Porto Velho (RO) sábado, 28 de novembro de 2020
×
Gente de Opinião

Opinião

Palavra e silêncio


João Baptista Herkenhoff

Ainda estamos no Tempo Pascal, pois que este se estende por cincoenta dias após o Domingo de Páscoa. A celebração pascoal não se limita à Igreja Católica. Muitas outras Igrejas Cristãs, nesta quadra do ano, também se debruçam à face do Cristo Ressuscitado e proclamam o Aleluia. Na liturgia católica, usa-se o Círio Pascal em todas as Missas durante esse tempo litúrgico. Nas ordens religiosas que prescrevem rigoroso jejum como hábito de vida, levantam-se as regras penitenciais durante o Tempo Pascal, pois que este é um tempo de ânimo forte e alegria. Contribuindo para avivar ainda mais o clima religioso desse tempo litúrgico celebra-se, no Estado do Espírito Santo, na oitava da Páscoa, a Festa da Penha. É um evento do qual participam peregrinos de todo o país.

Por todas estas razões, o calendário mostra-se propício para que nos lembremos de um Bispo e falemos de um livro póstumo que contém seus ensinamentos.

O Bispo é Dom Luís Gonzaga Fernandes. O livro que vamos comentar tem este título: “A palavra é filha do silêncio”.

Dom Luís Gonzaga Fernandes exerceu seu pastoreio na Arquidiocese de Vitória do Espírito Santo, ao lado de Dom João Batista da Motta e Albuquerque.

Foi ele, com apoio de Dom João, o principal artífice de nossas comunidades eclesiais de base. Tratava-se de um projeto de Igreja a partir do povo, uma Igreja que voltava aos primeiros tempos do Cristianismo, quando não havia nem templos, nem altares, conforme demonstra Michel Green (Evangelismo na Igreja Primitiva). Graças principalmente a Dom Luís Gonzaga Fernandes, as CEBs construídas na Arquidiocese de Vitória espalharam-se pelo Brasil, América Latina e alcançaram a Europa.

Depois de exercer seu ministério em Vitória, Dom Luís Gonzaga Fernandes foi transferido para Campina Grande, sua terra natal. A Bíblia diz que os profetas só não têm honra na própria terra natal e no meio dos conhecidos de infância.

Campina Grande, entretanto, não emudeceu o profetismo do Bispo. O livro “A palavra é filha do silêncio” prova este fato. Reúne páginas publicadas por Dom Luís na imprensa de sua terra natal. Recebi o livro, como presente inestimável, das mãos do Padre Alberto Fontana, que foi um grande colaborador de Dom Luís Gonzaga Fernandes no seu pastoreio capixaba. A antologia dos escritos de Dom Luís foi um meticuloso trabalho do Padre João Jorge Rietveld (83. 3343-4226), cumprido em três etapas. A primeira foi o difícil resgate dos textos. A segunda foi a seleção das produções avulsas que deveriam aglutinar a essência do pensamento. A terceira e última etapa foi organizar tudo com esmero, de modo a obter o magnífico resultado que foi alcançado.

João Baptista Herkenhoff, magistrado aposentado, foi um dos fundadores da Comissão de Justiça e Paz da Arquidiocese de Vitória, por convocação de Dom Luís Gonzaga Fernandes. E-mail: jbherkenhoff@uol.com.br Homepage: www.jbherkenhoff.com.br
 

Mais Sobre Opinião

A cidade foi a grande ausente no debate

A cidade foi a grande ausente no debate

Se o Ibope estiver certo em sua aferição, o prefeito Hildon Chaves (PSDB) vai permanecer por mais quatro anos no comando do município de Porto Velho

Hildon Chaves deverá vencer as eleições muito facilmente, se a Cristiane não se reposicionar junto aos eleitores

Hildon Chaves deverá vencer as eleições muito facilmente, se a Cristiane não se reposicionar junto aos eleitores

Até o momento, ao que tudo indica, parece que a definição sobre quem será o próximo prefeito ou prefeita de Porto Velho é “favas contadas”. O atual

Respeito a decisão do Vinícius, mas não concordo

Respeito a decisão do Vinícius, mas não concordo

Recebi de um amigo um vídeo em que o candidato à prefeitura de Porto Velho, Vinicius Miguel - em quem votei no primeiro turno da eleição de domingo (1

Os náufragos de 2020

Os náufragos de 2020

Não foi apenas o presidente Jair Bolsonaro que saiu perdendo nas eleições municipais de 2020. A esquerda foi massacrada nas urnas. Exemplo disso é o