Porto Velho (RO) terça-feira, 24 de novembro de 2020
×
Gente de Opinião

Opinião

HIRAN GALLO: ERRO MÉDICO


 
* José Hiran Gallo

Em qualquer situação é muito difícil, e raro, saber assumir um erro. A História, e o dia-a-dia mostram isso, o que não seria diferente quando se trata de situação em que possa ter havido erro médico. 

No caso desse profissional, há várias situações passíveis de serem usadas para explicar a assertiva acima. Primeiro, porque a cultura médica tradicional assenta, ainda hoje, numa educação para a perfeição que venera modelos infalíveis, ignorando a abordagem mais filosófica da ciência e a necessidade de entender que o conhecimento avança pela correção de proposição que se revelam erradas. Os erros ocultam-se nas teorias mais consagradas. Segundo, porque o erro é quase imediatamente tomado como sinônimo de negligência ou, pior ainda, de falha de caráter. 

Por fim, o erro médico tem sempre um profundo impacto pessoal e profissional. É vivido quase sempre em dramática solidão, e dele pode resultar conseqüências penais, além da censura explícita ou muda da sociedade e, o que é ainda mais doloroso, dos próprios pares, mesmo naquelas situações consideradas paradoxalmente de erro sem culpa, como sucede quando a doença se apresenta em traiçoeiro silêncio ou de uma forma bizarra. 

Muitas vezes, e não se está querendo justificar um fato direcionando a questão para outros responsáveis, o erro é conseqüência de falhas no sistema. Não iremos muito longe. Basta chegarmos a uma unidade de saúde em qualquer região do Brasil, onde todos os profissionais da saúde trabalhem em condições precárias, e os gestores dizem ainda não ter como resolver tal problema. Nesse grupo, onde os fatos acontecem em decorrência de falta de condições de trabalho, estão cerca de 70% do que se convencionou chamar “erro médico”, muitas vezes sendo atribuído ao profissional de saúde uma responsabilidade que não é sua e em que acaba se tornando, também, uma vítima. 

É importante considerar um aspecto fundamental: A Medicina, no passado, era simples, ineficaz e razoavelmente inócua. Agora, ela é complexa, eficaz, mas potencialmente perigosa. 

Por fim, em qualquer circunstância o erro médico é uma questão que começa, continua e se extingue na educação, entendida esta no sentido mais amplo, pois inclui também a instrução do público na percepção do risco, e o desenvolvimento de uma cultura de segurança. Um assunto que deve ser centrado, desde os primeiros dias do curso de graduação do futuro médico. Por isso que a Bioética foi incluída na grade curricular. 

Coloco-me à disposição dos ilustres Colegas Médicos para discutirmos tal assunto, pois sua aparência desperta sempre um voraz apetite noticioso, jamais contrataria um advogado para defender-me em um tribunal de ética, pois dentro da minha especialidade eu tenho obrigação de entender.

* Consº. do CRM, diretor-tesoureiro do CFM e doutorando em bioética

Mais Sobre Opinião

Hildon Chaves deverá vencer as eleições muito facilmente, se a Cristiane não se reposicionar junto aos eleitores

Hildon Chaves deverá vencer as eleições muito facilmente, se a Cristiane não se reposicionar junto aos eleitores

Até o momento, ao que tudo indica, parece que a definição sobre quem será o próximo prefeito ou prefeita de Porto Velho é “favas contadas”. O atual

Respeito a decisão do Vinícius, mas não concordo

Respeito a decisão do Vinícius, mas não concordo

Recebi de um amigo um vídeo em que o candidato à prefeitura de Porto Velho, Vinicius Miguel - em quem votei no primeiro turno da eleição de domingo (1

Os náufragos de 2020

Os náufragos de 2020

Não foi apenas o presidente Jair Bolsonaro que saiu perdendo nas eleições municipais de 2020. A esquerda foi massacrada nas urnas. Exemplo disso é o

O recado das urnas

O recado das urnas

A renovação substancial da Câmara Municipal de Porto Velho, além da decepção causada a muitos dos que atualmente exercem mandato de vereador, há de