Porto Velho (RO) domingo, 25 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

Rondônia devia receber os sírios


Rondônia devia receber os sírios - Gente de Opinião 

Professor Nazareno*

A atual crise dos refugiados tem assombrado a Europa e o mundo. Centenas de milhares de homens, mulheres e crianças fugindo desesperados de seus países cruzam o mar Mediterrâneo e chegam ao velho continente em busca de uma vida melhor. Líbia, Tunísia, Afeganistão, Iêmen, Iraque e principalmente a Síria são os países onde se origina esta diáspora moderna. A Síria está mergulhada em uma sangrenta guerra civil ainda remanescente da Primavera Árabe e que já dura quase cinco anos. Mais de dois milhões de pessoas já fugiram do país. Estima-se que quase 200 mil já morreram. O conflito envolve várias facções. Menor do que o Estado de Rondônia (tem 185 mil km quadrados contra 237 mil do nosso Estado) e com uma população dez vezes maior, a Síria poderia mandar parte de seus habitantes para se refugiar em terras karipunas.Rondônia devia receber os sírios - Gente de Opinião

Esses refugidos não sentiriam nenhuma diferença ao chegarem aqui. A fumaça das criminosas e permitidas queimadas daria inicialmente aos visitantes a impressão de que está havendo constantes bombardeios aéreos em nosso Estado, fato com o qual eles já estão bem acostumados. Aleppo e Damasco, principais cidades sírias, estão em destroços. Quase nada ali funciona direito. O caos é generalizado. Falta água potável, saneamento básico, há muitas obras inacabadas, faltam médicos e os hospitais lotados com pacientes esparramados pelo chão lembram até o “açougue” João Paulo Segundo. “Pronto, estamos em casa! Tudo aqui nesse tal de Porto Velho lembra nossas cidades”, devem dizer os eufóricos e já felizes visitantes. A capital das “sentinelas avançadas” não está em guerra, mas a sua infraestrutura lembra a de um país arrasado por combates.

Alguém pode até reclamar dos visitantes por causa de sua religião, o Islamismo, considerada erroneamente por muitos como sendo uma fé muito retrógrada, alienante, radical e conservadora. Se for por isso, em Rondônia eles estão realmente em casa. O nível de consciência política dos nossos eleitores é de fazer inveja a qualquer ditadura teocrática do mundo. E o que não faltam em terras rondonienses são líderes religiosos que se metem na política, com o apoio irrestrito de suas ovelhas, para afundar de vez o Estado. A gente até negociaria com eles: uma semana se governa usando a Bíblia, na outra, usando o Alcorão. Cristo e Maomé se tornariam amigos por causa de Rondônia. E como Porto Velho e as cidades sírias são sujas e imundas, a estadia dos árabes por aqui seria fácil. A culinária, sem problemas. Nossas gororobas são das “mil e uma noites”.

A língua, claro, não seria obstáculo. O feio e horroroso sotaque daqui seria facilmente entendido por qualquer pessoa. Já do ponto de vista político eles não vão estranhar muita coisa também. Na Síria, eles têm um presidente, Bashar al-Assad, que não faz absolutamente nada. Simplesmente não governa. E aqui alguém governa? Empatou, então. E como lá, ninguém daqui quer sair do poder de jeito nenhum. Largar o osso, jamais. Oposição, nunca existiu. Mas e o Estado Islâmico? Ora, nós temos um aqui que é muito pior e mata mais gente do que o deles: é a Assembleia Legislativa do Estado, que junto com a Câmara de Vereadores de Porto Velho, transformam a vida dos cidadãos inocentes num inferno. Esse tal de EI é fichinha. As autoridades daqui deviam entrar em contanto com a ACNUR para solicitar a entrada de milhões de refugiados em nossas fronteiras. Já pensou eles dançando Boi no Flor do Maracujá e comendo tacacá?


*É Professor em Porto Velho.
 

Mais Sobre Opinião

A fogueira das vaidades

A fogueira das vaidades

O que até agora era bravata, “não é insulto, é o jeito dele”

O bom do silêncio

O bom do silêncio

Bolsonaro disse que não adianta exigir dele a postura de estadista, por que não é estadista.

Meu cargo, minha vida

Meu cargo, minha vida

Bolsonaro se revelou um profundo conhecedor da natureza humana

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.