Porto Velho (RO) quinta-feira, 5 de agosto de 2021
×
Gente de Opinião

Opinião

LEI SECA PARA OS SEDENTOS DE LAZER


O projeto de Lei de autoria do vereador Ted Wilson (PFL de Porto Velho), denominada "lei seca", aprovada na Câmara Municipal em que determina que os bares e pequenos comércios não possam comercializar bebidas alcoólicas a partir das 00h até as 6 horas da manhã é uma iniciativa demagógica e que se sancionada será considerada simplesmente esdrúxula e servirá de chacota na sociedade. Os bares em Porto Velho têm uma função social e fazem parte da cultura local, as pessoas que as freqüentam se reúnem para discutir política, fazer negócios e interação social.

Embora os homens e mulheres em sua origem tenham nascido em pequenos grupos rurais. As cidades ocuparam o lugar de convivências e de relacionamentos humanos.

Desde os primórdios que os seres humanos utilizam-se das festas para se aproximarem e estabelecerem convivência. Unido-se a isso, as noite servem para as reflexões dos sonhos e das poesias – alimentam as esperanças dos que acreditam nas mudanças.

Porto Velho desde a sua origem foi banhada pela nostalgia, e com ela a boemia. Imigrantes que para aqui vieram para trabalhar nas brenhas da mata, por ocasião da construção da Estrada de Ferro Madeira Mamoré –E.F.M.M, debruçavam-se em suas janelas e nos ombros dos amigos para cantarem o passado e planejar o futuro. Esses sentimentos aumentaram com a vinda de seringueiros e soldado da borracha e mais recentemente com a grande migração que veio para ajudar na formação do Território em Estado de Rondônia.

Sendo esta cidade a única capital que não possui sequer um teatro, a sociedade criou e recriou os seus espaços de lazer. São nos bares que a sociedade se encontra e se revela. São nas noites e nos bares que os profissionais da arte trabalham e muitos iniciaram-se como profissionais.

É lamentável que um vereador mobilize seus pares para aprovar uma lei que venha contra a cultura do povo. O vereador deveria lembrar que ele é um fiscal do executivo e um defensor da cidadania. Deveria se preocupar em ampliar os espaços culturais e elaborar projetos que possam ampliar o trabalho e gerar novas oportunidades de renda. Se essa lei for sancionada, os Vereadores e o Prefeito estarão tirando do mercado de trabalho profissionais da arte, garçons, animadores culturais, cozinheiras, taxistas, transportadores e deixando de apoiar os empresários do setor de bebida e do turismo.

Se a preocupação do "nobre edil" era com a segurança da população, deveria então se preocupara com a democratização e a melhoria da qualidade do ensino, apoiar o lazer nos bairros, lutar para que as crianças e os jovens possam ter uma educação integral, e lutar para os pais possam ter oportunidade de investimentos, emprego e renda, e não fazer exatamente ao contrário.

Também não é demais lembrar de que desde o final da idade média e o início da idade moderna que a política é separada da religião. Os poderes devem atuar com independência e de forma laicos e a política deve ser vista como a ciência do bem comum.

Fonte: Adilson Siqueira de Andrade
(Antropólogo e professor de filosofia da UNIR).

Mais Sobre Opinião

Servidores e sindicatos, uni-vos!

Servidores e sindicatos, uni-vos!

Vem aí mais uma arapuca para tentar solapar garantias e direitos conquistados com muito sacrifício pelo funcionalismo, como a estabilidade da catego

Bento XVI critica os representantes da igreja alemã + Antissemitismo e extremismo em voga + Já 3.462 cristãos assassinados este ano na Nigéria

Bento XVI critica os representantes da igreja alemã + Antissemitismo e extremismo em voga + Já 3.462 cristãos assassinados este ano na Nigéria

BENTO XVI CRITICA OS REPRESENTANTES DA IGREJA ALEMàAlém de Funcionários Pessoas de FéAs palavras do Papa emérito, proferidas numa entrevista ("Última

Retorno às aulas é quase um suicídio

Retorno às aulas é quase um suicídio

A inconsequência parece mesmo não ter limites na conduta de dirigentes e autoridades públicas. Falar em retorno das aulas presencias na rede pública

Um bom sinal

Um bom sinal

. Há quem diga que nunca se roubou tanto dinheiro da sociedade como nos últimos dezenove anos.