Porto Velho (RO) domingo, 18 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

Michel tem 19 dias para renunciar


Michel tem 19 dias para renunciar - Gente de Opinião

Michel Temer tem 19 dias para renunciar à presidência da República. Seria bom alguém avisar isso para ele, que parece não estar pensando nem de longe na possibilidade. Sendo assim, só vai restar a hipótese de uma eleição indireta, via Congresso, se Michel e seu governo não resistirem à delação da Odebrecht. Mesmo nesse cenário, é ilusão imaginar que deputados e senadores irão mandar para o Planalto um dos nomes “respeitáveis” que vem sendo levantados, como Fernando Henrique ou Nelson Jobim.

Esse Congresso que aí está, e que tão bem conhecemos, não hesitará em eleger presidente da República um dos seus. Rodrigo Maia, Rogério Rosso, Jovair Arantes… já pensou? Nem é coisa para se pensar.

No rastro dos últimos acontecimentos, e do progressivo enfraquecimento de Michel Temer, voltaram a proliferar iniciativas para aprovação, a toque de caixa, de uma emenda constitucional estabelecendo o que é de bom senso: as eleições para presidente serão diretas a qualquer tempo em caso de afastamento do titular, a não ser que este ocorra a seis ou até três meses do fim do mandato.

São remotas, porém, as chances de a articulação vingar. Em primeiro, porque PECs levam meses para tramitar, e, para ser levada a sério, a proposta teria  que decretar antecipadamente o fim do atual governo. O que seria do país, notadamente da economia, nesses meses?

A razão mais forte para que não vá adiante a proposta de convocar as diretas já, porém, é outra. Na atual conjuntura, as forças que compõem o governo pinguela de Michel Temer teriam chances bem remotas de vencer.

Basta olhar o elucidativo DataFolha divulgado hoje para se ter uma ideia de como irão se comportar nossas elites nessa crise. Na atual conjuntura, Marina Silva vence todo mundo no segundo turno: Aécio, Alckmin e Lula. No primeiro, numa demonstração de resiliência fora do comum, Lula ganha de todo mundo. E mais, até cresceu desde o último levantamento, apesar de toda a pancadaria recente.

Como se vê, o establishment político e econômico do país dificilmente vai querer resolver esses problemas na base do voto – nem direto, nem indireto. Com a palavra, as ruas.]

Fonte: Os Divergentes

Mais Sobre Opinião

Meu cargo, minha vida

Meu cargo, minha vida

Bolsonaro se revelou um profundo conhecedor da natureza humana

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.

Feliz dia de quem matou os pais!

Feliz dia de quem matou os pais!

Dia em que Suzane von Richthofen e Alexandre Nardoni estão de férias da prisão.

Brasil,  192 anos dos Cursos  Jurídicos  Salve o dia 11 de agosto, dia dos advogados

Brasil, 192 anos dos Cursos Jurídicos Salve o dia 11 de agosto, dia dos advogados

O Brasil, último país a acabar com a escravidão tem uma perversidade intrínseca na sua herança, que torna a nossa classe dominante enferma de desigual