Porto Velho (RO) terça-feira, 20 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

Nota da Arquidiocese de Porto Velho sobre a reforma da previdência


Nota da Arquidiocese de Porto Velho sobre a reforma da previdência - Gente de Opinião

Nota da Arquidiocese de Porto Velho sobre a reforma da previdência e outras


Carta às comunidades, ao Povo de Deus e todas as pessoas de boa vontade


“Eu vi muito bem a miséria do meu povo.” (Ex 3,7a)


Começamos a semana em que celebramos o mistério de Jesus. Mas como vivenciar a ressurreição de Jesus nesse contexto de exclusão, de morte, de perda de direitos?


Os idosos não têm a garantia de viver com certa dignidade, muitos jovens, pobres, negros, indígenas, ribeirinhos, povos da floresta, mulheres, presidiários e presidiárias, camponeses e demais excluídos da nossa sociedade perdendo seus direitos cada vez mais com as várias reformas:


• A Proposta de Emenda Constitucional 287/2016, se for aprovada, vai exigir idade mínima de 65 anos para a aposentadoria, tanto para homens quanto para mulheres, e um tempo mínimo de contribuição de 25 anos que, na prática, requer 49 anos para aposentar-se com 100% dos proventos, comprometerá a assistência aos assegurados especiais (indígenas, quilombolas e pescadores), reduzirá a pensão para viúvas e viúvos, terá gente recebendo menos que um salário mínimo. Em contrapartida, nenhum direito é perdido pelos altos membros do legislativo, do executivo e do judiciário, bem como militares. Grandes empresas e bancos devem bilhões para a previdência, mas a conta cai para o povo pagar.


• A terceirização podendo ser aplicada a qualquer tipo de atividade e de empresa, o que, na prática, vai gerar um regime de quase escravidão, onde os donos dos meios de produção possuem inteira liberdade para decretar o quanto pagar, e quem precisa de trabalho se obrigará a submeter-se.


• A reforma da educação, feita por burocratas e não por educadoras e educadores, que na prática vai restringindo o acesso dos mais pobres ao ensino superior e retira do currículo aquelas disciplinas que levam o estudante a pensar sobre a realidade em que vive.


Percebemos que, nestas reformas e em muitos outros atos do atual poder executivo federal, não houve consulta popular.


“Ouvi o seu clamor contra os seus opressores e conheço os seus sofrimentos, por isso desci para libertá-los.” (Ex 3,7b)


Assim como o povo que era escravo no Egito saiu em busca de libertação, conclamamos a todos os cristãos e pessoas que acreditam na transformação da sociedade a:


• Reunir-se em comunidade para estudar, aprofundar e compreender melhor as reformas que estão sendo impostas;


• Ir para as ruas se manifestar contra as perdas dos direitos, juntando-se a outras organizações e movimentos sociais que já começaram a reivindicar;


• Exigir de seus deputados, senadores, juízes e Ministério Público que se coloquem a favor do Povo, assegurando-lhes os direitos adquiridos a duras penas e lutas.


Com Jesus, caminhamos em busca do Novo Céu e da Nova Terra (Ap 21).


Com a Mãe Aparecida, comprometemo-nos com o Sonho de Deus da Vida para Todas e Todos!


Porto Velho, 8 de abril de 2017.


† Roque Paloschi, bispo da Igreja de Porto Velho.

Pastorais Sociais da Arquidiocese de Porto Velho.

Mais Sobre Opinião

Meu cargo, minha vida

Meu cargo, minha vida

Bolsonaro se revelou um profundo conhecedor da natureza humana

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.

Feliz dia de quem matou os pais!

Feliz dia de quem matou os pais!

Dia em que Suzane von Richthofen e Alexandre Nardoni estão de férias da prisão.

Brasil,  192 anos dos Cursos  Jurídicos  Salve o dia 11 de agosto, dia dos advogados

Brasil, 192 anos dos Cursos Jurídicos Salve o dia 11 de agosto, dia dos advogados

O Brasil, último país a acabar com a escravidão tem uma perversidade intrínseca na sua herança, que torna a nossa classe dominante enferma de desigual