Porto Velho (RO) domingo, 25 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

PRESENTE DE NATAL PARA RONDÔNIA



PRESENTE DE NATAL PARA RONDÔNIA - Gente de Opinião

Reginaldo Trindade

Gosto sempre de me referir a Cândido Mariano da Silva Rondon como “pessoa maior que a vida”, tal qual é definido, à semelhança do ex-presidente Theodore Roosevelt, no maravilhoso “O Rio da Dúvida”, de Candice Millard, onde se narra a secular epopeia de ambos pelas terras do Povo Cinta Larga.

Fico imaginando quantas pessoas, no Brasil e fora dele, poderiam receber um tal epíteto: maior que a vida! Ainda mais numa época tão carente de lideranças verdadeiramente comprometidas e com as maiores instituições brasileiras – o Planalto e o Parlamento – cada vez mais enlameadas.

Para não generalizar demais, fiquemos apenas com as pessoas que podem assumir a mais alta magistratura do Brasil em caso de vingar o pedido de impeachment: quais, dentre elas, poderiam ser assim apelidadas?

Num Brasil que reverencia tão pouco o seu passado e, menos ainda, seus heróis, virtude, serenidade e sabedoria parecem ter desaparecido completamente do cenário nacional.

Que o digam os shows de horrores, quero dizer, as sessões do Conselho de Ética da Câmara dos Deputados. Desaforos, palavrões e bofetadas são apenas o que de menos hediondo assistimos ali.

O Coronel Rondon, neto do Marechal da Paz, esteve nesta Capital recentemente e nos brindou com frase sua que bem expressa um conselho tão pouco seguido ultimamente, sobretudo no alto escalão “A riqueza de uns não virá às custas de outros”.

O descendente tão ilustre aqui esteve a pretexto da inauguração do Memorial Rondon – espaço maravilhoso que une história, mito, glória, patriotismo e todos os demais ingredientes que circundam a vida dos grandes homens.

Maquetes, fotografias cuidadosamente preservadas e selecionadas, filmes, tudo rigorosamente bem organizado fazem do espaço recém-inaugurado uma visita absolutamente imperdível para turistas e nativos.

Atrevemo-nos a dizer que, a despeito de sua recenticidade, o espaço já rivaliza com os grandes pontos turísticos do Estado; a ferrovia, o forte príncipe e a as três caixas d’água aí incluídos.

A exposição conta com fotos raras da família do herói nacional (sim, o Marechal Rondon é herói nacional, reconhecido inclusive oficialmente – Lei nº 13.141/2015), uma carta de Einstein e até com um posto telegráfico ainda em funcionamento!

Um genuíno presente de Natal para Rondônia.

Congratulemos, pois, a Memória Civelli, o Governo de Rondônia, a UNIR, o Exército e todos os bravos soldados que tanto lutaram para nos legar dádiva tão singular.

O maravilhoso museu teve uma inauguração à altura.

Dentre tantas passagens soberbas, a participação de Maria Cecília, outra neta de Rondon, foi absolutamente apaixonante e inspiradora.

A irmã Maria Cecília, do alto de seus mais de 90 anos, foi ousada, como ela mesma se definiu, pedindo a todos que dessem as mãos em sinal de união.

Assim irmanados, rogou que os presentes assumissem um compromisso de lutar pelos índios do Brasil – o que seu avô fez com tamanha entrega e dedicação; sempre com imenso sacrifício pessoal e familiar.

Naquela época, Rondon já compreendia, com nitidez, algo que mesmo hoje, passados cem anos, muitas pessoas relutam em aceitar: que os “brancos” é que são os invasores.

O Marechal da Paz viveu num tempo assim. Em que a virtude e o patriotismo eram exercidos verdadeiramente, não meramente vomitados por quem não possui nem uma, nem outro.

Machado de Assis, um de seus contemporâneos, dizia que “governa-se pelo presente, tem o porvir em pouco e o passado em nada ou quase nada”. Se nos tempos de Machado, Nabuco, Ruy Barbosa e Prudente de Morais já era assim, que dirá hoje, nos tempos de Dilma, Temer, Aécio, Cunha e Calheiros.

Hoje, governa-se pelo presente e para si mesmo. Quando muito para o clube dos companheiros – síntese em que se transformou uma coisa chamada partido político no Brasil.

O projeto de Brasil é substituído sem remorsos pelo projeto de poder. Para alcançar o poder vale qualquer coisa – da enganação e cinismo à roubalheira escancarada.

Mas os desencantos não podem nos acovardar. Devem, pelo contrário, alimentar nossa fome por mudança. Quanto maior for a desesperança a nos assaltar os corações, maior deverá ser nossa determinação.

Temos muito que aprender com a nossa história.

Visitemos o museu e o memorial. Revisitemos tudo que o Marechal da Paz nos legou. Cultivemos a virtude, o patriotismo, o sacrifício em prol de causas maiores, o respeito por nossos irmãos-índios, o amor pela paz.

Afinal, nós somos – ou deveríamos ser – quem nós fomos.


(Procurador da República. Responsável, no Estado de Rondônia, pela Defesa do Povo Cinta Larga desde abril/2004. Pós-Graduado em Direito Constitucional)

Mais Sobre Opinião

A fogueira das vaidades

A fogueira das vaidades

O que até agora era bravata, “não é insulto, é o jeito dele”

O bom do silêncio

O bom do silêncio

Bolsonaro disse que não adianta exigir dele a postura de estadista, por que não é estadista.

Meu cargo, minha vida

Meu cargo, minha vida

Bolsonaro se revelou um profundo conhecedor da natureza humana

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.