Porto Velho (RO) quinta-feira, 22 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

Kotscho questiona: como chegamos a este nível de barbárie?


Kotscho questiona: como chegamos a este nível de barbárie?  - Gente de Opinião

Por Ricardo Kotscho, no Balaio do Kotscho

Se a primeira semana de 2017 foi assim, fico imaginando como chegaremos à última.

Conto com a ajuda dos leitores para encontrar respostas porque não faço a menor ideia do que nos espera até lá.

Tanto quanto as matanças de presos no Amazonas e em Roraima, o que me chocou foi a reação aparvalhada dos agentes públicos de todos os níveis, uns jogando a responsabilidade nos outros, e apresentando novos velhos planos de segurança para um futuro distante, quando já estaremos todos mortos, dentro ou fora das cadeias.

Eram tragédias anunciadas, plenamente previsíveis. Revelam acima de tudo, a falência das instituições do Estado brasileiro.

Nestas duas semanas que passei longe do mundo na minha pequena Porangaba, a menos de duas horas de São Paulo, onde não se vendem mais jornais desde que meu amigo Jorjão morreu, e as conexões de internet caem a toda hora, li e reli velhos livros esquecidos na estante do sítio Ferino para tentar descobrir onde e quando perdemos o prumo, o fio da meada.

Como chegamos a este nível de barbárie, de incertezas e de insegurança num país que tinha tudo para dar certo, abençoado por Deus e bonito por natureza?

Talvez nos ajude a entender o que estamos vivendo hoje o livro "Código da Vida", do ex-ministro da Justiça e advogado Saulo Ramos, já falecido, um passeio pelos últimos 50 anos da vida brasileira.

Decifrar este código, desvendando as insondáveis razões do destino das pessoas, que acabam contando a história de um país, foi o desafio do jurista-escritor.

Romance baseado em personagens e histórias da vida real, a partir das experiências vividas pelo autor, que circulou com desenvoltura pelos três poderes, temos ali uma síntese das relações promíscuas desde sempre entre o público e o privado, as relações de compadrio, o velho patrimonialismo a serviço das oligarquias, a eterna disputa do poder pelo poder.

Não há como apagar a História, e é bom que seja assim, para nos ajudar a entender o presente. Diante de tantas incertezas, não adianta se pré-ocupar.

É certo que estamos vivendo o final de um ciclo político e econômico no mundo todo e precisamos ficar atentos aos sinais sobre o que o destino nos reserva.

Por falar nisso, Donald Trump assume no próximo dia 20, uma sexta-feira.

Mais Sobre Opinião

O bom do silêncio

O bom do silêncio

Bolsonaro disse que não adianta exigir dele a postura de estadista, por que não é estadista.

Meu cargo, minha vida

Meu cargo, minha vida

Bolsonaro se revelou um profundo conhecedor da natureza humana

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.

Feliz dia de quem matou os pais!

Feliz dia de quem matou os pais!

Dia em que Suzane von Richthofen e Alexandre Nardoni estão de férias da prisão.