Porto Velho (RO) segunda-feira, 19 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

'Para evitar um infarto, eu saí da TV Globo', declara Boni


Já nos últimos dias de 2011, José Bonifácio de Oliveira Sobrinho, o Boni, voltou a dar uma entrevista bastante reveladora no programa "É Notícia" (Rede TV) de ontem à noite.

O jornalista Kennedy Alencar fez uma boa sabatina no ex-manda chuva da Rede Globo. Entre outras tantas questões, a sempre presente causa de sua saída da TV Globo que, segundo ele próprio, ajudara a colocar em pé.

"O doutor Roberto Marinho deixava toda a parte de conteúdo nas nossas mãos. Com a saída dele, forçada pela idade avançada, a política da casa tomou caminhos que não me convinham".

"Que caminhos?", perguntou o apresentador. "O pessoal da administração começou a ter pretensões artísticas e jornalísticas. Era impossível conviver com isso. Isso não dá certo." Confessou Boni. E reforçou: "depois de 31 anos de ter construído a TV Globo do nada, ter que me sentar numa reunião com leigos no assunto não me convinha. Então, para evitar um infarto, eu saí!", concluiu.

"E sobre a 'lenda' de que lhe pagaram um bolão para o senhor não ir para outra emissora, é verdade?", perguntou Kennedy. "De fato, fizemos um acordo de dois anos que logo depois foi renovado por mais dois anos", afirmou Boni. "Em algum momento o senhor achou que não devia ter feito?", instiga Kennedy. "Na semana seguinte eu já achava que não devia ter feito aquilo", responde rápido o diretor de televisão. "Por outro lado, eu tinha um amor tão grande pela TV Globo, como um filho, que achei melhor dar um tempo... foi confortável", completou.

Em seguida o jornalista pergunta por que não teria dado certo a sua ida para o SBT. Boni responde que acredita que, no último instante, Silvio Santos percebeu que perderia o controle da sua emissora. "Admiro muito o Silvio, mas não ia dar certo. São dois estilos diferentes", afirma Boni.

Se seria 'arrogância' ele exigir controle total quando trabalha? Nem um pouco."Eu exigir controle total é legítimo, pela minha experiência e pelo volume de acertos do meu currículo", responde com segurança o grande executivo de televisão.

Quanto à popularização da TV, Boni é mais uma vez bastante objetivo: "eu vejo isso como um tiro no pé. Tenho receio de que atendendo a isso a gente dê um passo para trás", explica ele. "E qual seria a sua receita para uma boa televisão", pergunta Kennedy. "Fazer o 'popular' bem feito", resume Boni. E desenvolve: "é muito fácil fazer duas coisas na televisão: o 'hermético' - muito bom, só que ninguém entende; e o 'popularesco' -- que te dá alguma audiência, só que nenhum anunciante quer comprar", declara um dos profissionais mais experientes da televisão brasileira.

O jornalista ainda levantou questões como a eventual parceria na campanha do ex-presidente Collor, os incêndios de 1969 nas TVs Record, Globo e Bandeirantes, e a estreia do grande comunicador Chacrinha, na TV Globo. O irreverente e genial apresentador resolveu fazer um concurso para eleger o "cachorro com maior número de pulgas", o que deixou o doutor Roberto Marinho nervosíssimo, segundo Boni.

No final do programa, um 'pinga fogo'. Entre outros diversos itens, José Bonifácio de Oliveira Sobrinho, o Boni, respondeu: Filme: "Cinema Paradiso" --"quando assisto, rio e choro ao ponto de cair da cadeira do cinema", confidenciou o ex-todo poderoso da Rede Globo. Novela: "Irmãos Coragem"... "posso trocar?" --"Roque Santeiro", negociou Boni. Ator: Paulo Gracindo. Atriz: Regina Duarte. Cantor: Frank Sinatra. Cantora: Ella Fitzgerald. Ídolo: Roberto Carlos. Música: "Stella by Starlight" (Victor Young) --"prefixo do meu primeiro programa". Arrependimento: "ter saído da televisão". Sonho: "fazer uma nova televisão".
 

Gente de Opinião

Natural de Porto Alegre, formou-se em Estudos Sociais pela PUC/RS. Começou a fazer teatro ainda no sul. Veio para São Paulo e ingressou na Escola de Arte Dramática (USP), formando-se ator. Escreveu, dirigiu e atuou em diversos espetáculos teatrais. Fez algumas colaborações para a Ilustrada e, sempre à convite, assinou a coluna Antena, da "Contigo". Nesse meio tempo, fez crítica de teatro para o "Jornal da Tarde" e na rádio Eldorado AM. Mais recentemente foi colunista da Folha.com, comentando o BBB11. Atualmente, além de atuar, cursa Filosofia.

Mais Sobre Opinião

Meu cargo, minha vida

Meu cargo, minha vida

Bolsonaro se revelou um profundo conhecedor da natureza humana

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.

Feliz dia de quem matou os pais!

Feliz dia de quem matou os pais!

Dia em que Suzane von Richthofen e Alexandre Nardoni estão de férias da prisão.

Brasil,  192 anos dos Cursos  Jurídicos  Salve o dia 11 de agosto, dia dos advogados

Brasil, 192 anos dos Cursos Jurídicos Salve o dia 11 de agosto, dia dos advogados

O Brasil, último país a acabar com a escravidão tem uma perversidade intrínseca na sua herança, que torna a nossa classe dominante enferma de desigual