Porto Velho (RO) quinta-feira, 22 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

Reforma política? façamos primeiro a da educação



Cláudio Uchôa (1) 

                        Neste final de semana já conheceremos a composição do Legislativo Estadual e Federal. No tocante aos chefes do Poder Executivo, inclusive para escolha do Chefe de Estado Maior da Nação, com certeza teremos que aguardar o desfecho do segundo turno.

                        Pois bem, fala-se em Reforma Política, para alguns, uma questão de honra, para que se possa promover as mudanças e avanços necessários ao bom crescimento político, social e econômico do Brasil.

                        Mas antes de falarmos em reforma política temos que refletir sobre a reforma educacional. Acredito, respeito quem não concorda, que a verdadeira reforma política será resultado/fruto de uma sociedade educada e, assim, politizada. Temos uma realidade que não pode ser colocada de lado: O ensino público é carente de meios que realmente forgem o senso e espírito e cidadania de patriotismo nos nossos jovens.

                        Não é ser saudosista, mas, face à situação da sociedade, a cada dia mais e mais distanciada de valores morais mínimos, temos de ser realistas. Por isso defendo que disciplinas que ajudavam neste processo de formação foram abandonadas, dentre elas tínhamos: OSPB e EDUCAÇÃO MORAL E CÍVICA. Vejamos o retrocesso que a modernidade (será da nova pedagogia ou há algo mais por detrás disso?) tem causado para a qualidade do ensino público.  Não tenho notícias de alunos cantando o hino nacional antes do início das aulas, coisa comum antigamente, e, diga-se de passagem, neste “antigamente” leia-se “ontem”.

                        Quando o Estado realmente formar cidadãos conscientes dos seus direitos e deveres, aí poderemos começar a pensar em reforma política, até porque só através da Educação, e isso está provado em outros países que já passaram pela situação brasileira, mas tiveram coragem para enfrentar o problema, o que não tem sido o nosso caso. O descontentamento da população brasileira para com a classe política é visível, em qualquer lugar formal ou informal é fácil para qualquer pessoa aferir o grau de decepção da sociedade para com seus “representantes”.

                        Então, quando os cidadãos estiverem preparados e aptos para o exercício da verdadeira e consciente cidadania, saberão escolher melhores representantes, escolherão pessoas imbuídas do senso republicano de fazer o melhor “pelo povo para o povo”, (*) frase já gasta pelos nossos políticos mas que nunca é praticada. Só com a prática do enunciado que repete frase será possível mudar. Mas para isso é fundamental que mudem a consciência política do cidadão eleitor para que os nossos representantes entendam melhor quais as nossas necessidades e aí poderão propor projetos de leis que realmente atendam ao interesse da coletividade.

                        Isto tudo para dizer que a reforma política tão falada, discutida e – sem qualquer dúvida – necessária, começa quando o cidadão conhece seus direitos e deveres e avança quando o eleitor sabe escolher representantes para o Parlamento Municipal, Estadual e Federal que estejam comprometidos com a sociedade que os escolheu para representá-la.

                        Convido todos os cidadãos para discutirmos e falarmos, sim, sobre política, pois aquele que não discute, não estuda e não procura entender a política permite que pessoas nefastas alcancem o Poder e nos representem e nos governem, e nesse período de trevas podem ocorrer prejuízos irreparáveis que causem consequências negativas irrecuperáveis por longo tempo.

                        Fica a dica: “quando convidamos alguém para ir à nossa casa procuramos ter o maior cuidado, pois eu rogo a todos, tomem a maior precaução possível ao escolher um representante e um governante, pois depois que nós os colocamos lá, caso eles não atendam nossas expectativas, teremos que esperar longos, sombrios e tenebrosos quatro anos, que poderão parecer uma eternidade.

                        Então gritemos com força: “somos brasileiros...”

(*) Discurso de Gettysburg é o mais famoso discurso do presidente dos Estados UnidosAbraham Lincoln

Cláudio Uchôa

Uchoa.dir@gmail.com

Mais Sobre Opinião

O bom do silêncio

O bom do silêncio

Bolsonaro disse que não adianta exigir dele a postura de estadista, por que não é estadista.

Meu cargo, minha vida

Meu cargo, minha vida

Bolsonaro se revelou um profundo conhecedor da natureza humana

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.

Feliz dia de quem matou os pais!

Feliz dia de quem matou os pais!

Dia em que Suzane von Richthofen e Alexandre Nardoni estão de férias da prisão.