Porto Velho (RO) segunda-feira, 19 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

Inflar-se ou esvaziar-se - Por João Antonio Pagliosa


Gente de Opinião
João Antonio Pagliosa 

Parece coisa simples, entretanto, esta decisão determinará se você será vencedor ou perdedor.

É você cheio de si mesmo? É você aquele que se garante, e considera que com a força de seu braço, resolve todas as situações que se lhe apresentam? É você daqueles que pensam lá no seu íntimo: Ah, se eu não estivesse aqui, para solucionar todas estas pendengas, desta empresa que sirvo ou administro? É você daquele tipo que crê assim: Como esta empresa precisa de mim… Mas, enfim, como é bom estar presente aqui, sou útil com todos os meus conhecimentos.

Muitos empresários e muitos funcionários pensam assim, e por inflar seu ego e superestimar seu desempenho profissional, não visualizam o talento e o potencial de seus colaboradores ao seu redor. Concomitantemente eles não percebem seus defeitos e suas limitações. Para estas pessoas o talento de seus subordinados é um mero efeito colateral. Para estas pessoas os seus defeitos e limitações são minimizados ao extremo, afinal, raciocinam assim: “Eu sou o cara…”

Por assim raciocinar, não conseguem aquilatar o verdadeiro potencial de seus colaboradores e consequentemente os remuneram mal. Ora, funcionários que percebem que são remunerados aquém do que merecem, respondem produzindo aquém do que esperam dele. Então o patrão coopera para empobrecer o funcionário e o funcionário coopera para empobrecer o patrão. É um círculo vicioso.
É um círculo vicioso e perigoso, e muitas empresas de todos os portes já faliram, e estão falindo em função disso. Conheço algumas delas e o problema crucial é recorrente e acontece apenas onde o homem, criatura de Deus está presente. Nunca ocorre onde o homem, filho de Deus está presente. A diferença reside no fato que criatura de Deus desobedece. Filho de Deus obedece e segue a palavra.

Quando alguém se infla, isto é, se enche de si mesmo, preocupa-se consigo mesmo em primeiro lugar e, portanto, já está derrotado.

Quando alguém se esvazia de si mesmo, preocupa-se em servir o outro, não tem tempo de olhar para seu próprio umbigo, não tem tempo a perder com as suas próprias aflições. A ele, urge primeiro as aflições do outro, portanto, já é um vitorioso.

Deus honra a quem o honra, por consequência tudo o que fizer de útil e bom a seu próximo, terá recompensa no mínimo dobrada. Por isso, seja esperto, seja inteligente, baixe seu narizinho e esvazie-se de si mesmo. Vou avisando que não é tarefa simples…, mas a recompensa não tem preço.
Attilio Fontana, fundador da Sadia, ensinou a trilogia homem-terra-técnica, ou seja, a Sadia para ter sucesso precisa dar atenção ao homem em primeiro lugar, a terra que sustenta toda a riqueza em segundo lugar e a técnica (estudo, aprimoramento), em terceiro lugar. Estava, como sempre, “up to date”, ou atualizadíssimo. De banco de escola, um semi-analfabeto, porém um auto-didata, um gênio, um sábio, um homem temente a Deus.

Quase cinquenta anos depois de sua fundação, a Sadia, implementou a ferramenta “Qualidade Total”, algo maravilhoso quando executado de “fio a pavio”. Na Sadia esta ferramenta ajudou pouco porque os executores do programa olvidaram o homem e não premiaram as competências. Seus egos eram e continuam hiper inflados e esqueceram até a trilogia de seu fundador. Deu no que deu.

Attilio era homem vazio de si mesmo. Assim era também seu braço direito, e incansável trabalhador, chamado Romano Anselmo, que ia para a empresa de fusquinha enquanto todos os demais diretores da Sadia Concórdia iam com seus Chevrolet Diplomata, o sonho de consumo dos homens da época.

João Domingos, filho de Ancelmo, quase três anos atrás, me confidenciou: “Sabe primo, o teu tio Ancelmo nunca se considerou parceiro do tio Attilio, ele sempre se considerou empregado dele.”

E Ancelmo serviu ao Attilio e a Sadia até sua morte ocorrida em 1987. Serviu até o fim e gostaria e ansiava parar, mas perseverou e perseverou até o fim.

Estes dois homens eram vazios de si mesmos, e marcaram época, e deixaram marcas, e deixaram legados, e deixaram fortunas. Devem estar nos olhando e confidenciando um ao outro: Puxa, como estão confusas as coisas lá em baixo, sem a gente… Bem, nós fizemos o que tinha que ser feito, como Paulo, nós combatemos o bom combate.

Esvaziar-se é simples: Quebrante-se diante de DEUS, e saiba que é apenas pó sem ele.

Sirva e será servido. Doe até doer, aí será galhardoado, de uma forma inimaginável.

Este escriba apenas referenda o que a Bíblia ensina. Com saudades do Attilio e do Ancelmo. Mas eu sei que vamos nos encontrar!

 

(*) João Antonio Pagliosa é engenheiro agrônomo.

Curitiba, 12 de fevereiro de 2017

Mais Sobre Opinião

Meu cargo, minha vida

Meu cargo, minha vida

Bolsonaro se revelou um profundo conhecedor da natureza humana

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.

Feliz dia de quem matou os pais!

Feliz dia de quem matou os pais!

Dia em que Suzane von Richthofen e Alexandre Nardoni estão de férias da prisão.

Brasil,  192 anos dos Cursos  Jurídicos  Salve o dia 11 de agosto, dia dos advogados

Brasil, 192 anos dos Cursos Jurídicos Salve o dia 11 de agosto, dia dos advogados

O Brasil, último país a acabar com a escravidão tem uma perversidade intrínseca na sua herança, que torna a nossa classe dominante enferma de desigual