Porto Velho (RO) terça-feira, 20 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

Opinião: Por que o macaco aranha não quis ser humano



Por Rinaldo Lima e Silva

Nas selvas rondonienses, um macaco-aranha, peludo e brincalhão, como costumam ser todos da mesma espécie, principalmente em estado natural, foi confrontado pelo grande pajé, que lhe comunicou a necessidade de se tornar humano e ensinar a arte de ser alegre e feliz, mas reagiu veementemente e se recusou a ocupar um posto na humanidade e frisou bem que, principalmente em Porto Velho, não.

O pajé, então, entre surpreso e assustado, lhe diz que seria a oportunidade de se tornar mais nobre como ser vivo, mais ainda de participar da construção da felicidade nestas paragens do poente, mas, ainda assim, a resposta foi não, acrescida de um esclarecimento, que passamos a transcrever.

“Na selva, temos costumes simples e em sua maioria ditados pelas leis naturais, assim agimos e assim respeitamos todos os ditames, tantos das normas impostas pela natureza, como comer, beber, movimentar e reproduzir, como as normas do bando ou do líder, de obediência, trabalho para a comunidade e respeito.

Entre os portovelhenses não é possível entender como as coisas acontecem, nem convocando a macacada para explicar, por que, por exemplo, um viaduto cuja necessidade existe há dez anos, pelo menos, foi contratado para ser executado num prazo combinado e teve sua obra paralisada antes do tempo, sem ser concluída e sem explicação convincente do motivo da paralisação.

A lei de licitações diz que é obrigatório projeto detalhado, ser licitado, com prazo pra terminar, é obrigatório fazer um contrato dizendo tudo que precisa ser feito, tudinho mesmo, e no contrato diz que a empresa encarregada de construir será penalizada se não terminar o serviço, mas tudo se passa como se o contrato não valesse.

Depois a prefeitura diz que as obras estão atrasadas por causa da chuva, enquanto uma ponte de concreto está sendo construída dentro do rio Madeira, sem tirar a água do rio para isso, mais tarde as obras dos viadutos são abandonadas sem explicação e não se fala de apuração, de fiscalização ou de responsabilização dos culpados.

Nos contratos não existem penalidades para quem inicia um fornecimento ao governo e para pelo meio da empreitada? Por que não se comunica ao povo a apuração dos fatos e aplicação das penas, se necessário? Por que os vereadores, que devem fiscalizar os atos do executivo, não falam nada, não se manifestam?

Não quero! Prefiro fazer minhas macaquices com a macacada, pendurados nos galhos sem cair em tentação, balançando nos cipós sem precisar dar nó, sem parecer civilizado, apenas macaquiando.

Assim, enquanto o nosso céu se faz moldura, para engalanar a natureza, a cidade de Porto Velho exibe cabisbaixa o desonroso e triste título de a capital mais feia do país, enquanto assiste paralisada o sangue de seus habitantes se espalhar pelo asfalto em sucessivos desastres de trânsito.
 

Mais Sobre Opinião

Meu cargo, minha vida

Meu cargo, minha vida

Bolsonaro se revelou um profundo conhecedor da natureza humana

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.

Feliz dia de quem matou os pais!

Feliz dia de quem matou os pais!

Dia em que Suzane von Richthofen e Alexandre Nardoni estão de férias da prisão.

Brasil,  192 anos dos Cursos  Jurídicos  Salve o dia 11 de agosto, dia dos advogados

Brasil, 192 anos dos Cursos Jurídicos Salve o dia 11 de agosto, dia dos advogados

O Brasil, último país a acabar com a escravidão tem uma perversidade intrínseca na sua herança, que torna a nossa classe dominante enferma de desigual