Porto Velho (RO) sábado, 24 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

Que papel para a mídia no debate sobre maioridade penal?


 

Por: Flávia Ribas

O papel dos jornalistas e da mídia no debate nacional sobre redução de idade da responsabilização penal foi um dos principais temas em discussão no primeiro dia de Seminário “ANDI 21 anos – A mídia brasileira e os direitos humanos: avanços e desafios” nesta terça-feira, 16 de junho, em Brasília.

A cobertura de baixa qualidade na mídia sobre a violência e o cumprimento das medidas socioeducativas, o acompanhamento raso do tema no Congresso Nacional e o posicionamento ideológico de alguns meios de comunicação foram alguns dos fatores relevantes para a formação de opinião pública mencionados pelos especialistas que compuseram o painel.

“Em geral, a imprensa tem coberto a maioridade e a questão de adolescente em conflito com a lei, com tendências ideológicas”, refletiu a jornalista Carolina Trevisan, ex-estagiária da ANDI e hoje repórter da Rede Jornalistas Livres e criadora do coletivo de mídia independente Ponte.org. A jornalista mediou o encontro, ressaltando o papel do jornalista na transformação da sociedade. “O bom jornalismo ainda é fundamental para as democracias, para os direitos humanos e de crianças e adolescentes”, lembrou Carolina.

Em sua fala, o jornalista e ex-diretor executivo da ANDI, Geraldinho Vieira, recuperou parte da história da ANDI e sua missão em apoiar os jornalistas a abordar temas como educação ou a redução da maioridade penal com uma visão que integra as políticas públicas e as soluções existentes para determinados problemas da sociedade. “Ainda hoje, isso para mim é o que pode motivar um jornalismo de qualidade”, disse Geraldinho. “SE em um determinado momento, o trabalho infantil é eliminado numa região e em outra cidade o problema continua, é porque está acontecendo uma omissão de políticas públicas. E essa omissão é mais difícil de investigar do que o simples fato de que existe trabalho infantil. A fricção entre o problema que existe e as soluções que já foram inventadas é a omissão. Aí você tem uma denúncia muito mais importante, que é a omissão de todos nós, enquanto jornalistas, enquanto sociedade, diante dos problemas”. Geraldinho lembrou que, a partir da experiência da ANDI no Brasil, a percepção de investigação social ganhou território em toda a América Latina.

Marcus Fuchs, ex-diretor de planejamento da ANDI, ressaltou que, apesar dos avanços conquistados na cobertura sobre adolescentes em conflito com a lei nas duas últimas décadas, é importante perceber como é difícil encontrar parceiros e financiadores para ações de incidência política em uma questão delicada como esta e indagou a plateia sobre que caminhos ainda podem ser traçados. “Se o Estatuto da Criança e do Adolescente colocou o Brasil na vanguarda, por que a cobertura do ato infrancional ainda está do jeito que está? O estatuto avançou e a cobertura em várias áreas avançou, mas os boletins de ocorrência não tanto. O que é que a gente precisa fazer para que essa pauta ganhe a pauta da cidadania?”.

Veet Vivarta, consultor associado da Rede ANDI América Latina, recuperou dados de uma pesquisa da ANDI de 2012, indicando que menos de 5% das matérias jornalísticas sobre violência ou a situação de adolescentes em conflito com a lei apresentavam ou citavam a existência de políticas públicas sobre o tema, ao contrário de um percentual de 60%, em matérias que tratavam o tema educação, por exemplo. O estudo analisou 54 jornais diários brasileiros entre 2006 e 2010. “A cobertura de baixa qualidade poder ser um dos fatores que contribuiu para a opinião pública favorável à redução da maioridade penal. E este é um tema que poderia ser resolvido, em tese, por capacitação de jornalistas”, alegou.

Nesse sentido, a CEO da Fundação Abrinq e conselheira do Conanda Heloísa Oliveira apresentou a plataforma www.maioridadepenal.org aos jornalistas. Este portal do movimento social contra a redução da maioridade penal tem o objetivo de informar e formar a mídia sobre o tema, com textos relevantes, guia de fontes sobre o assunto, dados estatísticos e informações sobre a tramitação das iniciativas de redução da maioridade penal no Congresso, incluindo a identificação de parlamentares e seu posicionamento nas discussões.

“Essa é uma questão que escapou ao controle do governo e dos movimentos sociais e, nesse momento, temos de recorrer a duas forças a que o político ouve e dá importância: o eleitor e a mídia”, disse Heloísa. “Enquanto a gente não chamar a atenção de que a violência não é uma questão de segurança pública, que é uma questão social, a gente não vai achar a solução para o problema.”, afirmou.

Marcelo Canellas, repórter especial da rede Globo e do programa Fantástico, apresentou uma de suas reportagens sobre o assunto, com denúncias de violações do Estatuto da Criança e do Adolescente, de condições precárias de internação de adolescentes no sistema socioeducativo e com histórias bem-sucedidas de adolescentes que foram reintegrados à sociedade. Ao abordar o papel do jornalista na cobertura deste e de outros temas delicados, afirmou: “Não existe mágica para a cobertura mais qualificada. Não existe outra maneira a não ser ter repórteres mais preparados, municiados de informação para se deparar com a realidade objetiva que a gente encontra de maneira caótica. Acho que o papel que a ANDI representa e o espaço que ocupa na criação de uma tecnologia de informação, abastecendo repórteres para o desvendamento das realidade, para raspar o verniz das aparências, é fantástico”, finalizou o repórter.

Acompanhe as atividades do Seminário nos perfis da ANDI no Twitter e no Facebook, com a hashtag #ANDI21ANOS.

O evento é uma iniciativa é da ANDI – Comunicação e Direitos em parceria com a Fundação Itaú Social, Fundação Maria Cecília Souto Vidigal e o Instituto C&A, com apoio da organização Artigo 19, Fundação Ford e do Intervozes – Coletivo Brasil de Comunicação Social. O patrocínio é da Petrobras. 

Fonte: ANDI

 

Mais Sobre Opinião

O bom do silêncio

O bom do silêncio

Bolsonaro disse que não adianta exigir dele a postura de estadista, por que não é estadista.

Meu cargo, minha vida

Meu cargo, minha vida

Bolsonaro se revelou um profundo conhecedor da natureza humana

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.

Feliz dia de quem matou os pais!

Feliz dia de quem matou os pais!

Dia em que Suzane von Richthofen e Alexandre Nardoni estão de férias da prisão.