Porto Velho (RO) terça-feira, 20 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

O direito de blasfemar e ser contra


O direito de blasfemar e ser contra - Gente de Opinião

Professor Nazareno*

 

Não concordo com uma única palavra do que dizeis, mas defenderei até a morte o vosso direito de dizê-las”, disse Voltaire, ensaísta, escritor e filósofo francês ainda no século dezoito. Mas o recente ataque em Paris à revista francesa Charlie Hebdo por fanáticos islâmicos quando 12 pessoas, a maioria jornalistas, foram sumariamente fuziladas enquanto trabalhavam, demonstra que a democracia e a liberdade de expressão são valores ocidentais ainda longe de serem aceitos por determinados grupos de pessoas. A mistura explosiva entre religião e política nunca deu bons resultados e ainda precisa de muita dialética e tolerância para elas conviverem juntas. O século vinte e um começou com a destruição das torres gêmeas nos EUA num episódio que mostra até que ponto a intolerância religiosa pode causar estragos nas sociedades modernas ocidentais.

A liberdade de opinião é um valor adquirido há pouco tempo e a muito custo pela maioria das democracias do mundo. Está, por exemplo, no Artigo quinto da nossa Constituição e precisa ser levado a sério. Qualquer indivíduo tem todo o direito de falar, com as devidas provas, “o que quiser e bem entender” sobre qualquer outra pessoa ou assunto desde que não macule a imagem de terceiros. E se alguém se sentir prejudicado, legalmente acionará o Poder Público e exigirá as devidas reparações à sua imagem. É basicamente assim que funciona a liberdade de expressão nas mais modernas e civilizadas sociedades do mundo. A Charlie Hebdo francesa, assim como o canal Porta dos Fundos no Brasil, tem todo o direito de publicar o que quiser e se alguém se sentir ofendido que procure os seus direitos. O contraditório existe, só precisamos aceitá-lo.

Matar ou destruir o outro por discordar da sua opinião é um ato medieval. É, talvez, inerente aos estúpidos. A Igreja, de um modo geral, sempre abominou a dialética e incentivou a intolerância entre os seus membros e seguidores. Os jornalistas franceses tinham e têm todo o direito de blasfemar contra qualquer religião ou seita sem ter que pagar com a vida por isto. Dizer que eles foram culpados pela sua própria morte é o mesmo que admitir que a mulher que usa roupas curtas é responsável pelo estupro que sofreu. É, enfim, culpar a vítima. A intolerância só gera mais ódio além de dar importância demais a quem não tem. Eu mesmo já sofri restrições por causa dos meus textos. No início, queriam me matar. Foi preciso escrever muito para “amansar” os rondonienses e mostrar que sua capital era e ainda é um lixão a céu aberto, uma nojeira.

Baseada em dogmas apenas, está mais do que comprovado que a religião, ou o mau uso dela, sempre foi um grande atraso para a história da humanidade. As inúmeras guerras em nome da fé, as Cruzadas, o World Trade Center e Paris agora comprovam  isto. Se Deus existe ou não, se criou o homem ou foi criado por ele, se existem anjos, santos, céu e inferno, vai muito da cultura, da visão e dos ensinamentos de cada um. Por isso, não se deve subordinar a fé, a crença em Deus, nas palavras, às vezes vazias, dos outros. No nosso mundo, a violência, a intolerância, os dogmas, a intransigência, o sectarismo sempre perderão para a liberdade, a civilidade e a democracia. Em Paris, França, na manhã de 07 de janeiro de 2015, o mundo inteiro foi atacado. E todos nós, pessoas civilizadas, ateus ou não, tivemos as nossas consciências perfuradas pelas balas assassinas não do Islamismo, mas de terroristas abjetos que só agiam em nome do Islã.

*É Professor em Porto Velho.

                         
 

Mais Sobre Opinião

Meu cargo, minha vida

Meu cargo, minha vida

Bolsonaro se revelou um profundo conhecedor da natureza humana

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.

Feliz dia de quem matou os pais!

Feliz dia de quem matou os pais!

Dia em que Suzane von Richthofen e Alexandre Nardoni estão de férias da prisão.

Brasil,  192 anos dos Cursos  Jurídicos  Salve o dia 11 de agosto, dia dos advogados

Brasil, 192 anos dos Cursos Jurídicos Salve o dia 11 de agosto, dia dos advogados

O Brasil, último país a acabar com a escravidão tem uma perversidade intrínseca na sua herança, que torna a nossa classe dominante enferma de desigual