Porto Velho (RO) terça-feira, 20 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

O TRANSMONTANO ANALFABETO - Por Humberto Pinho da Silva



Por Humberto Pinho da Silva

Casal amigo, recentemente vindo do Brasil, que anda a viajar pela velha Europa, ao passar pela minha cidade, quis visitar-me, e convidou-me para encontro num hotel do centro da cidade.

Conversamos sobre a situação politica no Brasil e da América Latina, mormente da Venezuela; e a determinado momento, a conversa descambou para o facto de todos quererem ser europeus.

Foi então que narraram a curiosa história, do transmontano, que certo dia, abandonando sua aldeia, partiu para o Rio de Janeiro. Levava consigo a esperança de vir enriquecer, nesse imenso Brasil, onde se contava, que havia a árvore da pataca: bastava abanar… e o dinheiro chovia…

Desembarcado em terras de Vera Cruz, logo verificou, que para sobreviver, teria que trabalhar duramente; e a famosa “ árvore” só existia na imaginação de “ poetas” excêntricos.

Empregou-se num empório. O dono da casa era rude e pouco amável para os gringos, mormente portugueses.

De tanto se ver desprezado, transformado em palhaço pobre de circo pobre, pelo facto de ser português, resolveu, quando conseguiu disfarçar a pronúncia, esconder a nacionalidade.

Se sofria com a chacota que faziam aos patrícios?

Lá isso sofria…Debochavam, que vinham: “ de pau e saco às costas”; mais tarde, com o aparecimento da TAP, de ” Tamancos Aéreos Portugueses” e outros chispes, que a rádio, e mais tarde a TV, lançavam para gáudio de muitos. Mas sofria calado…por medo e vergonha.

Casou. Teve filhos e filhas. A vida melhorou. Comprou casinha… e ele, sempre ruído pela saudade da sua terra, ia-se conformando, não só com a nacionalidade, mas com a indiferença e desprezo dos filhos.

Prosperados com o trabalho paterno, frequentaram o Ensino Superior; se não tinham vergonha, evitavam, acintosamente, a companhia do pai. Homem inculto, que mal sabia ler, e ainda menos escrever, que trajava modestamente, e trabalhava como galego.

Mais tarde, os netos e bisnetos, nem o iam visitar – diziam que os afazeres não lhes permitia, – “ Para quê?!”: Era velho, pobre, rude, analfabeto…E agradeciam ao pai, não os ter batizado com apelido português. Hoje podiam usar nomes com “Ys”, “Ws”, e letras dobradas. Era chique e dava status.

Um dia, o transmontano, morreu. Foi sepultado em vala comum, quase como indigente, em caixão modestíssimo, e sem acompanhantes.

A família não queria que se soubesse que o antepassado fora daqueles que desembarcaram de: “ trouxa de roupa e cajado, que lhe servia de bengala…”

Passou o tempo…Passaram décadas…Portugal aderiu à U.E. ; mais tarde ao euro. Agora dizem:” Estão ricos!!! …”

Os netos e bisnetos, do velho e pobre transmontano, lembraram-se, então, dele, e pensaram: “ - Agora podemos lucrar pelo facto de sermos descendente, desse antepassado! …”

- “Mas como?! …”

- “ Nem conhecemos donde era! …Trás-os-Montes é grande! …”

Então, rebuscaram velhos e revelhos documentos. Escreveram a padres e Juntas de Freguesia. Buscaram amigos e parentes; e até um neto percorreu o distrito de Bragança, com foto do agora “ querido” avozinho, e palavras sentimentais…, na esperança que alguém fornecesse alguma dica.

Já não dizem: que andara de “ Tamancos Aéreos”; e invejam, até, os que já obtiveram o almejado cartão, que lhes permite serem cidadãos europeus; crentes que não lhes vai acarretar problemas, dissabores e despesas futuras.

Se o velho transmontano, no outro mundo, poder conhecer o que se passa neste, há-de rir-se, em grande risota, com outros gringos analfabetos, que envergonhavam a família, por serem: italianos, portugueses… europeus analfabetos…

Assim rematou aquele casal, que sempre se orgulhou das suas origens, e sempre frequentou e procurou o convívio de patrícios, em associações e clubes, indiferentes à chacota e ao ridículo, que muitos (netos e bisnetos de portugueses e italianos,) lançavam sobre aqueles que se orgulhavam dos avós: Homens honrados, humildes e trabalhadores exemplares.

Mais Sobre Opinião

Meu cargo, minha vida

Meu cargo, minha vida

Bolsonaro se revelou um profundo conhecedor da natureza humana

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.

Feliz dia de quem matou os pais!

Feliz dia de quem matou os pais!

Dia em que Suzane von Richthofen e Alexandre Nardoni estão de férias da prisão.

Brasil,  192 anos dos Cursos  Jurídicos  Salve o dia 11 de agosto, dia dos advogados

Brasil, 192 anos dos Cursos Jurídicos Salve o dia 11 de agosto, dia dos advogados

O Brasil, último país a acabar com a escravidão tem uma perversidade intrínseca na sua herança, que torna a nossa classe dominante enferma de desigual