Porto Velho (RO) segunda-feira, 19 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

Sinal Fechado pra Cultura


 Sinal Fechado pra Cultura - Gente de Opinião
 
Altair Santos (Tatá)


Não bastasse as quase duas sofridas décadas de espera, muitos enredos, várias tramas, eis que da coxia da má vontade surge um novo ator, o Secretário Municipal de Trânsito da capital adentrando a cena como o novo astro a brilhar na história desse vai não vai do nosso (será que é nosso?) Teatro Estadual. De novo não temos teatro! E agora a coisa é pior.

Se antes não o tínhamos porque a obra se arrastou por quase vinte anos, agora é porque, em que pese ele estar lá, de pé, erigido, visível aos olhos, a nada invejável superior ciência dos insensíveis e inquisidores da cultura local diz que ele está ilegal, na contramão da contrapartida, no sentido sonegador da mitigação. Ou o Governo do Estado paga 270 mil reais que segundo o Senhor Carlos Gutemberg são compensatórios em favor do Fundo Municipal de Trânsito ou nada de habite-se e necas de alvará... E aí, mais um sinal fechado pra cultura.

A coisa, embolada, suscita a reflexão sobre o que seja a importância de um teatro técnica e esteticamente para uma cidade e para um estado, diante do poder de mando e da imposição de um funcionário público desses! Resposta: NADA!

Sem dar conta do trânsito da capital pioradamente esfrangalhado a cada dia, aí se nos vem o todo poderoso secretário de trânsito e aciona a placa de stop nas ventas da comunidade cultural, fazendo ecoar direta e negativamente contra o interesse comum uma pendenga que atende pelo nome ou valor de 270 mil reais e, sobre a qual, sequer, ao certo, se sabe da sua valia ou não. Se procedente, que, de ma forma ou outra, regularizem logo, isso não são cifras que façam estagnar interesses importantes e elevados como a cultura, pena que muitos assim não entendem e nem querem.

A existência do Teatro Palácio das Artes Rondônia, a sua funcionalidade, a sua estruturação, devia ser objeto do agudo interesse de parte a parte, em vê-lo útil e servível à cultura de nossa cidade e do nosso Estado.

A mão estendida pelo Governo de Rondônia, acudindo a municipalidade nos seus infindáveis perrengues urbanos na capital, bem poderia se traduzir na minimização dos impactos burocráticos e de pouca vontade, num cordial aceno para a cultura com a habilitação definitiva do Teatro. Como o tema cultura e os inegáveis valores sociais a ela agregados foge da obviedade expressa na curta audição, na quase total falta visão e na estampada insensibilidade tátil de uns tantos donos ou mandões de tudo, haveremos, pelo visto, vez por outra dar de cara com o sinal fechado.

No próximo dia 24, em nossa idade, se apresentará um grupo de bailarinos do Ballet Nacional da Rússia que vem pela primeira vez a América Latina. O evento será numa casa de shows da cidade haja vista o nosso mais específico espaço para este fim, o Teatro Palácio das Artes Rondônia, para muitos ter valia nenhuma. Por favor, vamos liberar o teatro!!!

tatadeportovelho@gmail.com

Mais Sobre Opinião

Meu cargo, minha vida

Meu cargo, minha vida

Bolsonaro se revelou um profundo conhecedor da natureza humana

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.

Feliz dia de quem matou os pais!

Feliz dia de quem matou os pais!

Dia em que Suzane von Richthofen e Alexandre Nardoni estão de férias da prisão.

Brasil,  192 anos dos Cursos  Jurídicos  Salve o dia 11 de agosto, dia dos advogados

Brasil, 192 anos dos Cursos Jurídicos Salve o dia 11 de agosto, dia dos advogados

O Brasil, último país a acabar com a escravidão tem uma perversidade intrínseca na sua herança, que torna a nossa classe dominante enferma de desigual