Porto Velho (RO) quarta-feira, 21 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

O PREÇO DA GASOLINA TEM DE SER REDUZIDO



Moreira Mendes*

Na última terça-feira (25), proferi discurso na Câmara dos Deputados, solicitando providências do ministro das Minas e Energia, Edson Lobão, com referência aos valores em reais cobrados pela Petrobras na venda dos combustíveis. Não se explica o fato de o preço do barril de petróleo ter sofrido redução de quase dois terços do seu valor, em dólar (desde o início da atual crise econômica mundial), enquanto a gasolina brasileira permanece em quase três reais o litro, como se nada tivesse acontecido. Esse tipo de procedimento pune de maneira cruel o consumidor brasileiro, imputando-lhe uma responsabilidade por uma crise que deveria ser colocada tão somente na conta dos grandes produtores industrializados. No entanto, muito pior do que essa atitude é o engodo a que nos vemos submetidos com a propaganda oficial dizendo que nadamos em petróleo. 

Fala-se em pré-sal e em fantásticas reservas petrolíferas que estariam sendo descobertas, quando, na verdade, o Brasil continua dependente, importando petróleo barato e, ao mesmo tempo, cobrando preços abusivos dos consumidores. Por esse motivo, irei apresentar requerimento em plenário solicitando o comparecimento do ministro Edson Lobão na Câmara, para que justifique as razões de não terem sido ainda reduzidos os valores ajustados pela Petrobras para os derivados de petróleo.

Não é possível que se pretenda anestesiar uma nação inteira, com mágicas marqueteiras que objetivam tapar o Sol com uma peneira. Como no conto do escritor dinamarquês Hans Christian Andersen, "A Roupa Nova do Imperador", estamos diante de mais um caso em que o rei está nu.

A crise econômica mundial exibe outros disparates incompreensíveis para quem acompanha as providências anunciadas. No caso das taxas de juros, por exemplo, vemos que a maioria dos países industrializados reduziu consideravelmente os seus percentuais. Não é isso o que acontece no Brasil. As autoridades da área econômica tinham ventilado, inclusive, a possibilidade de aumentar os juros determinados pelo Banco Central, mas recuaram diante do claro absurdo que isso iria configurar. O pagamento de altas taxas de juros significa verdadeira extorsão para o trabalhador brasileiro, que não tem como garantir padrão de vida digno para si próprio e para os seus familiares.

O Brasil vive mergulhado na batalha inglória de insolúveis contradições: embora sendo país reconhecidamente riquíssimo em recursos naturais, seus produtos primários são vendidos a preço de banana e devolvidos em manufaturados por falta de uma política de industrialização nacional. É preciso que se dê início a um processo de divisão igualitária das riquezas nacionais entre aqueles que são seus verdadeiros donos: o povo brasileiro.

Com relação à camada petrolífera do pré-sal, tão insistentemente alardeada pela administração federal, não sabemos ainda quando começará a sua exploração. O que sabemos é que o preço dos combustíveis teria de ser reduzido imediatamente. A nação brasileira precisa acordar para esse absurdo que não dispõe de qualquer base de sustentação. Não é possível, como disse um grande estadista norte-americano do século 19, "que se continue a enganar a todos durante todo o tempo".

 

Mais Sobre Opinião

O bom do silêncio

O bom do silêncio

Bolsonaro disse que não adianta exigir dele a postura de estadista, por que não é estadista.

Meu cargo, minha vida

Meu cargo, minha vida

Bolsonaro se revelou um profundo conhecedor da natureza humana

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.

Feliz dia de quem matou os pais!

Feliz dia de quem matou os pais!

Dia em que Suzane von Richthofen e Alexandre Nardoni estão de férias da prisão.