Porto Velho (RO) sexta-feira, 4 de dezembro de 2020
×
Gente de Opinião

Opinião

OPINIÃO: Precatórios, compensação e tributos


OPINIÃO: Precatórios, compensação e tributos - Gente de Opinião

Decisões recentes tem traçado novos rumos na pendenga dos precatórios, mudando a história para credores, devedores e empresas.

Os precatórios são um enorme problema para a Administração Pública, pois representam suas dívidas - líquidas e certas - para com a sociedade, na sua grande maioria com servidores que obtiveram êxito em suas ações depois de anos e anos de batalhas judiciais.

Administrar este passivo já é um dos maiores desafios do administrador público, agora imaginemos o cenário futuro- sem planejamento-, com a aplicação efetiva da lei de que é possível sim o pagamento de tributos com precatórios?

Por anos a fio a questão foi “menosprezada” e procrastinada, até que com a emenda 62/2009 surgiu a obrigação para a administração pública em destinar uma porcentagem de seu orçamento para pagamentos de precatórios, cujo descumprimento sujeita o ente a punições, como a perda de mandato.

O STF já se manifestou que é possível a compensação de tributos com precatórios; no agravo regimental n 2589-9 do Estado de Minas Gerais onde a Ministra Ellen Gracie, reportou-se à Adin 2851 e frisou que a matéria da compensação está devidamente pacificada na Corte Máxima.

A compensação é a forma de extinção de créditos tributários em que os sujeitos da relação obrigacional são, ao mesmo tempo credor e devedor. O artigo 78 do ADCT – Atos das disposições Constitucionais Transitórias trata em seu parágrafo § 2º desta compensação ao prever que: “ ... As prestações anuais a que se refere o caput deste artigo terão, se não liquidadas até o final do exercício a que se referem, poder liberatório do pagamento de tributos da entidade devedora.”

Temos neste parágrafo a autorização para pagamento de tributos com os precatórios vencidos e não pagos na data correta.

Para a advogada Aparecida, do escritório Aparecida M.Silva & Advogados Associas, este artigo é de extrema importância, já que no final do seu caput, restou autorizado a cessão dos créditos advindos dos precatórios, ou seja, tenho um precatório, estou em uma fila onde o ente já está em mora, a Constituição permite a cessão do crédito a um terceiro que poderá utilizá-lo para pagamento de um tributo.

Simples seria o procedimento para o contribuinte, não fosse à insistência da administração em não aceitar de maneira alguma esta compensação auto-aplicável prevista na Constituição.   

Alguns estados da federação, no entanto, entenderam a gravidade da situação e regulamentaram administrativamente o recebimento dos precatórios para pagamento dos tributos, fazendo a lição de casa, evitando assim as surpresas de uma ação judicial, onde seriam condenados a efetuar a sub-rogação.

A dívida dos estados e municípios ultrapassam os R$ 84 bilhoes de reais segundo o CNJ (Conselho Nacional de Justiça), sendo  o estado de São Paulo o recordista, devendo sozinho mais de R$ 20 bilhões de reais.

Já o estado do Rio de Janeiro, em 29 de Dezembro de 2011, publicou a Lei Estadualnº 6.136/2011, que trata além da remissão, da possibilidade de ser pagar tributos com precatórios de maneira administrativa.

A questão é: a Administração Pública precisa aceitar que o instituto existe, é válido e se não o fizer ordinariamente, o fará por meio de ordem judicial, então porque não se antever ao problema e criar mecanismos para administrar seu passivo (precatórios) juntamente com seu ativo (dívida ativa)?

Na prática, o ente não precisará retirar efetivamente dinheiro do orçamento para pagar um volume de precatório não previsto no orçamento obrigatório anual, e estaria ajudando as empresas a quitarem suas dívidas, tendo a chance de reingressar no mercado, acirrando a competitividade, aquecendo a economia, gerando empregos, e pagando mais impostos.

Segundo Aparecida “todos ganham, quem tem para receber e quem tem para pagar ao estado, e o estado por se livrar do seu passivo.”       

Para o credor do precatório cedido, que não tinha expectativa para o recebimento do crédito, ainda que com deságio poderá dispor da quantia de maneira mais rápida, consumindo mais e gerando também o recolhimento de mais tributos.

Esperar que Estados como o de São Paulo, conseguia efetuar regiamente o pagamento de seus precatórios está longe de ser realidade, o que castiga seu credor.

Efetuar a união das três partes interessadas talvez seja a solução! 

 Fonte: Alessandro Alexandre Lima

Mais Sobre Opinião

O tribunal europeu (TEDH) dá andamento à queixa "Acção Climática" das crianças portuguesas + Restauração de Portugal independente

O tribunal europeu (TEDH) dá andamento à queixa "Acção Climática" das crianças portuguesas + Restauração de Portugal independente

O TRIBUNAL EUROPEU (TEDH) DÁ ANDAMENTO À  QUEIXA “ACÇÃO CLIMÁTICA” DAS CRIANÇAS PORTUGUESASNo rescaldo de Pedrogão Grande onde o Fogo matou 110 Pessoa

Começou a batalha pela presidência da Câmara em Porto Velho

Começou a batalha pela presidência da Câmara em Porto Velho

Acirra-se a briga pela presidência da Câmara Municipal de Porto Velho. O atual presidente Edwilson Negreiros está articulando um grupo forte para gara

Sua Excelência a abstenção

Sua Excelência a abstenção

Independente de quem saía consagrado das urnas no segundo turno do pleito para a prefeitura de Porto Velho (Hildon Chaves ou Cristiane Lopes), certo

A cidade foi a grande ausente no debate

A cidade foi a grande ausente no debate

Se o Ibope estiver certo em sua aferição, o prefeito Hildon Chaves (PSDB) vai permanecer por mais quatro anos no comando do município de Porto Velho