Porto Velho (RO) quinta-feira, 22 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

Palavra e silêncio


João Baptista Herkenhoff

Ainda estamos no Tempo Pascal, pois que este se estende por cincoenta dias após o Domingo de Páscoa. A celebração pascoal não se limita à Igreja Católica. Muitas outras Igrejas Cristãs, nesta quadra do ano, também se debruçam à face do Cristo Ressuscitado e proclamam o Aleluia. Na liturgia católica, usa-se o Círio Pascal em todas as Missas durante esse tempo litúrgico. Nas ordens religiosas que prescrevem rigoroso jejum como hábito de vida, levantam-se as regras penitenciais durante o Tempo Pascal, pois que este é um tempo de ânimo forte e alegria. Contribuindo para avivar ainda mais o clima religioso desse tempo litúrgico celebra-se, no Estado do Espírito Santo, na oitava da Páscoa, a Festa da Penha. É um evento do qual participam peregrinos de todo o país.

Por todas estas razões, o calendário mostra-se propício para que nos lembremos de um Bispo e falemos de um livro póstumo que contém seus ensinamentos.

O Bispo é Dom Luís Gonzaga Fernandes. O livro que vamos comentar tem este título: “A palavra é filha do silêncio”.

Dom Luís Gonzaga Fernandes exerceu seu pastoreio na Arquidiocese de Vitória do Espírito Santo, ao lado de Dom João Batista da Motta e Albuquerque.

Foi ele, com apoio de Dom João, o principal artífice de nossas comunidades eclesiais de base. Tratava-se de um projeto de Igreja a partir do povo, uma Igreja que voltava aos primeiros tempos do Cristianismo, quando não havia nem templos, nem altares, conforme demonstra Michel Green (Evangelismo na Igreja Primitiva). Graças principalmente a Dom Luís Gonzaga Fernandes, as CEBs construídas na Arquidiocese de Vitória espalharam-se pelo Brasil, América Latina e alcançaram a Europa.

Depois de exercer seu ministério em Vitória, Dom Luís Gonzaga Fernandes foi transferido para Campina Grande, sua terra natal. A Bíblia diz que os profetas só não têm honra na própria terra natal e no meio dos conhecidos de infância.

Campina Grande, entretanto, não emudeceu o profetismo do Bispo. O livro “A palavra é filha do silêncio” prova este fato. Reúne páginas publicadas por Dom Luís na imprensa de sua terra natal. Recebi o livro, como presente inestimável, das mãos do Padre Alberto Fontana, que foi um grande colaborador de Dom Luís Gonzaga Fernandes no seu pastoreio capixaba. A antologia dos escritos de Dom Luís foi um meticuloso trabalho do Padre João Jorge Rietveld (83. 3343-4226), cumprido em três etapas. A primeira foi o difícil resgate dos textos. A segunda foi a seleção das produções avulsas que deveriam aglutinar a essência do pensamento. A terceira e última etapa foi organizar tudo com esmero, de modo a obter o magnífico resultado que foi alcançado.

João Baptista Herkenhoff, magistrado aposentado, foi um dos fundadores da Comissão de Justiça e Paz da Arquidiocese de Vitória, por convocação de Dom Luís Gonzaga Fernandes. E-mail: jbherkenhoff@uol.com.br Homepage: www.jbherkenhoff.com.br
 

Mais Sobre Opinião

O bom do silêncio

O bom do silêncio

Bolsonaro disse que não adianta exigir dele a postura de estadista, por que não é estadista.

Meu cargo, minha vida

Meu cargo, minha vida

Bolsonaro se revelou um profundo conhecedor da natureza humana

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.

Feliz dia de quem matou os pais!

Feliz dia de quem matou os pais!

Dia em que Suzane von Richthofen e Alexandre Nardoni estão de férias da prisão.