Porto Velho (RO) terça-feira, 20 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

FLAMA – UMA IDEIA QUE DEU CERTO


FLAMA – UMA IDEIA QUE DEU CERTO - Gente de Opinião

O FLAMA – Festival de Literatura da Amazônia – surgiu de uma parceria entre Carlos Moreira, Alberto Lins Caldas e Marcos Aurélio Marques e aconteceu durante a semana de 20 a 25 de maio em parceria com SESC Rondônia unindo Porto Velho e Ariquemes. Conforme realizado percebe-se que o FLAMA veio para ficar,pois pretende assumir-se como uma viagem ao futuro,onde cada escritor se coloque a uma nova viagem expandindo de Porto Velho para novas cidades,pois conforme já na mente dos idealizadores o próximo deverá acontecer entre Porto Velho – Manaus e,assim prosseguindo numa caminhada de divulgação e valorização dos intelectuais da Amazônia nem sempre valorizados  pelo talento que possuem.

O Flama aconteceu com diversas oficinas e mesas redonda, onde cada mesa de debate contribuiu para a discussão sobre as possibilidades da literatura amazônica no país. Todas as mesas trabalharam temas que contribuíram para a construção de um patrimônio cultural não somente a título de região mas no caráter universal. Numa parceria com o SESC Rondônia juntamente com a IX Jornada Literária a participação de grandes nomes da cultura, fizeram o sucesso do evento em diversos temas que lotou o Teatro um do SESC e o Audicine, tais como:Prof. Elieudo Buriti (UNIR), Poeta Binho (UNIR) e Prof. Carlos Moreira (RO) na primeira mesa com o tema “Das poéticas à Amazônia”, a participação do grupo “Cordas e Barros” no show Litero Musical, o Espetáculo “É crime não saber ler” da Cia Evolução, Oficina Cultura e Literatura abordando Narrativa e Construção de Memórias com o poeta Analton Alves,Oficina Educação, Literatura e Mídias Sociais com Carlos Moreira (um dos idealizadores do FLAMA), Palestra com o Prof. Drº. Osvaldo Copertino – O Lugar do regionalismo na literatura, Palestra Prof. Edinaldo (UNIR) "Literatura(s) Amazônica(s) - Aspectos de etnicidades, contextos da alteridade", Mesa-Redonda com Estrela Leminski (PR) e Celdo Braga (AM) e Marcos Aurélio (RO), Poeta Binho (RO), Oficina Musicalidade e Cultura Amazônica, vertentes para educação com Prof. Ms. Marcos Aurélio (RO) e Celdo Braga (AM),Show Poético musical “Uma janela aberta para a poesia da Amazônia” Celdo Braga (AM) e Lançamento do Livro Varal,Oficina “A poesia como Intromissão“ Elizeu Braga (RO) ,Oficina Literária Binho e o encerramento com Cine Literatura “Palavra (En) cantada” – Direção Helena Solberg e Sarau “Poéticas da Floresta” com os Poetas Elizeu Braga, Analton Alves, Léo Vincey,Carlos Moreira e convidados.

O destaque do Flama foi a participação da Estrela Leminski e Téo Ruiz no show “São Sons” que de forma calorosa foi recebida pelo público, trazendo algo inédito,um dos melhores shows já presenciados em Porto Velho contando com a participação de artistas locais como Gláucio Giordani e sua filha se apresentando pela primeira vez ao público e, Carlos Moreira que de forma única tornaram o show mais especial ainda.

Em Ariquemes com o apoio da  FUNCEL- Fundação Cultural de Ariquemes aconteceramOficina Educação, Literatura e Mídias Sociais com Carlos Moreira (RO),Show do Caixa de Silêncio com a participação de Estrla Leminski e Téo Ruiz ,Lançamento do Livro “Poesia é Não”,Oficina Musicalidade e Cultura Amazônica, vertentes para educação , Show Poético musical “Uma janela aberta para a poesia da Amazônia” Celdo Braga (AM) e Lançamento do Livro Varal. Em Porto Velho além da Parceria com o SESC Rondônia, o FLAMA contou com o patrocínio do Colégio Classe A.

O evento superou a expectativa dos idealizadores,pois de performances a oficinas, jovens e adultos mergulharam no universo mágico da literatura com muita música,lançamento de Livros,saraus que movimentaram a semana em Porto Velho,faltando apenas a cobertura total da imprensa que sequer deu muita atenção ao evento. Segundo participantes do evento “Mostrar que a literatura é imortal e permanecerá para sempre, é fundamental ,pois mesmo com todas as inovações tecnológicas, os escritores estão lá, eternizados em suas obras,mesmo aqui na Amazônia”.

Fonte: Nicole

 

 

Mais Sobre Opinião

Meu cargo, minha vida

Meu cargo, minha vida

Bolsonaro se revelou um profundo conhecedor da natureza humana

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.

Feliz dia de quem matou os pais!

Feliz dia de quem matou os pais!

Dia em que Suzane von Richthofen e Alexandre Nardoni estão de férias da prisão.

Brasil,  192 anos dos Cursos  Jurídicos  Salve o dia 11 de agosto, dia dos advogados

Brasil, 192 anos dos Cursos Jurídicos Salve o dia 11 de agosto, dia dos advogados

O Brasil, último país a acabar com a escravidão tem uma perversidade intrínseca na sua herança, que torna a nossa classe dominante enferma de desigual