Porto Velho (RO) terça-feira, 20 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

Mesmo com atraso, 1º dia de desfile em SP anima o público



Bruno Bocchini - Repórter da Agência Brasil

Apesar dos apagões e do atraso de mais de uma hora no primeiro dia de desfile das escolas de samba de São Paulo, o público foi bastante receptivo com a apresentação das agremiações no Sambódromo do Anhembi, na zona norte da capital paulista. Mesmo após a chuva que atingiu a cidade no início da noite, camarotes e arquibancadas, por volta das 2 horas, estavam praticamente lotados.

“Gosto de vir todo ano para ver as escolas e virar a noite aqui na arquibancada. Sorte que o tempo ajudou e parou de chover logo na primeira escola”, disse Aparecida Souza, que assistia ao desfile na arquibancada.

O desfile deste ano contou, pela primeira vez, com a interpretação dos sambas-enredo na Língua Brasileira de Sinais (Libras), o que permitiu a um grupo de pessoas com deficiência auditiva vivenciar mais profundamente a experiência do carnaval no Sambódromo. A iniciativa foi da secretaria Municipal da Pessoa com Deficiência e Mobilidade Reduzida. “A acessibilidade arquitetônica da estrutura do sambódromo do Anhembi já foi alcançada, agora a busca é por construirmos a consciência de que as pessoas com deficiência auditiva também querem estar presentes nesses eventos significativos em São Paulo”, disse a secretária da pasta, Marianne Pinotti.

Gente de Opinião

São Paulo - A Escola de Samba Pérola Negra abriu, o desfile de carnaval de São Paulo no Sambódromo do Anhembi, zona norte da capital paulista Divulgação/Rafael Neddermeyer/LIGASP/Fotos Públicas

Pérola Negra

A primeira agremiação a entrar na avenida foi a escola de samba Pérola Negra. Com o samba-enredo Do Canindé ao Samba no Pé, a Vila Madalena nos Passos do Balé, a agremiação contou a história de índios e negros que, fugidos da escravidão, refugiaram-se na região. As alas e o enredo se desenvolveram até os tempos recentes, quando o bairro passou a ser ocupado por intelectuais e artistas.

O desfile da escola, porém, foi prejudicado, por duas vezes, por causa de apagões parciais dos refletores do sambódromo. A entrada da Pérola Negra na avenida já havia atrasado cerca de 30 minutos justamente em razão de um apagão que atingiu parte do sambódromo minutos antes da escola iniciar o desfile. Apesar dos problemas, a Pérola Negra conseguiu completar sua apresentação praticamente dentro do tempo limite.

O atraso, ocorrido logo no início, acabou por prolongar muito além do previsto o desfile das escolas de São Paulo. A última escola a entrar na avenida, a Acadêmicos do Tatuapé, que deveria começar o desfile às 5h45, iniciou a apresentação por volta das 7 horas.

Vila Maria

A Unidos de Vila Maria, uma das escolas mais aplaudidas na primeira noite de desfiles, levou para a avenida a história de Ilha Bela, cidade do litoral paulista. Índios, piratas e navegantes fizeram parte do enredo, elaborado pelo carnavalesco Alexandre Louzada.

Águia de Ouro

Já a Águia de Ouro trouxe para o carnaval o tema Ave Maria Cheia de Faces. Mais do que uma ode à mãe de Jesus Cristo, os carnavalescos Douglinhas, Juca, Izanzinho, Cuca e Pelezinho trataram dos sentimentos da feminilidade e maternidade. De acordo com eles, a intenção do desfile não era religiosa, mas uma homenagem as mulheres.

Rosas de Ouro

A escola Rosas de Ouro empolgou o público com um enredo sobre a tatuagem e a arte corporal. Muitas pessoas nas arquibancadas agitaram bandeiras cor-de-rosa durante a passagem da agremiação. Os carros alegóricos lembraram o hábito de gravar desenhos no corpo desde as origens ancestrais. Os diferentes significados da pintura permanente na pele foram destacados no desfile: amuleto, proteção, ritual de passagem, devoção religiosa, prova de amor e vaidade.

Nenê de Vila Matilde

Uma das escolas mais tradicionais da cidade, a Nenê de Vila Matilde, homenageou a atriz, cantora e dançarina Cláudia Raia. O desfile começou com uma referência à descoberta da vocação da artista, ainda na infância, na academia de dança da mãe. As alegorias passaram pelo início da carreira de Cláudia como dançarina e evoluíram para a chegada ao cinema e aos trabalhos na televisão.

Gaviões da Fiel

Já a Gaviões da Fiel, que contou com a presença de muitos torcedores nas arquibancadas, levantou o público o com tema É Fantástico! Imagine, Admire e Sinta. Com inspiração em romancistas, dramaturgos e até no espiritismo, a escola fez uma reflexão sobre a criação do homem no universo e o papel da imaginação na existência.

Acadêmicos do Tatuapé

A Acadêmicos do Tatuapé fez uma homenagem à escola de samba carioca Beija-Flor de Nilópolis, agremiação que compartilha as cores (azul e branco) e o padroeiro – São Jorge. As alegorias fizeram referência aos desfiles da escola carioca que, ao longo de sua história, alcançou 13 títulos e 12 vice-campeonatos.

Lucratividade

Antes do início do desfile, o prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, disse que o carnaval dos blocos de rua já movimenta mais dinheiro na cidade que o das escolas de samba do sambódromo. Segundo ele, a estimativa é a de que os blocos movimentem cerca de R$ 400 milhões, ante R$ 250 milhões do sambódromo. A estimativa leva em conta o dinheiro do folião usado em hotelaria, alimentação, e outros gastos. “Os blocos de rua são mais dias, existem muitos blocos e tem na cidade inteira”, disse.

Mais Sobre Opinião

Meu cargo, minha vida

Meu cargo, minha vida

Bolsonaro se revelou um profundo conhecedor da natureza humana

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.

Feliz dia de quem matou os pais!

Feliz dia de quem matou os pais!

Dia em que Suzane von Richthofen e Alexandre Nardoni estão de férias da prisão.

Brasil,  192 anos dos Cursos  Jurídicos  Salve o dia 11 de agosto, dia dos advogados

Brasil, 192 anos dos Cursos Jurídicos Salve o dia 11 de agosto, dia dos advogados

O Brasil, último país a acabar com a escravidão tem uma perversidade intrínseca na sua herança, que torna a nossa classe dominante enferma de desigual