Porto Velho (RO) sábado, 17 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

O Natal da minha infância



Por Humberto Pinho da Silva
 

Com a iluminação natalícia e os sons festivos da quadra, chegam à minha memória, figuras e vozes familiares, com quem passei a santa noite de Natal.

Na casa de meu pai, não havia árvore. Dias antes da consoada, fazia-se o presépio. Cobria-se com pano cor-de-rosa, a velha cómoda de pau-preto. Com livros, formava-se a alcova ou gruta, que eram tapados com duas puídas bandeiras azuis e brancas, do tempo da monarquia.

O menino – de grande dimensões, – era então colocado, solenemente, no lugar. Era de madeira. Dizia meu pai, que a avó Júlia, ouvira, quando era cachopinha, que a imagem tinha sido esculpida por santeiro viseense, e fora pertença de antepassado, cujo nome se perdera. No alto, suspenso da parede, era colocada a estrela de papelão, coberta de folhinha de estanho, amarela, da qual saíam vistosas e brilhantes fitas, prateadas e doiradas, a jeito de dossel ou véu de berço.

As prendas – quase todas jogos didácticos, – eram compradas no Bazar dos Três Vinténs, na Rua de Cedofeita, no Porto, e colocadas sobre o guarda-fato, para evitar tentações…

A ceia, propriamente dita, era tipicamente portuense.

Na mesa, coberta de toalha escrupulosamente branca, eram colocadas as louças de cerimónia, e as grandes travessas, do tempo dos avós, repletas de: pencas, bacalhau  -  que se desfazia às lascas,  -  e batatas.

Havia sobremesa variada: arroz doce, creme torrado, filhós, sonhos, rabanadas  -  bem demolhadas em leite,  doiradas na frigideira e  cobertas de canela e açúcar,  -  pudim, bolinhos de abóbora-menina e bolo-rei; e como minha mãe era transmontana, havia rochedos – doce feito de amêndoa ralada.

Quando me sento à mesa, para consoar, sentam-se, igualmente, não só os vivos, mas também os mortos. Parece-me que ecoam, dentro de mim, suas vozes e palavras amigas.

Ouço minha mãe, contar cenas de menininha, e meu pai falar da avó, que o criou. Ouço, também, todos que comigo cearam, e agora festejam-No, lá no Céu.

Então revivo, com saudosa amargura: episódios, ditos, frases soltas, gestos, modos de falar.

Revejo, também, o cenário, que envolvia a nossa antiga e sólida mesa de jantar, que ficava no segundo andar da velha casa da família.

Os odores que chegavam da cozinha enfumarada: o agradável perfume a canela e açúcar queimado, e tantos maravilhosos cheiros, característicos da Noite de Natal nortenha

Terminado o jantar e distribuídas as prendas, as crianças, entretinham-se com os brinquedos recebidos, e os adultos, ficavam a conversar ou jogar, enquanto mastigavam: pinhões, amêndoas, nozes e fruta seca e cristalizada. Humedecendo os lábios, com doce vinho do Porto.

Penso que nas outras casas, as famílias se reuniam e ceavam de igual modo. Não fossemos, então, genuinamente tripeiros.

Devido à influência, vinda de fora, e a frequentes viagens, o Natal nortenho, pode ser hoje, um pouco diferente, mas creio, que na maioria dos lares, a tradição ainda é o que era.

Mais um Natal que passa! Mais um aniversário de Jesus! E de Natal em Natal, aproxima-se o fim…

Não pensemos, todavia, em tristezas…já que o Natal é festa cheia de alegria e Amor.

A todos, desejo uma noite santa. Uma noite em que Jesus não esteja ausente…mas sentado à nossa mesa….

    Blogue luso-brasileiro: "PAZ"

Mais Sobre Opinião

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.

Feliz dia de quem matou os pais!

Feliz dia de quem matou os pais!

Dia em que Suzane von Richthofen e Alexandre Nardoni estão de férias da prisão.

Brasil,  192 anos dos Cursos  Jurídicos  Salve o dia 11 de agosto, dia dos advogados

Brasil, 192 anos dos Cursos Jurídicos Salve o dia 11 de agosto, dia dos advogados

O Brasil, último país a acabar com a escravidão tem uma perversidade intrínseca na sua herança, que torna a nossa classe dominante enferma de desigual

Vagalumes nas trevas

Vagalumes nas trevas

Mas as trevas não são absolutas: há estrelas, há vagalumes, há réstias de luz