Porto Velho (RO) segunda-feira, 19 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

O Câncer de Porto Velho


O Câncer de Porto Velho - Gente de Opinião

No ano do centenário de Porto Velho o que temos é uma cidade suja, fedorenta, desordenada e caótica. Assim se descreve a capital de Rondônia - Porto Velho. Ora, quando dizem que a nossa cidade mais lembra uma favela do que uma cidade (Capital!) há quem não goste. Lembremos do período eleitoral passado, durante uma sabatina quando um dos candidatos a prefeitura disse que Porto Velho era uma favela e, o atual gestor rebateu de imediato com os dizeres: "eu não moro em uma favela e tenho certeza quem está aqui também não’’, que consequentemente foi ovacionado pelo público ali presente. Resumindo: o portovelhense não gosta da verdade, residir na mentira é mais cômoda e confortável.

  Além dos atuais gestores que levam nossa cidade às ruínas, há outro grande problema, o verdadeiro câncer da cidade: o portovelhense. Aquele portovelhense que joga o lixo na rua, em igarapés; que estaciona o seu veículo em paradas de ônibus, estaciona em vagas destinadas a deficientes físicos, na calçada obstruindo a passagem dos pedestres; que liga o som de seu carro em volumes exorbitantes para que todos possam ouvir a sua "boa música"; aquele que pensa que o seu direito é mais importante que o do próximo; o mesmo que pega ônibus cheio todo dia e apenas reclama; que bajula “apresentadores” locais de televisão; o que reclama da rua escura, das alagações, dos buracos etc e, que não sai do seu conformismo e Facebook para reivindicar seus direitos e mudar a situação atual. Enfim, o mesmo que depois acha-se no direito de reclamar da cidade por aí. Esse ano Porto Velho fará 100 anos de emancipação - centenário! E o que temos para comemorar? Nada. Pois enquanto nossa cidade e o portovelhense não mudarem, nada se comemora, nada cresce, desenvolve, enfim, nada muda.

Caro portovelhense, não se iluda. Nada muda se você não mudar.

Autor: Marcelo Negrão, 17, estudante de Administração.

Mais Sobre Opinião

Meu cargo, minha vida

Meu cargo, minha vida

Bolsonaro se revelou um profundo conhecedor da natureza humana

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.

Feliz dia de quem matou os pais!

Feliz dia de quem matou os pais!

Dia em que Suzane von Richthofen e Alexandre Nardoni estão de férias da prisão.

Brasil,  192 anos dos Cursos  Jurídicos  Salve o dia 11 de agosto, dia dos advogados

Brasil, 192 anos dos Cursos Jurídicos Salve o dia 11 de agosto, dia dos advogados

O Brasil, último país a acabar com a escravidão tem uma perversidade intrínseca na sua herança, que torna a nossa classe dominante enferma de desigual