Porto Velho (RO) segunda-feira, 23 de setembro de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

Opinião: Lendas amazônicas


 
Foi ele quem contou ao mundo a fantasiosa lenda das amazonas, as mulheres guerreiras. Logo se soube que Frei Gaspar de Carvajal havia mesclado à mitologia grega com as explicações que a Coroa espanhola talvez quisesse para explorar impiedosamente os recursos naturais à revelia dos povos encontrados.

Como alguém, impregnado pela piedade cristã, poderia justificar o encontro uma terra habitada, declará-la posse de seu rei com base Opinião: Lendas amazônicas - Gente de Opiniãoem uma autorização papal e saqueá-la implacavelmente? Demonizar ou animalizar os seres humanos que nela viviam seria uma das opções.

A deliberada intenção de distorcer os fatos para justificar atrocidades é uma das múltiplas tentativas de explicar o que deu na cabeça de um religioso respeitado, caso de Frei Gaspar, para inventar um ataque de guerreiras amazonas na qual até ele se feriu. Sua Relación, escritos com que registrou os acontecimentos reais e/ou imaginários de uma viagem histórica, é avaliada como o cometimento de um caso especial de abordagem mítica.

Permita-nos apresentar Frei Gaspar. Nascido em Trujillo (Espanha) em 1504, Gaspar de Carvajal ingressou na ordem dominicana, vindo ao Peru em 1533 para a tarefa de conversão dos índios ao cristianismo. Em 1540, uniu-se como capelão à expedição de Gonzalo Pizarro, o governador de Quito. Gonzalo também havia nascido em Trujillo. Era meio-irmão do conquistador do império inca, Francisco Pizarro.

A missão de Gonzalo, o mais violento e corrupto dos irmãos Pizarro, era encontrar El Dorado, a fantástica cidade do ouro, e o País da Canela, Cinnamon. Por que encontrar canela era tão importante quanto achar ouro? A canela era na época um bem tão preciso que era um presente à altura dos reis. Mencionada já no Êxodo bíblico, os portugueses a recolhiam no Ceilão, hoje Sri Lanka, enquanto era procurada nos territórios apropriados pelos governantes ibéricos nas grandes navegações.   

 Mas Pizarro não conseguiu nenhum dos dois feitos. Quem ganhou a fama por essa expedição foi Francisco Orellana. Gonzalo desistiu depois de uma sequência de desastres que o levaram a considerar a expedição um fracasso. Justamente a expedição que viria a ser considerada a descobridora da Amazônia.

Agora sob as ordens de Francisco Orellana, coube a frei Gaspar redigir a crônica da viagem, que veio a ser conhecida como a Relación.

Gente de Opinião

Fonte: Carlos Sperança - csperanca@enter-net.com.br
Gentedeopinião   /  AMAZÔNIAS   /  RondôniaINCA   /   OpiniaoTV / Eventos
 Energia & Meio Ambiente   /   YouTube  / Turismo   /  Imagens da História

 

Mais Sobre Opinião

Furacão Dorian impõe o flagelo da fome às Bahamas; 11 anos atrás, Samuel Saraiva indicava moderna tecnologia para estocagem de alimentos

Furacão Dorian impõe o flagelo da fome às Bahamas; 11 anos atrás, Samuel Saraiva indicava moderna tecnologia para estocagem de alimentos

Há exatamente 11 anos, em Washington D.C., o rondoniense Samuel Saraiva sugeria à Organização das Nações Unidas (ONU) investimentos em tecnologia Fr

Os 96 anos de Bom Jesus da Lapa e a bela homenagem do prefeito

Os 96 anos de Bom Jesus da Lapa e a bela homenagem do prefeito

No último dia 30 de agosto de 2019 a querida cidade de Bom Jesus da Lapa – BA, conhecida no mundo inteiro, como a Capital Baiana da Fé, comemorou os

Salve o dia 7 de Setembro, dia da Independência do Brasil

Salve o dia 7 de Setembro, dia da Independência do Brasil

Ótima data para o presidente Jair Bolsonaro proclamar o grito dos cativos da OAB

Fumaça nos olhos

Fumaça nos olhos

As queimadas na Amazônia foram politicamente boas para todos os lados