Porto Velho (RO) sexta-feira, 23 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

Rancho da saudade - Montanha e Praense



Geraldo Grande da Silva, (MONTANHA), nascido 14 de fevereiro 1960 na cidade de Monte Azul, Minas Gerais. Seus pais que moravam no estado do Pernambuco, foram de mudança para o Paraná, e durante a viagem passaram por Minas Gerais, onde nasceu Geraldo, seguiu viagem recém nascido com os pais para o Paraná, mais precisamente para a pequena cidade de Paiçandu, hoje já emendada com Maringá no norte do Paraná. Assim que se instalaram na cidadezinha o pai de Geraldo foi embora, abandonando a mulher, e os filhos Geraldo de três anos e sua irmã com apenas um ano de idade. Sendo assim sua mãe, por falta de recursos decidiu ir morar com a mãe e irmãs no sitio, onde viviam exclusivamente da agricultura, e foi ali que Geraldo passou sua infância, ali naquele ambiente sertanejo veio adquirir responsabilidade assumindo maturidade muito cedo.  Aos 10 anos a família se mudou para o patrimônio de Vidigal próximo a Cianorte ainda no estado do Paraná, onde concluiu o 1º grau escolar.

Geraldo sofreu muito por ser um filho sem a presença do pai cresceu  acompanhando o sofrimento de sua mãe e irmã que ao chegar com a família em algumas fazendas para trabalhar, onde havia uma perspectiva de vida melhor, e um salário mas digno a família não podia se instalar por que havia na família  uma mulher sem marido, conviveu toda a sua infância com esse preconceito. Aos 12 anos de idade foi internado no seminário instituto de Padre Dhelton, um seminário dirigido pelos padres capuchinhos em Curitiba PR, onde aprendeu a tocar violão e descobriu que esse era um dos seus dons, e que não tinha vocação para ser padre. Geraldo, Dono de uma bela voz começou animando quermesses nos bairros da região onde morava e na escola onde estudava. Aos 17 anos de idade se casou e mudou pra são Paulo Capital, logo que chegou conseguiu um trabalho, de vendedor de livros e viajava para vender em outras cidades de porta em porta, vendendo livros e o Baú da Felicidade de SILVIO SANTOS, porém sempre cantando em um lugar ali outro aqui, por hobby. Geraldo e sua esposa formaram uma família, e desse casamento que durou 27 anos tiveram três filhos, hoje já todos casados.

 Sua primeira experiência na música, foi em 1980 com Paulinho onde cantavam em barzinhos e festas que eram convidados, a dupla era conhecida por Geraldo e Paulinho, mais tiveram um curto período juntos, e não chegaram a gravar nenhum disco. Geraldo então deixou seu sonho um pouco de lado e foi trilhar outros caminhos, conseguiu entrar na Policia Militar de São Paulo, onde ganhou dos colegas de batalhão o apelido de Montanha, ficou na polícia por apenas 2 anos, e então pediu baixa na polícia militar e foi tentar novos rumos, já que não se adaptou muito bem ao regimes militar. Logo em seguida conheceu Joaquim Maia, dono de uma madeireira onde o mesmo lhe ofereceu trabalho pra ser vendedor de madeira. Em 1985, Joaquim e Geraldo começaram a cantar e montaram uma dupla e uma casa de shows, com o nome da dupla J MAIA E MONTANHA, se apresentavam todos os fins de semana e gravaram um LP em 1992. A dupla seguiu carreira viajando e fazendo shows por todo brasil. MONTANHA trabalhou ainda como locutor nas rádios: Difusora Oeste de Osasco AM, Rádio Imprensa FM, Rádio São Paulo FM, Rádio Terra AM e FM. Em 2009 entrou para o mundo do rodeio como locutor, narrando inclusive a final do Barretos Jr, narrou o rodeio de São José do Rio Preto entre outros. Proprietário da casa de shows CLUBE MONTANHA DANÇAS, situada no bairro da Freguesia do Ó, desde 1985 é referência na categoria diversão pública. Empresário de nome no ramo de casas noturnas, Montanha é um típico caipira, fã de música sertaneja e de nomes com, Tião Carreiro e Pardinho, Peão Carreiro e Praense, Milionário e José Rico. No ano de 2012, abriu as portas do Clube Montanha Danças para gravar o programa de televisão ELIANE CAMARGO, a apresentadora e o produtor de TV Renato, foram grandes incentivadores, para que Montanha volta se para o meio da música, cantando e gravando um novo trabalho. Sendo assim com todos em sua volta o apoiando “Montanha”, decidiu a gravar um CD e convidou vários amigos como Joel marques, Alcino Alves, Sandro, Marcelo, Tiãozinho, João Gustavo e entre eles também, Praense de quem sempre foi muito fã. Tamanho sucesso com esse CD, onde as músicas mais pedidas nas rádios eram sempre as gravadas com Praense, viajando, e visitando rádios e programas de televisão por todo brasil, acompanhado até então do companheiro de algumas músicas do primeiro CDMONTANHA E AMIGOS. Surpreenderam se com a aceitação do público, A Música Pirracenta de composição de MONTANHA E PRAENSE teve mais de 6.020 acessos no Youtube, em pouco tempo postado, e foi ai que se formou a dupla MONTANHA E PRAENSE, que vem ai trazendo nesse novo trabalho só modão e composições inéditas da dupla.

José Dercídio dos Santos "Praense", Nasceu em 06 de Julho de 1943, na cidade de Cambê, estado do Paraná, ainda criança mudou-se para uma cidadezinha chamada Aparecida D..oeste, onde logo apreendeu a tocar violão e cantar alguns sucessos de época era fã de Tião Carreiro e Pardinho, Zico e Zeca, Zilo e Zalo, Zé Fortuna e Pitangueira, enfim, dos artistas que eram destaque, foi nessa mesma época que Praense descobriu que além de tocar e cantar também tinha talento para compositor. Após ter morado algum tempo em Aparecida D..oeste mudou-se para Cianorte-Pr, onde formou a primeira Dupla com a qual apresentou pela primeira vez na Rádio Porta Voz de Cianorte teve então pequena passagem por lá, pois seu sonho era atingir outros Horizontes, rumo então a Londrina maior Cidade do Norte do Paraná, já levando consigo lindas Composições que fizeram, maios tarde o grande nome Praense, suas músicas foram gravadas por artistas novos e por grandes estrelas como Leôncio e Leonel, Tião Carreiro e Pardinho, Mensageiro e Mexicano, Chitãozinho e Xororó, Milionário e José Rico, César e Paulinho e Outros. Em 1975, participava oficialmente da Rádio Difusora de Londrina, apresentado pelas ondas, curtas, médias e longas. Era uma linha sertaneja semanal de grande audiência apresentada às 20:30 às 22:30 horas que atingia até a Região de Assuncion no Paraguai, nesse programa só se apresentavam duplas de talento além do Ado e Praense. Havia também Milionário e José Rico, Juliano e Jardel, Etc. Esse programa Chegou os ouvidos do Diretor da gravadora Cerro Corá e um pela Continental do Brasil, surge então a dupla Peão Carreiro e Praense que lançou o seu primeiro LP pela RGD com o Título: Compositores em Dueto, foram sucesso nacional com a Música NOSSO DILEMA de autoria da dupla, isso em 1978, em 1970 gravaram pela CBS, produzidos por Horácio Faustino e nesse ano obtiveram ainda maior sucesso com a Música PAREDE DE MEIA também de autoria da dupla, 1981, à convite de Zé Bétio assinaram contrato com a Gravadora Copacabana onde gravaram o 3º LP produzido por José Homero e Ronaldo Adriano foi gratificante para a dupla que acabou estourando com a Música QUARTO VIZINHO ouvida a toda hora nos rádios e atingindo vendagem surpreendente, faziam parte da linha sertaneja Classe A, da Rádio Record com apresentação do saudoso José Russo duas vezes por semana. Em 1984 Surgi o 4º LP com o Titulo A VOLTA, titulo esse com homenagem ao retorno da dupla que estivera temporariamente separada, esse, como os outros trabalhos foram bem aceitos pelo publico, sendo que os maiores destaques por volta da músicas, A FUNCIONÁRIA, AMOR ESCONDIDO e SONHO FALADO, todas de autoria do PRAENSE, essa parceria durou de 1978 á 1984. Em 1985 fez dupla com o Pinhalão, gravaram dois LPs, dupla essa também de grande sucesso e que durou até 1987. A essa época, Praense já estava consagrado como compositor tento 700 composições gravadas e com alguns sucessos nas vozes de grandes intérpretes: ESPINHO NA CAMA, TCHAU AMOR, AVIÃO DAS NOVE, MENSAGEM DO ALÉM, ESQUECIDO, SONHO ALTO, CASA DOS PRAZERES, DOCE AMADA, QUARTO VIZINHO, ETC. Em 1989 nasce outra parceria desta vez com um rapaz de otima referência e belissima Voz PEÂO DO VALE e PRAENSE gravaram pela RGE, gravaram depois pela Tocantins mais dois LPs, infelizmente essa também se desfaz pois o parceiro tinha outras atividades no estado do Paraná que o impedia de Viajar constantemente. Em alguns momentos PRAENSE, pensou até em parar de cantar e Viver apenas de compor, mas qual o que? Cantar faz parte de sua vida e mais um vez forma dupla com o PINHALÂO, mas uma vez não da certo pelo fato de seu parceiro ser um policial da ativa e não poder cumprir as viagens contratuais. Em 1998 Refaz a dupla com Peão Carreiro e Gravaram um CD pela gravadora Atração, infelizmente a essa época o Peão ja se encontrava bastante Doente e aquela bonita Voz, que sempre fez de suas interpretações grandes sucessos já não eram mais a mesma em 1999 o brasil perde uma bandeira da música sertaneja e o PRAENSE perde o parceiro. Chega o ano de 2000 e PRAENSE ainda tentou mais um CD com o PINHALÂO, mas desta vez colocou no PINHALÂO o pseudônimo de Peão. E assim nasceu a dupla Peão e PRAENSE, mas pela primeira vez o PRAENSE gravou um disco na gravadora que não botou fé no seu Trabalho e então a dupla Peão e PRAENSE acabou no primeiro CD. Em seguida no caminho do PRAENSE surgiu Carreiro Filho, o filho do Peão Carreiro, com a voz bem parecida com a do Pai. Com muito esperança as gravadoras Laser Records e Atração Lançaram a Dupla que veio para dar sequência ao estilo de Peão Carreiro e PRAENSE, assim surge a dupla Carreiro Filho e PRAENSE. Mas infelizmente a dupla Carreiro Filho e Praense também não passou do Primeiro CD.A Dupla acabou e o PRAENSE mais um vez sozinho pensou em encerrar a carreira como cantor Profissional, então iria ficar atoando só na Profissão de Compositor, mas, de repente, mudou de idéia pois o que ele nunca esperava e que um dos seus maiores amigos o convidasse para fazer uma Dupla. Mauro Cassapula e o nome do Amigo que nunca tinha feito dupla com ninguém antes, apesar de ser dono de uma bela voz, moço alegre simpático e muito otimista esses foram os requizitos suficientes para que o PRAENSE fizesse a 6º Dupla de sua Carreira. Agora Praense faz a 7ª dupla, que promete muito, pois o dueto ficou perfeito. Com vocês MONTANHA E PRAENSE.
 

Mais Sobre Opinião

O bom do silêncio

O bom do silêncio

Bolsonaro disse que não adianta exigir dele a postura de estadista, por que não é estadista.

Meu cargo, minha vida

Meu cargo, minha vida

Bolsonaro se revelou um profundo conhecedor da natureza humana

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.

Feliz dia de quem matou os pais!

Feliz dia de quem matou os pais!

Dia em que Suzane von Richthofen e Alexandre Nardoni estão de férias da prisão.