Porto Velho (RO) domingo, 18 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

'PROGRAMAS ‘POLICIALESCOS’ VIOLAM NORMAS NACIONAIS E INTERNACIONAIS', DIZ JORNALISTA SUZANA VARJÃO


'PROGRAMAS ‘POLICIALESCOS’ VIOLAM NORMAS NACIONAIS E INTERNACIONAIS', DIZ JORNALISTA SUZANA VARJÃO  - Gente de Opinião

A coordenadora de Qualificação e Relações Acadêmicas da ANDI - Comunicação e Direitos (ex Agência de Notícias dos Direitos da Infância), Suzana Varjão, defendeu mais fiscalização sobre os programas de cunho policial em emissoras de rádio e TV do Brasil. Suzana denuncia que, pelo menos, 21 normas nacionais e internacionais no campo dos direitos humanos são desrespeitadas por essas emissões.

A constatação vem das pesquisas da ANDI, organização que monitora programas esse tipo de programa em diversos municípios do país. “Essas narrativas combatem a democracia, desrespeitam direitos, buscam formar uma mentalidade favorável à barbárie”, observa. Suzana aponta que as violações passam pelo desrespeito à Constituição Federal, que prevê a presunção de inocência. Os programas, explica ela, muitas vezes condenam alguém sem haver julgamento prévio. As violações, indica, chegam à esfera internacional. Suzana cita o Pacto de San José, tratado internacional de direitos humanos firmado em 1969. O Brasil é um de seus signatários.

O que o país precisa, acredita ela, não é de mais leis de regulamentação. Mas de fortalecimento da legislação que já existe. “O Estado tem que fiscalizar a concessão a rádios e TV’s. Existem agências reguladoras na Inglaterra, na França, países em que a comunicação é respeitada”, avalia. No Brasil, Suzana vê o oposto.

Na visão da também jornalista, outra alternativa para o quadro está no ensino superior. “O que se vê muito na universidade é esse debate em separado. A interseção é muito pequena nas universidades”, analisa. Ela se refere à discussão de direitos humanos e a realidade das redações de jornalismo.

Suzana cita que os debates promovidos pela ANDI Brasil adentro como exemplo de iniciativas que precisam ser tomadas para conscientizar a população sobre os direitos humanos. Ela critica os programas policialescos como “não jornalísticos, apesar de se apresentarem como tal”.

Fonte: Estadão / ANDI

Mais Sobre Opinião

Meu cargo, minha vida

Meu cargo, minha vida

Bolsonaro se revelou um profundo conhecedor da natureza humana

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.

Feliz dia de quem matou os pais!

Feliz dia de quem matou os pais!

Dia em que Suzane von Richthofen e Alexandre Nardoni estão de férias da prisão.

Brasil,  192 anos dos Cursos  Jurídicos  Salve o dia 11 de agosto, dia dos advogados

Brasil, 192 anos dos Cursos Jurídicos Salve o dia 11 de agosto, dia dos advogados

O Brasil, último país a acabar com a escravidão tem uma perversidade intrínseca na sua herança, que torna a nossa classe dominante enferma de desigual