que a justiça só alcança os da linha de baixo deixa o servidor desmotivado, entristecido, alienado e cúmplice de superiores incapazes. A briga fica apenas em alcançar um cargo comissionado a qualquer custo. Falta um foco, uma meta a ser alcançada através de métodos funcionais claros.

A informatização em processo constante de atualização tecnológica, com o conseqüente aprimoramento dos servidores, agilizaria o andamento dos processos. Por exemplo, criar um programa que indexe prazos e ritos, para que um ato somente possa ser realizado após o antecedente necessário. E no âmbito institucional, cobrar a modificação das leis pontuais, para evitar pacotes generalizados e ineficientes. Já não se fala mais no excesso de recursos. E indagações como as juntadas, as certidões dentro dos autos de responsabilidade do próprio órgão, que, se houver falhas, são retiradas junto às peças juntadas ou certificadas.

Definir a competência dentre as várias "justiças" especiais tem sido o maior causador de morosidade nos julgamentos. Ainda, assim, um parlamentar apresentou projeto de lei para criar mais um tribunal específico para julgar administradores públicos.

A briga pelo foro privilegiado e as estatísticas comprovam que este só serve à impunidade. Deve estar nesse projeto que a escolha dos futuros juízes será atribuição dos futuros réus. Definitivamente, quanto mais se criam órgãos, e não se investe na otimização de serviços, nunca sairá dessa bola de neve destinada propositalmente a aprofundar a morosidade e conseqüente impunidade.

Pedro Cardoso da Costa

Mais Sobre Opinião

Meu cargo, minha vida

Meu cargo, minha vida

Bolsonaro se revelou um profundo conhecedor da natureza humana

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.

Feliz dia de quem matou os pais!

Feliz dia de quem matou os pais!

Dia em que Suzane von Richthofen e Alexandre Nardoni estão de férias da prisão.

Brasil,  192 anos dos Cursos  Jurídicos  Salve o dia 11 de agosto, dia dos advogados

Brasil, 192 anos dos Cursos Jurídicos Salve o dia 11 de agosto, dia dos advogados

O Brasil, último país a acabar com a escravidão tem uma perversidade intrínseca na sua herança, que torna a nossa classe dominante enferma de desigual