Porto Velho (RO) sábado, 17 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

Temer quer cidadãos de segunda categoria com reforma da Previdência


Gente de Opinião

Reduzir os benefícios previdenciários dos mais pobres, aqueles cuja renda per capita é inferior a 25% do salário mínimo, como propõe Temer, é uma perversidade sem tamanho.

A nossa Constituição, chamada por Ulisses de Constituição cidadã, estabeleceu que todos recebam ao menos o salário mínimo de benefícios.

Na década de 90, isso foi regulamentado e acabou com enormes injustiças, porque naquele período havia milhões de trabalhadores que ganhavam esse valor: meio salário mínimo! Eram tratados como cidadãos de segunda categoria.

Com a regulamentação baseada na Constituição cidadã, tornou-se obrigatório o pagamento de ao menos um salário mínimo. Com Lula, o salário mínimo foi valorizado e essas pessoas passaram a ter renda mais decente.

Isso sempre provocou ranger de dentes por parte de alguns, que reclamavam de os trabalhadores rurais receberem um SM "sem terem contribuído para isso", era o que alegavam.

Da mesma maneira, rangiam os dentes para o fato de pessoas idosas ou com deficiência também terem assegurado benefício de um salário mínimo.

Mas sempre foi uma minoria que reclamava, a imensa maioria da nossa sociedade considera isso uma questão de justiça, de cidadania. Custo a crer que haverá maioria no Congresso Nacional para aprovar essa perversidade. Na sociedade com certeza não há.

Gente de Opinião

Gleisi Hoffmann / Senadora pelo PT do Paraná.
Foi diretora financeira da Itaipu Binacional e Minis

Mais Sobre Opinião

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.

Feliz dia de quem matou os pais!

Feliz dia de quem matou os pais!

Dia em que Suzane von Richthofen e Alexandre Nardoni estão de férias da prisão.

Brasil,  192 anos dos Cursos  Jurídicos  Salve o dia 11 de agosto, dia dos advogados

Brasil, 192 anos dos Cursos Jurídicos Salve o dia 11 de agosto, dia dos advogados

O Brasil, último país a acabar com a escravidão tem uma perversidade intrínseca na sua herança, que torna a nossa classe dominante enferma de desigual

Vagalumes nas trevas

Vagalumes nas trevas

Mas as trevas não são absolutas: há estrelas, há vagalumes, há réstias de luz