Porto Velho (RO) terça-feira, 20 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

Mantenha a indignação sobre controle - Por Antonio Pagliosa


 Mantenha a indignação sobre controle - Por Antonio Pagliosa - Gente de Opinião
 

João Antonio Pagliosa

A indignação nos faz mal. Indignação nos inflama e eleva a nossa temperatura... Às vezes, nos tira do sério. Não se indigne, portanto...

É fácil? Certamente não é, porque vemos barbaridades por todos os lados, porém é preciso ter controle sobre nossas emoções. Afinal, pessoas inflamadas e com temperatura acima do normal, não raciocinam com sabedoria e prudência. E no calor de discussões, elas metem os pés pelas mãos...

Salmos capítulo 37 nos mostra que a felicidade dos perversos é temporária. O seu primeiro versículo diz: “Não te indignes por causa dos malfeitores, nem tenhas inveja dos que praticam a iniquidade.”

Ao longo dos meus 25.001 dias que completo hoje, eu sei o quanto isso é verdadeiro. Presenciei malfeitores em maus lençóis no final de suas vidas... E lembrei que a justiça divina nunca falha!

Então, mantenha-se sempre íntegro, e não se indigne com o comportamento errado dos outros, mesmo sabendo que muitos que detém algum poder agem em prejuízo do coletivo. Isso é assim desde que o homem é homem...

Tenha domínio próprio... Não se exalte... Lembre-se que os eixos de um trem se aquecerão demasiado, se porventura não estiverem adequadamente lubrificados. A fricção criará aquecimento excessivo e comprometerá a segurança do trem.

O mesmo acontecerá com você quando não tiver o óleo do Senhor, em situações que o martirizam. Este óleo só virá com sua entrega a Ele!

Assim como o óleo impede a fricção que gera o aquecimento dos eixos do trem, é o óleo do Senhor que abrandará a sua ira e impedirá sua indignação.

Há muitas pessoas de pavio curto... Há pessoas que nem pavio tem, e se inflamam por qualquer coisa... Estas quase sempre morrem cedo... Portanto, tenha domínio sobre si mesmo, se quiser ter vida longa.

Não se indigne com os malfeitores porque eles vivem em iniquidade, e breve murcharão como verduras já colhidas. Não se indigne com aquelas pessoas que não buscam a Deus e prosperam... Estas também murcharão em breve...

Moisés se indignou com seu povo que reclamava todo tempo, e ele, irado, bateu na rocha por três vezes... Ele não entrou na terra prometida, por isso.

A indignação exagerada gera aquecimento de temperatura e inflamação, a qual gera confusão... Pois, não raciocinamos com a devida clareza.

Um erro não pode justificar outro erro.

E, no capítulo 15 do livro de Lucas, o irmão mais velho do filho pródigo se indignou quando este retornou à casa do pai, e o pai em regozijo, mandou preparar-lhe novilho cevado ao filho que recuperara.

Quando o filho mais velho reclama com seu pai, este lhe conforta, dizendo: “Meu filho, tu sempre estás comigo; tudo que é meu é teu.”

O pai se alegrou com a volta do filho... Aquele filho que já desperdiçou a sua herança porque abandonara seu pai. Abandonar sua família o fará sofrer, e sempre o prejudicará!

Quando permanecemos ao lado do Pai, e fiel a Ele, nós teremos TUDO o que é Dele, inclusive a sua Paz. E é exatamente isso que Deus quer nos ensinar nesta passagem sobre o filho pródigo.

Precisamos viver em conformidade com a Palavra de Deus, se queremos nos tornar herdeiros de Deus. Simples assim...

João Antonio Pagliosa

www.palestrantejoaopagliosa.blogspot.com.br

Curitiba, 27 de março de 2017.

 

Mais Sobre Opinião

Meu cargo, minha vida

Meu cargo, minha vida

Bolsonaro se revelou um profundo conhecedor da natureza humana

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.

Feliz dia de quem matou os pais!

Feliz dia de quem matou os pais!

Dia em que Suzane von Richthofen e Alexandre Nardoni estão de férias da prisão.

Brasil,  192 anos dos Cursos  Jurídicos  Salve o dia 11 de agosto, dia dos advogados

Brasil, 192 anos dos Cursos Jurídicos Salve o dia 11 de agosto, dia dos advogados

O Brasil, último país a acabar com a escravidão tem uma perversidade intrínseca na sua herança, que torna a nossa classe dominante enferma de desigual