Porto Velho (RO) segunda-feira, 19 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

PMDB e as eleições de 2018



Gabriel Bocorny Guidotti
Bacharel em Direito e estudante de Jornalismo
Porto Alegre – RS
 
------------------------------
 
O Brasil anda sem comando. Em 2014, o povo elegeu Dilma Rousseff para o segundo mandato na presidência. Entretanto, a petista se mostra omissa. Fala pouco e quando fala liga o automático. Parece estar se escondendo da grave realidade que assola o país, em diversos segmentos, sobretudo o econômico. O custo de vida disparou. Subsistir está saindo muito caro. Quem sente mais é o trabalhador, cujo dinheiro enxugou no enfrentamento aos preços.
 
A fragilidade da presidente é acompanhada de perto pelos companheiros de chapa, o PMDB. Michel Temer e companhia – a ala que permanece mancomunada com o governo – fazem um jogo burocrático, atuando ora como situação ora como oposição. Trata-se de uma circunstância confortável, tendo em vista que Dilma, com os índices de reprovação subindo a velocidades febris, está na vanguarda da gestão. Institutos de pesquisas não medem a popularidade de vice-presidentes. A responsabilidade, portanto, está toda com o PT.
 
Três anos passam rápido. Para Dilma, é salutar que não se repita o ritmo histriônico registrado em 2015. Ela não suportaria a pressão. E o PMDB assumiria o poder em um momento que não deseja – o país pena com a crise. Embora haja discordância, por exemplo, do presidente da Câmara, Eduardo Cunha, a estratégia de Michel Temer é clara: manter uma posição confortável, sem sustos, e lançar candidato próprio em 2018.
 
Nessa semana, Temer afirmou categoricamente que a sigla terá presidenciável próprio nas próximas eleições. Ele nunca havia falado abertamente sobre o assunto. Desconversava, dizia que o tempo era aliado do partido para uma decisão dessa magnitude. Mas a decisão veio. O último candidato foi Orestes Quércia, em 1994. O trabalho de campanha será árduo, especialmente na contenção das denúncias que acometeram as fundações da bancada federal. Cunha deve ser cassado. Renan Calheiros é Renan Calheiros.
 
A instabilidade do sistema político brasileiro é sentida de longe. As tensões aumentam a cada ano. A violência ideológica também. O PT não é mais aquele grupo manso, aprazível e unificado que chegou ao poder em 2002. As desavenças dividiram tanto a base do partido quanto a base do governo. Assim sendo, o PMDB fica à espreita, analisando os destroços do primeiro ano do segundo mandato de Dilma. Nessa guerra de “compadres”, promessa de muitos feridos.

Mais Sobre Opinião

Meu cargo, minha vida

Meu cargo, minha vida

Bolsonaro se revelou um profundo conhecedor da natureza humana

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.

Feliz dia de quem matou os pais!

Feliz dia de quem matou os pais!

Dia em que Suzane von Richthofen e Alexandre Nardoni estão de férias da prisão.

Brasil,  192 anos dos Cursos  Jurídicos  Salve o dia 11 de agosto, dia dos advogados

Brasil, 192 anos dos Cursos Jurídicos Salve o dia 11 de agosto, dia dos advogados

O Brasil, último país a acabar com a escravidão tem uma perversidade intrínseca na sua herança, que torna a nossa classe dominante enferma de desigual